O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4 DE OUTUBRO DE 2012

13

do Provedor de Justiça serão tratadas através do Conselho Superior da Magistratura, do Conselho Superior do Ministério Público ou do Conselho Superior dos Tribunais Administrativos e Fiscais, conforme os casos.

Artigo 23.º

Relatório e colaboração com a Assembleia da República 1 – O Provedor de Justiça envia anualmente à Assembleia da República, até 30 de abril, um relatório da

sua atividade, anotando as iniciativas tomadas, as queixas recebidas, as diligências efetuadas e os resultados obtidos, o qual é publicado no Diário da Assembleia da República.

2 – A atividade do Provedor de Justiça referida no n.º 2 do artigo 1.º consta de anexo autónomo ao relatório mencionado no número anterior e é remetida ao organismo internacional a que disser respeito.

3 – A fim de tratar de assuntos da sua competência, o Provedor de Justiça pode tomar parte nos trabalhos das comissões parlamentares competentes, quando o julgar conveniente e sempre que estas solicitem a sua presença.

CAPÍTULO IVProcedimento

Artigo 24.º Iniciativa

1 – O Provedor de Justiça exerce as suas funções com base em queixas apresentadas pelos cidadãos,

individual ou coletivamente, ou por iniciativa própria, relativamente a factos que por qualquer outro modo cheguem ao seu conhecimento.

2 – As queixas ao Provedor de Justiça não dependem de interesse direto, pessoal e legítimo, nem de quaisquer prazos.

Artigo 25.º

Apresentação de queixas 1 – As queixas podem ser apresentadas oralmente ou por escrito, por simples carta, fax, correio eletrónico

ou outro meio de comunicação, e devem conter a identidade e morada do queixoso e, sempre que possível, a sua assinatura e meios adicionais de contacto, bem como preferencialmente a identificação da entidade visada.

2 – Quando apresentadas oralmente, são reduzidas a auto, que o queixoso assina sempre que saiba e possa fazê-lo.

3 – As queixas podem ser apresentadas diretamente ao Provedor de Justiça ou a qualquer agente do Ministério Público, que lhas transmitirá imediatamente.

4 – Quando as queixas não forem apresentadas em termos adequados, é solicitado o seu aperfeiçoamento, sob pena de indeferimento liminar.

5 – É garantido o sigilo sobre a identidade do queixoso sempre que tal seja solicitado pelo próprio e quando razões de segurança o justifiquem.

Artigo 26.º

Queixas transmitidas pela Assembleia da República A Assembleia da República, as comissões parlamentares e os Deputados podem ouvir o Provedor de

Justiça e solicitar-lhe as diligências necessárias à prossecução das petições ou queixas que lhes sejam enviadas.

Páginas Relacionadas
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 11 18 PROPOSTA DE LEI N.º 96/XII (2.ª) (INTRODUZ ALTERAÇ
Pág.Página 18
Página 0019:
4 DE OUTUBRO DE 2012 19 cinco pontos percentuais face ao que estava anteriormente d
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 11 20 Índice I. Análise sucinta dos factos, situa
Pág.Página 20
Página 0021:
4 DE OUTUBRO DE 2012 21 II. Apreciação da conformidade dos requisitos formais, cons
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 11 22 E aos artigos 1.º, 2.º, 3.º, 4.º, 5.º, 7.º, 22.º,
Pág.Página 22
Página 0023:
4 DE OUTUBRO DE 2012 23 No presente artigo, os autores pretenderam fazer um enquadr
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 11 24 jurisdições não cooperantes e contra os paraísos f
Pág.Página 24
Página 0025:
4 DE OUTUBRO DE 2012 25 IV. Iniciativas legislativas e petições pendentes sobre a m
Pág.Página 25