O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 53

32

2. Objeto, motivação e conteúdo da iniciativa

A presente iniciativa tem como objeto a revogação da Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, que «aprova as

regras aplicáveis à assunção de compromissos e aos pagamentos em atraso das entidades públicas» e do

Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho, que «contempla as normas legais disciplinadoras dos

procedimentos necessários à aplicação da Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em Atraso, aprovada

pela Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, e à operacionalização da prestação de informação nela prevista».

Para os proponentes, os atrasos nos pagamentos do Estado constituem um problema que afeta a vida de

milhares de cidadãos, empresas, sobretudo as micro, pequenas e médias, e entidades sem fins lucrativos,

sendo fator de agravamento da situação económica e social do país.

A origem do problema, na opinião daqueles, não está na aplicação deficiente dos procedimentos de registo

e controlo de compromissos, mas “…na política de subfinanciamento dos serviços do Estado nas

administrações central, regional e local, levada a cabo por sucessivos governos do PS, PSD e CDS,

subordinada aos dogmáticos objetivos da convergência nominal imposta pela moeda única, pelo cumprimento

do Pacto de Estabilidade e, mais recente, pela total subserviência ao Pacto de Agressão da troica”.

A denominada “lei dos compromissos” segundo os proponentes, impõe constrangimentos burocráticos e

administrativos à execução da despesa orçamentada e à assunção de compromissos financeiros que agravam

o problema, levando ao estrangulamento funcional das entidades públicas e à degradação da sua capacidade

para prestarem os serviços públicos que lhes estão atribuídos, dificuldades e constrangimentos que afirmam o

próprio Governo “acabou por reconhecer, embora a contragosto” sendo já visíveis as consequências nefastas

da sua aplicação na administração local e no setor da saúde.

Embora reconhecendo a pertinência a algumas das suas normas, advogam que “…essa utilidade só se

verificaria noutro quadro político, em que a prioridade fosse a valorização dos serviços públicos e das funções

sociais do Estado, ao serviço do desenvolvimento económico e do progresso social, em vez da atual política

de corte cego nas despesas e de subfinanciamento…”.

“Enquanto este problema não estiver resolvido, a imposição dos procedimentos estabelecidos na Lei dos

Compromissos e dos Pagamentos em Atraso tem como consequência o estrangulamento funcional das

entidades públicas e a degradação dos serviços por ela prestados”, pelo que defendem a sua revogação.

3. Iniciativas pendentes sobre a mesma matéria

Da pesquisa efetuada à base de dados do processo legislativo e da atividade parlamentar, verificou-se que,

neste momento, não existe qualquer iniciativa ou petição versando sobre idêntica matéria.

4. Antecedentes parlamentares

A Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, resultou da apreciação e aprovação da Proposta de Lei n.º 40/XII (1.ª)

(GOV), que consagra as regras aplicáveis à assunção de compromissos e aos pagamentos em atraso. A lei

sofreu a modificação introduzida pela Lei n.º 20/2012, de 14 de maio que altera o n.º 4 do seu artigo 5.º.

No que concerne ao Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho, cabe destacar o seu preâmbulo pelo facto

de explicitar de forma clara que: (…) O presente diploma visa estabelecer, nos termos e para os efeitos do

disposto no artigo 14.º da Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, Lei dos Compromissos e dos Pagamentos em

Atraso, doravante abreviadamente designada LCPA, os procedimentos necessários à aplicação da mesma e à

operacionalização da prestação de informação.

O artigo 5.º da Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, e o artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho,

foram objeto de alterações, ainda não promulgadas1. Posteriormente, em sede de apreciação da proposta de

lei que aprova o Orçamento do Estado para 20132, foram alterados os artigos 4.º e 8.º da Lei n.º 8/2012, de 21

de fevereiro e os artigos 5.º e 23.º do Decreto-Lei n.º 127/2012, de 21 de junho.

1 Decreto da Assembleia 97/XII (2ª Sessão Legislativa): Procede à segunda alteração à Lei n.º 64-B/2011, de 30 de dezembro (Orçamento

do Estado para 2012), no âmbito da iniciativa para o reforço da estabilidade financeira, alterando ainda as Leis n.os

112/97, de 16 de setembro, e 8/2012, de 21 de fevereiro, a Lei Orgânica n.º 1/2007, de 19 de fevereiro, e os Decretos-Leis n.

os 287/2003, de 12 de

novembro, 32/2012, de 13 de fevereiro, 127/2012, de 21 de junho, 298/92, de 31 de dezembro, 164/99, de 13 de maio, e 42/2001, de 9 de fevereiro. 2 Decreto da Assembleia 100/XII (2.ª Sessão Legislativa): Aprova o Orçamento do Estado para 2013.

Páginas Relacionadas
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 14 Artigo 2.º Comunicações obrigatórias
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 15 Na reunião de 19 de dezembro de 2012, na qual se encontra
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 16 «Artigo 1.º (...) 1 – (…).
Pág.Página 16
Página 0017:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 17 2 – Revogado. Artigo 16.º (…)
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 18 empresas e serviços de interesse geral, qua
Pág.Página 18
Página 0019:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 19 Artigo 29.º (…) 1 – Os órgãos e agen
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 20 2 – (…). 3 – (…). 4 – Se as r
Pág.Página 20
Página 0021:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 21 Artigo 2.º Âmbito de atuação 1 – As a
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 22 Artigo 7.º Independência e inamovibi
Pág.Página 22
Página 0023:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 23 Artigo 13.º Garantias de trabalho 1 –
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 24 Artigo 17.º Coadjuvação nas funções<
Pág.Página 24
Página 0025:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 25 inconstitucionalidade por omissão, nos termos do n.º 1 do
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 26 CAPÍTULO IV Procedimento
Pág.Página 26
Página 0027:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 27 Artigo 28.º Instrução 1 – A instrução
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 28 c) Quando a ilegalidade ou injustiça invoca
Pág.Página 28
Página 0029:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 29 Artigo 38.º Recomendações 1 – As reco
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 53 30 3 – O Provedor de Justiça tem competência i
Pág.Página 30
Página 0031:
19 DE DEZEMBRO DE 2012 31 «Artigo 25.º Apresentação de queixas
Pág.Página 31