O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

12 DE SETEMBRO DE 2013

113

Resumo: Este artigo analisa a progressão da representatividade das mulheres na política, em vários

países. Os autores reconhecem que apesar de haver um aumento contínuo da representação feminina, os

padrões dessa evolução variam substancialmente quando se comparam diferentes países. O artigo investiga

como os diferentes sistemas eleitorais, as diferentes quotas de representação de género e um diferente

desenvolvimento da democracia – tanto ao nível dos direitos políticos como das liberdades cívicas –

condicionam a representatividade das mulheres na vida política.

Enquadramento internacional

Países europeus

A legislação comparada é apresentada para os seguintes países da UE: Espanha e Itália.

ESPANHA

De todas as instituições que integram uma Comunidade Autónoma (região autónoma, no nosso

ordenamento jurídico) a mais importante é, sem dúvida alguma, a “Assembleia Legislativa” ou Parlamento,

pois nasce diretamente da vontade popular e nela têm origem as demais instituições de autogoverno. O

Parlamento representa os cidadãos, exerce o poder legislativo (daí que, por vezes, também se denomine

“Câmara Legislativa”, “Assembleia Legislativa” ou “Poder Legislativo”), aprova o Orçamento da Comunidade

Autónoma, controla a ação de governo e exerce todas aquelas competências que lhe são atribuídas pelo

respetivo Estatuto de Autonomia, pelas leis do Estado e as do próprio Parlamento. Além disso, a existência de

um Parlamento – que representa a vontade popular – é o elemento que, por uma parte, outorga natureza

política à autonomia e, por outra, confere carácter democrático ao conjunto do sistema.

De acordo com o artigo 143.º da Constituição Espanhola, “(…) en el ejercicio del derecho a la autonomía

reconocido en el artículo 2 de la Constitución, las provincias limítrofes con características históricas, culturales

y económicas comunes, los territorios insulares y las provincias con entidad regional histórica podrán acceder

a su autogobierno y constituirse en Comunidades Autónomas con arreglo a lo previsto en este Título y en los

respectivos Estatutos”.

O regime jurídico das eleições autonómicas encontra-se regulado em normas jurídicas muito diversas e de

procedência díspar. O ponto de partida dos sistemas eleitorais autonómicos remonta aos “anos da transição

política para a democracia”. Em concreto, à Lei n.º 1/1977, de 4 de janeiro, para a Reforma Política, e ao Real

Decreto-Lei n.º 20/1977, de 18 de março, sobre normas eleitorais. Com efeito, os elementos eleitorais

incluídos nestas duas normas consagraram-se ao mais alto nível na Constituição de 1978, passando de

seguida aos Estatutos de Autonomia; adquirindo peso na doutrina do Tribunal Constitucional e, por último, na

Lei Orgânica n.º 5/1985, de 19 de junho, do Regime Eleitoral Geral (LOREG).

Relativamente ao conteúdo material das leis eleitorais autonómicas, deve-se sublinhar que todas elas

foram redigidas tendo em vista os três parâmetros que restringem imperativamente o legislador autonómico,

isto é, respeitando a constitucionalidade neste âmbito, integrado pelos mandatos constitucionais, os preceitos

não disponíveis da Lei Orgânica do Regime Eleitoral Geral e as previsões do próprio Estatuto de Autonomia.

Sublinhe-se ainda que a LOREG se aplica às “eleições autonómicas” (chamemos-lhes assim): “en los

términos que establece la Disposición Adicional Primera de la presente Ley, es de aplicación a las elecciones

a las Asambleas de las Comunidades Autónomas y tiene carácter supletorio de la legislación autonómica en la

materia” (artigo 1. º, n.º 2).

Atualmente, as referidas leis eleitorais autonómicas, que têm sido objeto de numerosas reformas, são

várias. Veja-se a tal propósito esta obra: Los sistemas electorales autonómicos (págs. 82 e seguintes).

Das várias leis eleitorais das regiões espanholas, destacamos as seguintes:

Galiza: Lei n.º 8/1985, de 13 de agosto, de eleições para o Parlamento da Galiza (LEG). [Modificada por la

Ley 15/1992, de 30 de diciembre, y por la Ley 12/2004, de 7 de diciembre].

Sistema eleitoral: artigos 8.º a 11.º. Total de 75 deputados, distribuídos do seguinte modo: “A cada una de

las cuatro provincias de Galicia le corresponde un mínimo inicial de 10 Diputados. Los 35 Diputados restantes

se distribuyen entre las provincias en proporción a su población (…)”.

Páginas Relacionadas
Página 0098:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 98 V. Consultas e contributos C
Pág.Página 98
Página 0099:
12 DE SETEMBRO DE 2013 99 Assembleia da República no sentido de o autor juntar a ex
Pág.Página 99
Página 0100:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 100 PARTE III – CONCLUSÕES 1. A
Pág.Página 100
Página 0101:
12 DE SETEMBRO DE 2013 101 Elaborada por: Ana Paula Bernardo (DAPLEN), Maria Leitão
Pág.Página 101
Página 0102:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 102 3 – A Comissão Nacional de Eleições publi
Pág.Página 102
Página 0103:
12 DE SETEMBRO DE 2013 103 Nas reuniões da comissão parlamentar em que se discuta n
Pág.Página 103
Página 0104:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 104 9. Foram alterados os artigos 5.º, 8.º, 1
Pág.Página 104
Página 0105:
12 DE SETEMBRO DE 2013 105 Embora as duas propostas de lei procedam a alterações à
Pág.Página 105
Página 0106:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 106 definição da representação mínima de cada
Pág.Página 106
Página 0107:
12 DE SETEMBRO DE 2013 107 Lei n.º 28/82, de 15 de novembro; Lei n.º 72/93
Pág.Página 107
Página 0108:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 108 É também ao nível do Conselho da Europa q
Pág.Página 108
Página 0109:
12 DE SETEMBRO DE 2013 109 O presente projeto de lei baseia-se, assim, num novo con
Pág.Página 109
Página 0110:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 110 União Europeia. Já a alteração de 2009 ve
Pág.Página 110
Página 0111:
12 DE SETEMBRO DE 2013 111 aumentou de 43 para 52. A este facto acresceu a quarta a
Pág.Página 111
Página 0112:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 112 3. A caducidade da norma, não encontrando
Pág.Página 112
Página 0114:
II SÉRIE-A — NÚMERO 188 114 Canárias: Lei n.º 7/2003, de 20 de março,
Pág.Página 114
Página 0115:
12 DE SETEMBRO DE 2013 115 A Assembleia regional é composta por noventa deputados e
Pág.Página 115