O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

23 DE JANEIRO DE 2013

121

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 585/XII (2.ª)

RECOMENDA AO GOVERNO QUE, EM ARTICULAÇÃO COM A ACADEMIA, PROMOVA UM ESTUDO

QUE ABORDE AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA FRAGMENTAÇÃO HIDRÁULICA EM

PORTUGAL, E QUE PROMOVA ESTRITA REGULAMENTAÇÃO DE AVALIAÇÃO E SALVAGUARDA DOS

RESPETIVOS IMPACTOS AMBIENTAIS E SOBRE AS POPULAÇÕES

Exposição de motivos

Em novembro de 2012, a Agência Internacional de Energia veio afirmar que, em cinco anos, os Estados

Unidos da América irão ultrapassar a Arábia Saudita, tornando-se nos maiores produtores de petróleo até

2017, e que, em 2015, superarão a Rússia, tornando-se nos maiores produtores de gás natural.

Para tais afirmações concorrem não só o aumento da produção e novas políticas destinadas a melhorar a

eficiência energética, mas, também, a adoção de novas técnicas de exploração e extração, como a perfuração

horizontal ou a fragmentação hidráulica, que tornam as reservas muito mais acessíveis. No caso do gás, tais

técnicas, plenas de riscos e de incógnitas ambientais, resultaram aliás num excedente que tem provocado a

queda dos preços.

Em matéria energética, a imprescindível e desejável diversidade nas fontes não se traduz automaticamente

em melhor desempenho ambiental. Com efeito, embora o gás natural seja frequentemente enaltecido pelas

suas relativamente diminutas emissões de carbono quando comparadas às associadas ao petróleo ou ao

carvão, o que é facto é que o novo cenário energético mundial poderá ter como consequência níveis

crescentes de aquecimento global.

O aquecimento global é, aliás, apenas umas das consequências das novas técnicas de exploração e

extração de hidrocarbonetos não convencionais, nomeadamente da já mencionada fragmentação hidráulica, a

qual envolve a injeção de água e químicos sob pressão a grandes profundidades, permitindo a extração de

gás natural, e, como tal, o acesso a novas reservas de combustíveis.

Se nos Estados Unidos a fragmentação hidráulica foi relativamente bem recebida, as primeiras

experiências na Europa encontram-se envoltas em grande polémica, nomeadamente o caso das duas

prospeções no condado de Lancashire em que se registaram dois sismos, situação que originou a sua

suspensão em maio de 2011.

Em consequência, foram realizados pelo Governo britânico diversos estudos técnicos, com base nos quais

se decidiu retomar recentemente a exploração dos recursos endógenos. Aqueles estudos alertaram a

comunidade científica e a população em geral para a existência de risco sísmico, embora o mesmo possa ser

eficazmente gerido com controlo. Ou seja, que a atividade pode processar-se sob estrita regulamentação e

salvaguarda dos respetivos impactos ambientais e sobre as populações.

Atualmente, são vários os países europeus interessados na exploração do gás de xisto com recurso à

fragmentação hidráulica, como sejam a Polónia, a Alemanha, a Holanda, a Espanha, a Dinamarca ou a

Suécia, embora existam países onde a técnica é rejeitada, como França, onde é, aliás, matéria consensual

entre os principais partidos do arco da governação.

Em suma, a fragmentação hidráulica tem sido contestada não só pelos seus potenciais impactos na

atividade sísmica, como, igualmente, pelas consequências que acarreta para a qualidade da água subterrânea

e pela libertação de gases que agravam o aquecimento global.

Por tal motivo, a Comissão Europeia lançou, no final de dezembro de 2012, uma consulta sobre as novas

fontes de energia, visando garantir que os potenciais benefícios económicos e as vantagens em termos de

segurança energética de tais desenvolvimentos possam ser aproveitados de forma segura, não

comprometendo a saúde humana ou o ambiente.

São, de resto, estas preocupações que fundamental a apresentação da presente iniciativa legislativa, com

a qual se pretende que o Governo promova, em estreita articulação com as diversas instituições do ensino

superior com relevante conhecimento sobre a matéria, um aprofundado estudo que aborde as vantagens e

desvantagens da fragmentação hidráulica em Portugal, e, a par, seja promovida estrita regulamentação de

avaliação e salvaguarda dos respetivos impactos ambientais e sobre as populações, permitindo que a

exploração e extração de recursos com recurso àquela técnica opere sob as mais apertadas normas de

segurança.

Páginas Relacionadas
Página 0070:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 70 A presente lei entra em vigor 30 dias após
Pág.Página 70
Página 0071:
23 DE JANEIRO DE 2013 71 Com o objetivo de aperfeiçoar o regime jurídico dos julgad
Pág.Página 71
Página 0072:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 72 Por fim, o artigo 7.º da proposta de
Pág.Página 72
Página 0073:
23 DE JANEIRO DE 2013 73 3. O Governo propõe (i) alterar a competência dos julgados
Pág.Página 73
Página 0074:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 74 criação [dos Julgados de Paz], parece adequ
Pág.Página 74
Página 0075:
23 DE JANEIRO DE 2013 75 II. Apreciação da conformidade dos requisito
Pág.Página 75
Página 0076:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 76 Da ACRA; Do Centro de Arbitragem d
Pág.Página 76
Página 0077:
23 DE JANEIRO DE 2013 77 Enquadramento legal nacional e antecedentes A
Pág.Página 77
Página 0078:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 78 o Direito sobre bens móveis ou imóveis – co
Pág.Página 78
Página 0079:
23 DE JANEIRO DE 2013 79 Relativamente aos artigos supracitados, os Profs. Doutores
Pág.Página 79
Página 0080:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 80 reconhecimento das qualificações profission
Pág.Página 80
Página 0081:
23 DE JANEIRO DE 2013 81 ISBN 972-32-1323-0. Cota: 12.21 - 452/2006 Resumo:
Pág.Página 81
Página 0082:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 82 – Poderia a Comissão indicar se já existem
Pág.Página 82
Página 0083:
23 DE JANEIRO DE 2013 83 Com competência idêntica aos Julgados de Paz parecem-nos s
Pág.Página 83
Página 0084:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 84 A nomeação e os requisitos para o cargo de
Pág.Página 84
Página 0085:
23 DE JANEIRO DE 2013 85 França Em França não existe a figura dos “julgados
Pág.Página 85
Página 0086:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 86 Causas sobre bens móveis, cujo valor limite
Pág.Página 86
Página 0087:
23 DE JANEIRO DE 2013 87 pelos critérios da oralidade, da simplicidade, da informal
Pág.Página 87
Página 0088:
II SÉRIE-A — NÚMERO 70 88 No caso de não ter sido possível a concilia
Pág.Página 88
Página 0089:
23 DE JANEIRO DE 2013 89 V. Consultas e contributos Consultas obrigatórias
Pág.Página 89