O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 42 10

 Dezasseis membros provenientes do meio universitário;

 Seis médicos;

 Dois advogados;

 Dois magistrados;

 Dois membros designados pelo Rei;

 Dois membros pela Comunidade Francesa;

 Dois membros pela Comunidade Flamenga;

 Um membro pela Comunidade Alemã;

 Dois membros designados pela «Comissão Comunitária Comum».

Participam, igualmente, nos trabalhos do Comité Consultatif de Bioéthique, um elemento nomeado pelo

Ministro da Justiça, um elemento nomeado pelo Ministro com a pasta da política científica, um elemento

nomeado pelo Ministro com a pasta da saúde pública, e um elemento por cada um das três Comunidades

prevista no artigo 3.º da Constituição e dois elementos da «Comissão Comunitária Comum».

A atual composição do Comité Consultatif de Bioéthique pode ser aqui consultada.

ESPANHA

O Comité de Bioética de España foi criado pela Ley 14/2007, de 3 de julio, sobre Investigación Biomédica.

De acordo com o artigo 77.º trata-se de um órgão colegial, independente e de caráter consultivo, que

desempenha a suas funções, com transparência, sobre matérias relacionadas com questões éticas e sociais na

área da biomedicina e das ciências da saúde. Este órgão depende do Ministerio de Sanidad y Consumo.

O Comité de Bioética de España é constituído por um máximo de doze membros. Estes deverão ser pessoas

especialmente qualificadas na área científica, jurídica e da bioética, conforme previsto no n.º 1 do artigo 79.º

devendo, na composição do Comité, ser encontrado um equilíbrio entre as diversas áreas relacionadas com a

bioética.

Os membros do Comité são nomeados pelo Ministro de Sanidad y Consumo com o seguinte critério:

 Seis membros, por proposta das comunidades autónomas, respeitando o acordo celebrado para esse

efeito no âmbito do Consejo Interterritorial del Sistema Nacional de Salud;

 Seis membros propostos pela Administração Central do Estado na seguinte proporção:

– Um membro pelo Ministerio de Justicia;

– Um membro pelo Ministerio de Educación y Ciencia;

– Um membro pelo Ministerio de Industria, Turismo y Comercio;

– Três membros pelo Ministerio de Sanidad y Consumo.

De mencionar, por último, que no artigo 3.º do Reglamento de organización y funcionamiento interno del

Comité de Bioética de España, relativo à designação dos membros do Comité de Bioética de España, se prevê

que este é constituído por um máximo de doze membros que são designados de acordo com o previsto no artigo

79.º da Ley 14/2007, de 3 de julio.

FRANÇA

O Comité consultatif national d'éthique pour les sciences de la vie et de la santé nasceu com a aprovação do

Décret n.°83-132 du 23 février 1983, com o objetivo de criar um espaço para a participação dos cidadãos na

reflexão ética e compreensão das questões éticas levantadas pelos avanços científicos no campo das Ciências

da Vida e Saúde, como sejam, o desenvolvimento da biometria, as nanotecnologias, etc.

Com a publicação da Loi n.º 94-654 du 29 juillet 1994, sobre a doação e utilização de produtos do corpo

humano para assistência médica à procriação e ao diagnóstico pré-natal, desenvolveram-se as competências

do Comité consultatif national d'éthique pour les sciences de la vie et de la santé (CCNE). No seu artigo 23.º

estabeleceu-se que o Comité tem por missão dar «conselhos sobre questões éticas levantadas pelos avanços

no conhecimento nas áreas de biologia, medicina e saúde e a emissão de recomendações sobre estes temas»,

Páginas Relacionadas
Página 0015:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 15 PROPOSTA DE LEI N.º 256/XII (4.ª) (PROCEDE À REFORM
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 16 antecipação da correspondente disponibilidade. 4)
Pág.Página 16
Página 0017:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 17 Artigo 3.º […] 1 - […]. 2 - […
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 18 e) […]; f) […]; g) […]; h) Os lucros
Pág.Página 18
Página 0019:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 19 e) […]; f) […]; g) As indemnizações que vise
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 20 a) […]; b) […]; c) […]; d) Pelos ren
Pág.Página 20
Página 0021:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 21 lugar à tributação dos sócios das sociedades fundidas ou c
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 22 5 - […]: a) […]; b) As bolsas de for
Pág.Página 22
Página 0023:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 23 a) Faça prova de que a sua habitação própria e permanente
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 24 que a mudança se deve a razões atendíveis, designadamente
Pág.Página 24
Página 0025:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 25 7 - […]. Artigo 18.º […] <
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 26 devem os mesmos ser incluídos na declaração do agregado e
Pág.Página 26
Página 0027:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 27 4 - […]. 5 - A opção referida no n.º 3 mantém-se vá
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 28 social, conexas com as atividades em causa, na parte em q
Pág.Página 28
Página 0029:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 29 Artigo 38.º […] 1 - […]: a) A
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 30 referidos no número anterior são imputados de acordo com
Pág.Página 30
Página 0031:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 31 f) […]. Artigo 49.º […]
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 32 parte que exceda o montante da dedução prevista no n.º 1.
Pág.Página 32
Página 0033:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 33 a) [Anterior alínea a) do corpo do artigo]; b) Rend
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 34 b) De 16 de abril a 16 de maio, nos restantes casos.
Pág.Página 34
Página 0035:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 35 dependentes que integram o agregado familiar e de ascenden
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 36 Artigo 70.º […] 1 - Da aplicação das
Pág.Página 36
Página 0037:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 37 c) Os rendimentos mencionados na alínea b) do n.º 1, pagos
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 38 que sejam domiciliadas em país, território ou região suje
Pág.Página 38
Página 0039:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 39 5 - […]. 6 - […]: a) […]; b) Nos caso
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 40 remanescente pode ser deduzido à coleta dos cinco período
Pág.Página 40
Página 0041:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 41 seguinte àquele em que ocorreu o respetivo pagamento.
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 42 7 - No apuramento do IRS a reter sobre pensões ter
Pág.Página 42
Página 0043:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 43 8 - Os titulares de rendimentos das categorias A e H, cuja
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 44 Artigo 116.º Registos 1 - Os titular
Pág.Página 44
Página 0045:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 45 d) […]. 2 - […]. 3 - Tratando-se de rendimen
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 46 Artigo 127.º […] 1 - As instituições
Pág.Página 46
Página 0047:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 47 Artigo 148.º […] 1 - [Revogado].
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 48 tributação respeitante ao ano em que se verificar aquela
Pág.Página 48
Página 0049:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 49 previstas nas alíneas b) ou c) do n.º 3, transfira a sua r
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 50 atividade, exceto os setores previstos nos artigos 78.º-C
Pág.Página 50
Página 0051:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 51 do artigo 78.º, exceto quando emitam e comuniquem faturas.
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 52 Artigo 78.º-E Dedução de encargos com imóveis
Pág.Página 52
Página 0053:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 53 b) Para contribuintes que depois de aplicado os divisores
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 54 Artigo 99.º-B Aplicação da retenção na fonte à cat
Pág.Página 54
Página 0055:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 55 dependente e de pensões pagos ou colocados à disposição ap
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 56 final pelas entidades que os auferirem. 6 - Os mon
Pág.Página 56
Página 0057:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 57 3 - A prova referida no número anterior deve ser efetuada
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 58 4 - Quando os rendimentos sujeitos a retenção, não expres
Pág.Página 58
Página 0059:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 59 7 - A taxa dos juros indemnizatórios é equivalente à taxa
Pág.Página 59
Página 0060:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 60 7 - […]. 8 - […].» CAPÍTULO IV <
Pág.Página 60
Página 0061:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 61 Artigo 39.º-A Trabalhadores deslocados no estrangei
Pág.Página 61
Página 0062:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 62 5 - Sempre que se altere o estatuto de residência de um s
Pág.Página 62
Página 0063:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 63 «Artigo 131.º […] 1 - […]. 2 -
Pág.Página 63
Página 0064:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 64 2 - Os vales sociais têm por finalidade potenciar,
Pág.Página 64
Página 0065:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 65 7 - […]. Artigo 10.º […] <
Pág.Página 65
Página 0066:
II SÉRIE-A — NÚMERO 42 66 Artigo 14.º Norma interpretativa A a
Pág.Página 66
Página 0067:
5 DE DEZEMBRO DE 2014 67 5 - O estabelecido no n.º 7 do artigo 41.º do Código do IR
Pág.Página 67