O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

54 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013

Esta situação podia e devia ser contornada se o Governo produzisse um texto bem diferente do atual, cuja abordagem referenciasse as grandes prioridades estratégicas para Portugal e se focasse num conjunto de objetivos e ideias mobilizadoras para o País. Este não foi, infelizmente, o caminho seguido pelos responsáveis pela sua elaboração.
Na realidade, o texto proposto pelo Governo limita-se a compilar (de forma bastante desequilibrada) textos avulsos oriundos de vários Ministérios, que se confundem, salvo raras exceções, com a mera agenda das atividades de cada um deles.
O CES entende que as GOP deverão, futuramente, adotar uma filosofia diferente na sua elaboração. Assim, seria importante apresentar as GOP para o ciclo governativo, nas quais deveriam estar traduzidas as grandes ambições nacionais e os caminhos propostos para as concretizar. Anualmente, deveriam ser apresentados planos de âmbito anual com caraterísticas mais operacionais que especificassem as etapas a cumprir.
A presente versão das GOP não configura uma visão estratégica à medida dos desafios que a economia e a sociedade portuguesa defrontam. Da sua leitura não se vislumbram respostas convincentes para as interrogações que prevalecem entre nós e no exterior, nem quanto à saída da crise atual, nem quanto à capacidade de pôr termo à tutela financeira internacional e à menoridade política daí resultante.
O CES lamenta que, nas GOP para 2014, o problema do crescimento económico continue subordinado aos objetivos da consolidação orçamental, (...) Nas atuais circunstâncias do País, um documento como as GOP deveria traduzir uma nova atitude face aos credores externos, porque é necessário compreender que os apoios financeiros não dependem somente da invocação das nossas dificuldades, mas também da afirmação da nossa capacidade para assumir e concretizar, em tempo útil, um projeto vencedor, de competitividade, de desenvolvimento e de criação de emprego.
Esta determinação nacional deve ser acompanhada, como o CES tem vindo a defender, por um processo negocial com os credores internacionais associados ao Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), visando a

Páginas Relacionadas
Página 0047:
47 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 Índice Parte I – Considerandos Part
Pág.Página 47
Página 0048:
48 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 reestruturação em curso, encontrand
Pág.Página 48
Página 0049:
49 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 transporte de passageiros, abrindo
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 2.7. Política Energética e Mercado
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 objetivos estratégicos: Estímulo à
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 E prossegue ainda o Governo: «o con
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 impacto bruto da convergência de pe
Pág.Página 53
Página 0055:
55 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 revisão das condições do Memorando
Pág.Página 55
Página 0056:
56 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 Apesar da afirmação de que a transf
Pág.Página 56
Página 0057:
57 | II Série A - Número: 019S1 | 2 de Novembro de 2013 República, emitir o competente pare
Pág.Página 57