O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

13 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015

CAPÍTULO III Relações com titulares de direitos e utilizadores

SECÇÃO I Direitos e deveres

Artigo 27.º Deveres gerais das entidades de gestão coletiva

1 - As entidades de gestão coletiva estão obrigadas a:

a) Aceitar a gestão do direito de autor e dos direitos conexos que lhes sejam solicitados, de acordo com a sua natureza e atribuições, nos termos dos respetivos estatutos e da lei; b) Exercer a gestão de direitos no respeito pelo mandato concedido, com salvaguarda dos interesses públicos envolvidos; c) Elaborar e publicitar a lista dos titulares que representam, respeitando os princípios da transparência e da não discriminação; d) Prestar a informação pertinente às pessoas interessadas na utilização dos bens intelectuais que assim o requeiram sobre os representados e as condições e critérios que presidem às tarifas fixadas; e) Assegurar a existência de mecanismos de comunicação com os seus membros por meios eletrónicos, nomeadamente para que estes possam exercer os respetivos direitos; f) Contratar com os interessados autorizações não exclusivas dos direitos cuja gestão lhes tenha sido confiada, em termos não discriminatórios, equitativos e razoáveis e mediante o pagamento da remuneração ou tarifa estabelecida; g) Negociar as adequadas contrapartidas pecuniárias correspondentes às autorizações solicitadas por terceiros interessados, bem como as remunerações devidas pelas utilizações não sujeitas a autorização ou licenciamento.

2 - O disposto na alínea g) do número anterior aplica-se quando os terceiros interessados sejam entidades representativas de um número significativo de utilizadores do respetivo setor, devendo a negociação nesse caso estabelecer as condições gerais de licenciamento, incluindo os respetivos tarifários gerais, com associações cujos membros explorem ou utilizem obras, prestações ou direitos protegidos ou sejam obrigados, nos termos da lei, a pagar uma remuneração ou compensação equitativa.
3 - As entidades de gestão coletiva não podem recusar a negociação com as entidades referidas no número anterior quando as utilizações estejam compreendidas no objeto e âmbito da sua gestão.
4 - O disposto no número anterior não se aplica às associações de utilizadores que não sejam representativas do respetivo sector, designadamente por terem um reduzido número de membros face ao universo total de utilizadores do sector em causa.
5 - Para aferir a representatividade das entidades representativas de utilizadores deve ter-se em conta o objeto, o âmbito territorial e o número de representados em relação a outras entidades representativas de utilizadores que exerçam idênticas atividades.
6 - Nos casos em que haja lugar a um direito de remuneração, podem as entidades de gestão coletiva acordar com entidades representativas de utilizadores as tarifas que melhor se adequem às características, necessidades e natureza da atividade destes.

Artigo 28.º Dever de informação

1 - As entidades de gestão coletiva devem informar os terceiros interessados, bem como sobre as condições e preços de utilização de qualquer obra, prestação ou produto que lhes sejam confiados.

Páginas Relacionadas
Página 0005:
5 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 DECRETO N.º 319/XII REGULA AS ENTIDADES D
Pág.Página 5
Página 0006:
6 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 Artigo 3.º Objeto das entidades de gestão
Pág.Página 6
Página 0007:
7 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 k) Os princípios e as regras do sistema d
Pág.Página 7
Página 0008:
8 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 e) Não discriminação, equidade, razoabili
Pág.Página 8
Página 0009:
9 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 Artigo 12.º Indeferimento e revogação
Pág.Página 9
Página 0010:
10 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 Artigo 16.º Direito da concorrência <
Pág.Página 10
Página 0011:
11 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 b) Os interesses ou direitos de um seu a
Pág.Página 11
Página 0012:
12 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 c) Quaisquer montantes recebidos da enti
Pág.Página 12
Página 0014:
14 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 2 - As entidades de gestão coletiva publ
Pág.Página 14
Página 0015:
15 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 4 - As entidades de gestão coletiva esta
Pág.Página 15
Página 0016:
16 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 2 - O contrato de gestão e representação
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 3 - Às receitas de direitos cobradas em
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 cada uma das entidades de gestão coletiv
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 profissionais que, no exercício da sua a
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 10 - Iniciada a negociação e até ao seu
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 receção da proposta e o termo do prazo d
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 não estiver regulado na presente lei.
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 d) Os tarifários determinados na sequênc
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 2 - Para o normal desempenho dos poderes
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 autorização, registo ou comunicação das
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 relatório anual sobre a transparência.
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 Artigo 59.º Cooperação administrativa
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | II Série A - Número: 089 | 5 de Março de 2015 Artigo 62.º Norma revogatória É re
Pág.Página 28