O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 DE MAIO DE 2015 47

Artigo 7.º

Requisitos do registo

O registo junto da CMVM referido no n.º 1 do artigo anterior é efetuado pela CMVM mediante requerimento

do interessado e organizado com base nos elementos e na comunicação referidos no artigo 9.º.

Artigo 8.º

Finalidades do registo

O registo na CMVM nos termos do presente regime jurídico tem como finalidade assegurar o controlo prévio

dos requisitos para o exercício de funções de interesse público e permitir a organização da supervisão.

SECÇÃO II

Registo de revisores oficiais de contas e de sociedades de revisores oficiais de contas

Artigo 9.º

Instrução e procedimento de registo

1 - Para os efeitos do disposto no artigo anterior os ROC e SROC apresentam junto da CMVM requerimento

de registo segundo modelo disponibilizado pela CMVM e acompanhado dos documentos que suportem as

informações nele contidas.

2 - Para efeitos de atribuição do registo na CMVM, esta pode solicitar informação adicional à referida no

número anterior que se mostre necessária para aquela decisão.

Artigo 10.º

Comunicação de inscrição pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas

1 - Na sequência do pedido de registo do ROC ou SROC junto da CMVM, esta solicita à OROC o processo

de inscrição do requerente junto daquela para efeitos de instrução do pedido efetuado junto da CMVM.

2 - A OROC comunica os elementos pedidos pela CMVM no prazo de cinco dias contados da apresentação

do pedido.

Artigo 11.º

Decisão

1 - A decisão da CMVM é notificada ao requerente no prazo de 30 dias a contar da data da receção do pedido

devidamente instruído.

2 - O prazo referido no número anterior suspende-se por efeito da notificação referida no n.º 2 do artigo

seguinte e pelo período aí previsto.

3 - A falta de notificação no prazo referido no n.º 1 não constitui deferimento tácito do pedido.

Artigo 12.º

Recusa do registo

1 - A CMVM recusa o registo sempre que:

a) O pedido não tiver sido instruído com todos os documentos e elementos necessários;

b) Tiverem sido prestadas falsas declarações;

c) Não estiverem preenchidos os requisitos relativos à idoneidade, qualificação, experiência profissional e

adequação de meios humanos, materiais, financeiros e organizacionais exigíveis para o exercício da atividade.

2 - Havendo fundamento para a recusa do registo, a CMVM, antes de o recusar, notifica o requerente, dando-

lhe o prazo máximo de 10 dias para suprir a insuficiência do processo, quando apropriado, e para se pronunciar

Páginas Relacionadas
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 34 c) Fundamentação da escolha do ou dos métodos de avaliaç
Pág.Página 34
Página 0035:
22 DE MAIO DE 2015 35 Diretivas 78/660/CEE, do Conselho, de 25 de julho de 1978, e
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 36 Não obstante atribuição de competências à OROC, a CMVM é
Pág.Página 36
Página 0037:
22 DE MAIO DE 2015 37 Oficiais de Contas, a Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas,
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 38 4 - Sem prejuízo dos demais deveres legais e contratuais
Pág.Página 38
Página 0039:
22 DE MAIO DE 2015 39 e) O Conselho Geral de Supervisão de Auditoria, a que se refe
Pág.Página 39
Página 0040:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 40 dever de independência, nos termos previstos no Regime J
Pág.Página 40
Página 0041:
22 DE MAIO DE 2015 41 de setembro, passam a ter a seguinte redação: «
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 42 3 - Os meios humanos que integram as equipas de supervis
Pág.Página 42
Página 0043:
22 DE MAIO DE 2015 43 Artigo 13.º Entrada em vigor 1 - Sem pre
Pág.Página 43
Página 0044:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 44 i) O Estado-membro em que um auditor, aprovado no seu Es
Pág.Página 44
Página 0045:
22 DE MAIO DE 2015 45 o Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, para re
Pág.Página 45
Página 0046:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 46 4 - Cabe exclusivamente à CMVM, entre outras atribuições
Pág.Página 46
Página 0048:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 48 quanto à apreciação da CMVM. Artigo 13.º <
Pág.Página 48
Página 0049:
22 DE MAIO DE 2015 49 demonstre a habilitação da entidade em causa para o exercício
Pág.Página 49
Página 0050:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 50 menos, € 100 000. Artigo 17.º Instr
Pág.Página 50
Página 0051:
22 DE MAIO DE 2015 51 4 - O requerimento de registo deve obedecer ao modelo disponi
Pág.Página 51
Página 0052:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 52 4 - O registo público dos ROC contém as seguintes inform
Pág.Página 52
Página 0053:
22 DE MAIO DE 2015 53 um relatório adicional ao órgão de fiscalização da entidade a
Pág.Página 53
Página 0054:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 54 7 - A CMVM pode solicitar a realização de ações d
Pág.Página 54
Página 0055:
22 DE MAIO DE 2015 55 d) A utilização da informação recebida apenas para efeitos de
Pág.Página 55
Página 0056:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 56 definidos no artigo 32.º do Regulamento (UE) n.º 537/201
Pág.Página 56
Página 0057:
22 DE MAIO DE 2015 57 atribui a um dos seus membros o pelouro da supervisão de audi
Pág.Página 57
Página 0058:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 58 8 - O conselho geral delibera na presença da maioria dos
Pág.Página 58
Página 0059:
22 DE MAIO DE 2015 59 CAPÍTULO VI Controlo de qualidade Artigo
Pág.Página 59
Página 0060:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 60 3 - Para efeitos do disposto na alínea h) do n.º 1, quan
Pág.Página 60
Página 0061:
22 DE MAIO DE 2015 61 g) Taxas; h) Procedimentos específicos para a receção
Pág.Página 61
Página 0062:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 62 Artigo 46.º Direito aplicável 1 -
Pág.Página 62
Página 0063:
22 DE MAIO DE 2015 63 agente pela prática de uma ou mais contraordenações previstas
Pág.Página 63