O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE AGOSTO DE 2014

35

E não o pode fazer por duas ordens de razões, que, estando intimamente ligadas, merecem contudo ser

distinguidas.

Em primeiro lugar, não pode o Tribunal impor ao legislador a sua própria visão do que seja uma reformado

sistema público de pensões. O problema é de tal complexidade técnica que pressuporia, sempre e em

qualquer circunstância, a necessidade de fazer escolhas e de tomar decisões especialmente difíceis. Num

contexto de incerteza, quer quanto à evolução dos fatores demográficos e económicos, quer quanto à própria

repercussão que medidas reformadoras poderão vir a ter sobre essa mesma evolução (dada a estreita ligação

existente entre a receita e a despesa do sistema público de pensões e a própria economia), a complexidade

técnica dos problemas envolvidos, que sempre existiria, torna-se ainda mais intensa. Ora, para enfrentar esses

problemas não pode estar o Tribunal, pela sua própria condição, preparado: não tem para tanto vocação

funcional; não está para tanto epistemicamente apetrechado.

Mas além disso, e fundamentalmente, não pode o Tribunal impor ao legislador a sua própria visão do que

seja uma reforma justa do sistema público de pensões. Não tenho dúvidas de que muitas das objeções feitas

no Acórdão quanto à solução encontrada pelo legislador são razoáveis e de boa-fé apresentadas. Mas o ponto

é justamente esse: perante a existência de diferentes conceções razoáveis quanto ao que seja, quanto a essa

reforma, justo ou injusto –e perante a discussão aberta no espaço público entre essas diferentes conceções

razoáveis –é ao poder legislativo, e não ao poder judicial, que cabe tomar a decisão quanto ao caminho a

seguir. Não é para mim aceitável que um juízo eminentemente moral sobre a justiça de uma tal reforma caiba

a uma maioria formada no seio de uma instituição de índole jurisdicional. Deste modo, segundo creio, não se

melhora a qualidade da deliberação pública. Pelo contrário, degrada-se essa qualidade, uma vez que se nega

aos cidadãos o direito a ter uma palavra a dizer sobre tão delicada matéria.

Maria Lúcia Amaral

__________

DECRETO N.º 264/XII

(ESTABELECE OS MECANISMOS DAS REDUÇÕES REMUNERATÓRIAS TEMPORÁRIAS E AS

CONDIÇÕES DA SUA REVERSÃO NO PRAZO MÁXIMO DE QUATRO ANOS)

Mensagem do Presidente da República sobre o veto, por inconstitucionalidade, que exerceu,

anexando o Acórdão do Tribunal Constitucional e devolvendo o decreto para reapreciação

Junto devolvo a V. Ex.ª, Sr.ª Presidente da Assembleia da República, nos termos do artigo 279.º, n.º 1, da

Constituição, o Decreto da Assembleia da República n.º 264/XII — “Estabelece os mecanismos das reduções

remuneratórias temporárias e as condições da sua reversão no prazo máximo de quatro anos” —, uma vez

que o Tribunal Constitucional, através de Acórdão cuja fotocópia se anexa, se pronunciou, em sede de

fiscalização preventiva, pela inconstitucionalidade das normas conjugadas dos artigos 2.º e 4.º, n.os

2 e 3.º, do

mesmo Decreto.

Lisboa, 18 de agosto de 2014.

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.

Anexo: Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 574/2014.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 36 Anexo ACÓRDÃO N.º 574
Pág.Página 36
Página 0037:
20 DE AGOSTO DE 2014 37 O Presidente da República requer o pedido de fiscalização d
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 38 b) Não são considerados os montantes abona
Pág.Página 38
Página 0039:
20 DE AGOSTO DE 2014 39 regulação, supervisão ou controlo, das empresas públicas de
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 40 7. A leitura conjunta dos dois artigos con
Pág.Página 40
Página 0041:
20 DE AGOSTO DE 2014 41 Admitir como legítimas as expectativas de uma melhoria da s
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 42 radicaram posteriormente na necessidade de
Pág.Página 42
Página 0043:
20 DE AGOSTO DE 2014 43 Tendo entrado em vigor em 1 de janeiro de 2013, após a rati
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 44 13. Aqui chegados e retomando as ponderaçõ
Pág.Página 44
Página 0045:
20 DE AGOSTO DE 2014 45 Na verdade, a igualdade jurídica é sempre uma igualdade pro
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 46 16. Pese embora tratar-se de medida divers
Pág.Página 46
Página 0047:
20 DE AGOSTO DE 2014 47 18. Em suma, o Tribunal entende que o que os n.os 2
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 48 obtêm rendimentos provenientes do orçament
Pág.Página 48
Página 0049:
20 DE AGOSTO DE 2014 49 urgência que a ditou, sem resolver definitivamente a situaç
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 50 Nessa medida, por decorrência lógica de fu
Pág.Página 50
Página 0051:
20 DE AGOSTO DE 2014 51 determina o acionamento de sanções previstas designadamente
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 52 europeias em matéria orçamental, plasmadas
Pág.Página 52
Página 0053:
20 DE AGOSTO DE 2014 53 4.2. Por outro lado, a redução remuneratória em causa, reve
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 54 - As normas do artigo 2.º em articulação c
Pág.Página 54
Página 0055:
20 DE AGOSTO DE 2014 55 Excessivo e ao Objetivo de Médio Prazo a atingir em 2017, s
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 56 Em suma, a minha conclusão pela não incons
Pág.Página 56
Página 0057:
20 DE AGOSTO DE 2014 57 Mas, tal procedimento – aberto, em 2009 pela UE, a Portugal
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 58 redução remuneratória (relembre-se, em sin
Pág.Página 58
Página 0059:
20 DE AGOSTO DE 2014 59 valor de 4% para o défice de 2014 e de 2,5% para o défice d
Pág.Página 59
Página 0060:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 60 Assim, e sendo certo que, com a medida de
Pág.Página 60
Página 0061:
20 DE AGOSTO DE 2014 61 propósito da análise do Documento de Estratégia Orçamental
Pág.Página 61
Página 0062:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 62 É esta a razão fundamental quer para a uni
Pág.Página 62
Página 0063:
20 DE AGOSTO DE 2014 63 legal forte no sentido de os órgãos superiores das Administ
Pág.Página 63
Página 0064:
II SÉRIE-A — NÚMERO 157 64 pública. Nesses casos, a redução das remun
Pág.Página 64
Página 0065:
20 DE AGOSTO DE 2014 65 igualdade “externa”que une tanto uns como outros cidadãos,
Pág.Página 65