O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

12 DE SETEMBRO DE 2013

107

Lei n.º 28/82, de 15 de novembro;

Lei n.º 72/93, de 30 de novembro, retificada pelas Declarações de Retificação n.os

13/93, de 31 de

dezembro e 3/94, de 14 de fevereiro;

Lei Orgânica n.º 2/2000, de 14 de julho, retificada pela Declaração de Retificação n.º 9/2000, de 2 de

setembro;

Lei Orgânica n.º 2/2001, de 25 de agosto;

Lei Orgânica n.º 5/2006, de 31 de agosto;

Lei Orgânica n.º 2/2012, de 14 de junho.

Deste diploma pode, também, ser consultada uma versão consolidada.

Esta iniciativa segue de perto o regime consagrado na Lei da Paridade: Estabelece que as listas para a

Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as Autarquias Locais são compostas de modo a

assegurar a representação mínima de 33% de cada um dos sexos, aprovada pela Lei Orgânica n.º 3/2006, de

21 de agosto, e retificada pela Declaração de Retificação n.º 71/2006, de 4 de outubro.

A Lei Orgânica n.º 3/2006, de 21 de agosto, teve origem em quatro iniciativas diferentes:

Projeto de Lei n.º 221/X (1.ª) – Altera a Lei Eleitoral da Assembleia da República, introduzindo o

requisito da paridade, da autoria do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda;

Projeto de Lei n.º 222/X (1.ª) – Altera a Lei Eleitoral para os Órgãos das Autarquias Locais, introduzindo

o requisito da paridade, da autoria do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda;

Projeto de Lei n.º 223/X (1.ª) – Altera a Lei Eleitoral para o Parlamento Europeu, introduzindo o requisito

da paridade, da autoria do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda;

Projeto de Lei n.º 224/X (1.ª) – Lei da Paridade: Estabelece que as listas para a Assembleia da

República, para o Parlamento Europeu e para as Autarquias Locais, são compostas de modo a assegurar a

representação mínima de 33% de cada um dos sexos, da autoria do Grupo Parlamentar do Partido Socialista.

Estas iniciativas foram aprovadas em votação final global, em 20 de abril de 2006, pelos Grupos

Parlamentares do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, tendo obtido os votos contra dos Grupos

Parlamentares do Partido Social Democrata, Partido Comunista Português, CDS – Partido Popular e Partido

Os Verdes.

Tendo o respetivo decreto sido enviado para promulgação, foi o mesmo objeto de veto pelo Senhor

Presidente da República. Em 5 de julho de 2006 realizou-se a votação do novo decreto que foi aprovado com

os votos a favor do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, a abstenção do Bloco de Esquerda, e os votos

contra dos Grupos Parlamentares do Partido Social Democrata, Partido Comunista Português, CDS-Partido

Popular e Partido Os Verdes.

Na exposição de motivos dos projetos de lei do Bloco de Esquerda pode ler-se, nomeadamente, que

algumas das principais recomendações internacionais têm sublinhado a necessidade de medidas concretas

para garantir a paridade entre os géneros. A Plataforma de Ação adotada na 4.ª Conferência Mundial das

Nações Unidas sobre os Direitos das Mulheres, em Pequim, em 1995, sugere que os governos fixem objetivos

específicos para aumentar o número de mulheres em postos governamentais e que aperfeiçoem os sistemas

eleitorais de forma a garantir uma maior presença de mulheres nos órgãos políticos eleitos.

Em 1995 o Conselho da Europa publica a Recomendação n.º 1269, que refere «a exigência democrática de

partilha efetiva pelos homens e pelas mulheres das responsabilidades em todos os sectores da vida em

sociedade, incluindo nos cargos de decisão política».

No mesmo sentido, a Recomendação n.º 96/694, do Conselho de Ministros da União Europeia, apela aos

governos para promoverem uma estratégia integrada e conjunta no sentido de uma participação equilibrada

entre mulheres e homens nos processos de tomada de decisão.

A Declaração sobre a Igualdade entre Mulheres e Homens como Critério Fundamental de Democracia,

aprovada em Conferência Interministerial Europeia, em novembro de 1997, coloca como prioridade a

realização de campanhas de sensibilização da opinião pública e a tomada de medidas que garantam uma

participação equilibrada de géneros nos partidos, sindicatos, nomeações políticas e em todos os órgãos de

decisão.

Páginas Relacionadas
Página 0098:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 98 V. Consultas e contributos C
Pág.Página 98
Página 0099:
12 DE SETEMBRO DE 2013 99 Assembleia da República no sentido de o autor juntar a ex
Pág.Página 99
Página 0100:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 100 PARTE III – CONCLUSÕES 1. A
Pág.Página 100
Página 0101:
12 DE SETEMBRO DE 2013 101 Elaborada por: Ana Paula Bernardo (DAPLEN), Maria Leitão
Pág.Página 101
Página 0102:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 102 3 – A Comissão Nacional de Eleições publi
Pág.Página 102
Página 0103:
12 DE SETEMBRO DE 2013 103 Nas reuniões da comissão parlamentar em que se discuta n
Pág.Página 103
Página 0104:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 104 9. Foram alterados os artigos 5.º, 8.º, 1
Pág.Página 104
Página 0105:
12 DE SETEMBRO DE 2013 105 Embora as duas propostas de lei procedam a alterações à
Pág.Página 105
Página 0106:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 106 definição da representação mínima de cada
Pág.Página 106
Página 0108:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 108 É também ao nível do Conselho da Europa q
Pág.Página 108
Página 0109:
12 DE SETEMBRO DE 2013 109 O presente projeto de lei baseia-se, assim, num novo con
Pág.Página 109
Página 0110:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 110 União Europeia. Já a alteração de 2009 ve
Pág.Página 110
Página 0111:
12 DE SETEMBRO DE 2013 111 aumentou de 43 para 52. A este facto acresceu a quarta a
Pág.Página 111
Página 0112:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 112 3. A caducidade da norma, não encontrando
Pág.Página 112
Página 0113:
12 DE SETEMBRO DE 2013 113 Resumo: Este artigo analisa a progressão da representati
Pág.Página 113
Página 0114:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 114 Canárias: Lei n.º 7/2003, de 20 de março,
Pág.Página 114
Página 0115:
12 DE SETEMBRO DE 2013 115 A Assembleia regional é composta por noventa deputados e
Pág.Página 115