O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

14 DE MAIO DE 2015 73

PROPOSTA DE LEI N.º 330/XII (4.ª)

APROVA O REGIME JURÍDICO DA OURIVESARIA E DAS CONTRASTARIAS

Exposição de motivos

Decorridas várias décadas de vigência do Regulamento das Contrastarias, aprovado pelo Decreto-Lei n.º

391/79, de 20 de setembro, alterado pelos Decretos-Leis n.os 57/98, de 16 de março, e Decreto-Lei n.º 171/99,

de 19 de maio, tendo em conta o desenvolvimento técnico e científico dos processos e métodos de fabrico e

marcação de artigos de metais preciosos, bem como a evolução que se registou na sociedade no sentido do

aumento de práticas ilícitas de falsificações e burlas relacionadas com a comercialização de artigos com metais

preciosos, que exigem um novo quadro normativo, capaz de assegurar a adequada proteção dos legítimos

direitos e interesses dos consumidores, entende o Governo ser de propor um novo regime jurídico-legal do setor,

com o duplo objetivo de melhor regular o exercício do comércio de artigos com metais preciosos, incluindo os

artigos oriundos de outros Estados-membros da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu, a par das

atividades mais sensíveis neste setor, como são as de ensaiador-fundidor e de avaliador de artigos com metais

preciosos e de materiais gemológicos.

A presente proposta de lei aprova, por isso, o regime jurídico da ourivesaria e das contrastarias (RJOC),

visando disciplinar o setor do comércio de artigos com metais preciosos e a prestação de serviços pelas

contrastarias, bem como regular as atividades profissionais de responsável técnico de ensaiador-fundidor de

metais preciosos e de avaliador de artigos com metais preciosos e de materiais gemológicos.

O RJOC responde aos objetivos visados na Resolução da Assembleia da República n.º 9/2013, de 4 de

fevereiro, que recomendou ao Governo a revisão do Regulamento das Contrastarias, aprovado pelo Decreto-

Lei n.º 391/79, de 20 de setembro, alterado pelos Decretos-Leis n.os 57/98, de 16 de março, e 171/99, de 19 de

maio, o qual conta com disposições já revogadas por diplomas avulsos, tais como: o Decreto-Lei n.º 384/89, de

8 de novembro, o Decreto-Lei n.º 365/99, de 17 de setembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 114/2011, de 30 de

novembro, e o Decreto-Lei n.º 75/2004, de 27 de março.

Com efeito, o RJOC introduz procedimentos simplificados com vista a conferir maior clareza e eficácia na

aplicação do regime da colocação no mercado nacional e da comercialização de artigos com metais preciosos,

incluindo os artigos com metais preciosos usados. Além disso, o RJOC procura densificar as responsabilidades

das entidades competentes, tais como a Imprensa-Nacional – Casa da Moeda, S.A., que integra as contrastarias

nacionais, o Instituto Português da Qualidade, IP, a Autoridade Tributária e Aduaneira), a Autoridade de

Segurança Alimentar e Económica e as autoridades policiais, bem como regular o exercício das atividades

económicas do setor da ourivesaria e da joalharia em termos adequados às exigências do conhecimento e das

práticas do tempo atual.

Por outro lado, o RJOC consolida o novo quadro jurídico-legal deste setor, no respeito pelas disposições

internacionais vigentes na matéria, acolhendo, por remissão expressa, a Convenção sobre o Controle e

Marcação de Artefactos de Metais Preciosos de que Portugal é parte, aprovada, para ratificação, pelo Decreto

n.º 56/82, de 29 de abril, a qual foi objeto de emendas aprovadas pelos Decretos n.os 42/92, de 13 de outubro,

e 39/99, de 19 de outubro, e pelo Decreto n.º 2/2006, de 3 de janeiro, que incluiu o paládio na lista dos metais

preciosos, e nos termos da qual foi criada a marca comum de controlo e que contém outras normas técnicas

para o ensaio e a marcação de artefactos de metais preciosos com vista a facilitar o comércio internacional

destes artigos, mantendo a proteção dos consumidores. A Convenção referida estabelece que os artefactos de

metais preciosos devem ser submetidos, em cada país, ao controle de um organismo de ensaio e marcação

independente do setor da ourivesaria, designado por cada Estado. No caso português, as Contrastarias de

Lisboa e do Porto foram indicadas como sendo as entidades com competência exclusiva para proceder à

marcação de artigos de metais preciosos com a Marca Comum de Controlo. Assim, e no que respeita às

entidades competentes para a aplicação do RJOC, as Contrastarias são consideradas o «organismo de ensaio

e marcação independente» no quadro interno e para efeitos de reconhecimento ao nível do espaço europeu e

dos acordos e convenções de que o Estado Português é parte, e são eliminadas as atuais barreiras territoriais

ao acesso às Contrastarias, cujas competências são, aliás, desenvolvidas e clarificadas nos serviços de

interesse público que asseguram, a par de outros serviços que prestem em regime de concorrência.

Páginas Relacionadas
Página 0041:
14 DE MAIO DE 2015 41 5 – [...]. Artigo 4.º 1 – A educa
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 42 Foi somente com a aprovação da Lei de Enquadramento do O
Pág.Página 42
Página 0043:
14 DE MAIO DE 2015 43 rendimentos fiscais, a dívida direta do Estado, os juros dess
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 44 3 - Ao Gabinete Executivo compete aprovar o âmbito e os
Pág.Página 44
Página 0045:
14 DE MAIO DE 2015 45 Artigo 8.º Entrada em vigor e produção de efeitos
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 46 6 - Possuem autonomia especial para gestão de receitas p
Pág.Página 46
Página 0047:
14 DE MAIO DE 2015 47 financiamento. 2 - A composição, as competências, a or
Pág.Página 47
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 48 Artigo 12.º Solidariedade recíproca
Pág.Página 48
Página 0049:
14 DE MAIO DE 2015 49 para reembolsos e restituições, são efetivamente cobrados.
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 50 3 - São nulos os créditos orçamentais que possibilitem a
Pág.Página 50
Página 0051:
14 DE MAIO DE 2015 51 Crescimento. 2 - A trajetória de convergência anual pa
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 52 a) O desvio apurado face ao saldo estrutural previsto fo
Pág.Página 52
Página 0053:
14 DE MAIO DE 2015 53 a) De recessão económica profunda em Portugal, na área do eur
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 54 5 - Os relatórios da proposta de lei do Orçamento do Est
Pág.Página 54
Página 0055:
14 DE MAIO DE 2015 55 TÍTULO III Processo orçamental CAPÍTULO
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 56 a) O limite da despesa total, compatível com os objetivo
Pág.Página 56
Página 0057:
14 DE MAIO DE 2015 57 d) Sustentabilidade da dívida pública, incluindo a análise di
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 58 comissão especializada permanente competente em matéria
Pág.Página 58
Página 0059:
14 DE MAIO DE 2015 59 d) A indicação das verbas inscritas em cada missão de base or
Pág.Página 59
Página 0060:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 60 m) Mapa 13 – Mapa relativo às responsabilidades contratu
Pág.Página 60
Página 0061:
14 DE MAIO DE 2015 61 4 - A missão de base orgânica inclui o conjunto de despesas e
Pág.Página 61
Página 0062:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 62 a) Definir e fazer aplicar de forma sistemática um model
Pág.Página 62
Página 0063:
14 DE MAIO DE 2015 63 c) Demonstração com o desempenho orçamental, preparada segund
Pág.Página 63
Página 0064:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 64 4 - Nenhuma despesa pode ser paga sem que o compromisso
Pág.Página 64
Página 0065:
14 DE MAIO DE 2015 65 5 - O membro do Governo responsável pela área das finanças po
Pág.Página 65
Página 0066:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 66 Artigo 57.º Receitas próprias 1 - C
Pág.Página 66
Página 0067:
14 DE MAIO DE 2015 67 5 - Durante o período transitório em que se mantiver a prorro
Pág.Página 67
Página 0068:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 68 a) Até ao final do mês seguinte a cada trimestre, no cas
Pág.Página 68
Página 0069:
14 DE MAIO DE 2015 69 mesmas respeitam, os documentos de prestação de contas que en
Pág.Página 69
Página 0070:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 70 5 - A Assembleia da República exerce o controlo político
Pág.Página 70
Página 0071:
14 DE MAIO DE 2015 71 CAPÍTULO IV Transparência Artigo 73.º
Pág.Página 71
Página 0072:
II SÉRIE-A — NÚMERO 130 72 Artigo 75.º Dever especial de informação ao contr
Pág.Página 72