O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 133

50

FRANÇA

O conceito de regulação surgiu no direito francês no final dos anos 1970, na Lei n.º 78-17, de 6 de janeiro de 1978, que cria a Comissão Nacional para a Informática e as Liberdades (CNIL), que encetou a primeira fase do desenvolvimento das Autoridades Públicas Independentes ou Autoridades Administrativas Independentes (AAI).

As AAI constituem uma autoridade administrativa responsável por, em nome do Estado, assegurar a regulação dos setores considerados essenciais, sem, contudo compreender uma intervenção direta por parte do Governo. Por esta razão, as AAI não estão sob a tutela de nenhum Ministério, constituindo, assim, uma exceção ao disposto no artigo 20.º da Constituição francesa, segundo o qual o Governo dispõe da administração pública.

Enquanto autoridades, são detentoras de instrumentos que lhes permitem desempenhar as suas funções, como seja o poder de emitir recomendações, de tomar decisões, de regulamentar e de aplicar sanções.

No referente a matéria de regulação da economia de mercado, as ações das AAI podem ter consequências judiciais (regulações e sanções) e, quanto às demais, têm, pelo menos, um poder de inquirir, com vista a exercerem as competências que lhe são atribuídas.

Estas autoridades dividem-se, assim, sobretudo, em duas categorias: as que se dedicam à regulação das atividades económicas - dando resposta à crescente concorrência, com o fim da era das nacionalizações e, consequentemente, dos monopólios – e as que se dedicam às matérias referentes à proteção dos cidadãos.

Em França, porém, com exceção da Autoridade dos Mercados Financeiros (AMF), mais nenhuma outra AAI dispõe de autonomia financeira, ou seja, de orçamento próprio, estando, usualmente previstas no orçamento do Primeiro-Ministro ou do Ministério relacionado com a sua área de intervenção. Também só esta AAI foi, durante muito tempo, a única que gozava de personalidade jurídica.

O Governo intervém na nomeação dos membros das AAI - que, muitas vezes, são nomeados através de decreto adotado em Conselho de Ministros ou pelo Primeiro-Ministro – e, em muitos casos, ainda se faz representar por um comissário que, dependendo das AAI, tem competências e poderes diversos. Além disso, os regulamentos adotados pelas AAI necessitam de homologação ministerial.

Porém, a composição destas autoridades é sempre de matriz colegial e os seus membros gozam de um mandato irrevogável e de uma independência funcional, ou seja, sempre que previsto por lei, têm autonomia financeira e podem ter competência para recrutar funcionários.

O Parlamento (constituído por duas Câmaras) mantém, contudo, um papel limitado face às AAI, consubstanciando-se normalmente na nomeação/eleição de alguns membros.

A independência destas autoridades é, ainda assim, considerada como condição sine qua non para a credibilidade da sua existência e da sua ação. Esta independência deve ser, como vimos, relativa tanto quanto ao poder político, como aos atores/empresas do setor que regula.

Veja-se, assim, as Autoridades Administrativas Independentes listadas, a 13 de dezembro de 2012, pela Légifrance:

Agence française de lutte contre le dopage (AFLD) [substitui o Conselho de prevenção e de luta contra a dopagem (CPLD)]

Qualificada de autoridade pública independente pelo art.º 2 da Lei n.° 2006-405, de 5 de abril de 2006, relativa à luta contra a dopagem e a proteção da saúde dos atletas (codificada no artigo L. 3612-1 do Código da Saúde Pública transferida para o artigo L 232-5 do Código do Desporto pelo Despacho n.º 2006-596, de 23 de maio de 2006, relativa à parte legislativa do Código do Desporto, artigo 5.º).

Agence d'évaluation de la recherche et de l'enseignement supérieur (AERES)

Qualificada de autoridade pública independente pelo art.º 9 da lei do programa para a investigação n.° 2006-450 de 18 de abril de 2006 codificada pelo art.º L 114-3-1 do Código da Investigação.

Autorité de contrôle des nuisances aéroportuaires (ACNUSA)

Qualificada de autoridade pública independente pelo art.º L 227-1 do Código da Avião Civil.

Autorité de contrôle prudentiel (ACP) Qualificada de autoridade pública independente pelo art.º 1 do Despacho n.° 2010-76 de 21 de janeiro de 2010 relativo à

Páginas Relacionadas
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 28 IV. Iniciativas legislativas e petições pe
Pág.Página 28
Página 0029:
15 DE MAIO DE 2013 29 A presente iniciativa, apresentada pelo Governo, no âmbito da
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 30 e) ICP – Autoridade Nacional de Comunicaçõ
Pág.Página 30
Página 0031:
15 DE MAIO DE 2013 31 As relações com a Assembleia da República são asseguradas nos
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 32 reguladoras no exercício dos seus poderes
Pág.Página 32
Página 0033:
15 DE MAIO DE 2013 33 PARTE II – OPINIÃO DO DEPUTADO AUTOR DO PARECER O rel
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 34 Elaborada por: Alexandra Graça e Luísa Col
Pág.Página 34
Página 0035:
15 DE MAIO DE 2013 35 Relativamente ao regime jurídico que subjaz às entidades regu
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 36 dos Transportes, IP, a Entidade Reguladora
Pág.Página 36
Página 0037:
15 DE MAIO DE 2013 37 III. Enquadramento legal e doutrinário e antecedentes
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 38 elaborar um relatório independente (por es
Pág.Página 38
Página 0039:
15 DE MAIO DE 2013 39 O ISP, de acordo com o respetivo Estatuto (Decreto-Lei n.º 28
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 40 adequada e eficiente, contribuir para a pr
Pág.Página 40
Página 0041:
15 DE MAIO DE 2013 41 (IV) Pelo Decreto-Lei n.º 124/2011, de 29 de dezembro, retifi
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 42 Constam do SIOE todos os serviços integrad
Pág.Página 42
Página 0043:
15 DE MAIO DE 2013 43 estabelecer as bases para um direito comum da regulação, no c
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 44 Resumo: Com o presente artigo o autor proc
Pág.Página 44
Página 0045:
15 DE MAIO DE 2013 45 regulação económica; na segunda parte aborda o princípio da l
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 46 as redes e serviços de comunicações eletró
Pág.Página 46
Página 0047:
15 DE MAIO DE 2013 47 Setores do mercado de valores mobiliários e segurador No que
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 48 Comisión Nacional del Sector Postal19, Com
Pág.Página 48
Página 0049:
15 DE MAIO DE 2013 49 existência de funções, procedimentos, metodologias e conhecim
Pág.Página 49
Página 0051:
15 DE MAIO DE 2013 51 fusão das autoridades de aprovação e de controlo da banca e d
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 52 a liberdade de acesso aos documentos admin
Pág.Página 52
Página 0053:
15 DE MAIO DE 2013 53 código do comércio, alterado pelo art.º 102 XXVIII da Lei n.°
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 54 exerce as funções previstas no n.º 1 do ar
Pág.Página 54
Página 0055:
15 DE MAIO DE 2013 55 - Commission des sondages (loi du 19 juillet 1977); - Commiss
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 133 56 adequação dos meios a cada AAI e às suas m
Pág.Página 56
Página 0057:
15 DE MAIO DE 2013 57 Petições Consultada a base de dados do processo legisl
Pág.Página 57