O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 154 28

“Artigo 1.º

[…]

1- São portugueses de origem:

a) ……………………………………………………………………..………………………………………………….;

b) ……………………………………………………………………...…………………………………………………;

c) ……………………………………………………………………..…………………………………………………;

d) Os indivíduos nascidos no estrangeiro com, pelo menos, um ascendente de nacionalidade portuguesa

do 2.º grau na linha reta que não tenha perdido essa nacionalidade, se declararem que querem ser portugueses,

possuírem laços de efetiva ligação à comunidade nacional e, verificados tais requisitos, inscreverem o

nascimento no registo civil português;

e) [Anterior alínea d)];

f) [Anterior alínea e)];

g) [Anterior alínea f)].

2- ……………………………………………………………………………..…………………………………………

3- A verificação da existência de laços de efetiva ligação à comunidade nacional, para os efeitos

estabelecidos na alínea d) do n.º 1, implica o reconhecimento, pelo Governo, da relevância de tais laços,

nomeadamente pelo conhecimento suficiente da língua portuguesa e pela existência de contactos regulares

com o território português, e depende de não condenação, com trânsito em julgado da sentença, pela prática

de crime punível com pena de prisão de máximo igual ou superior a 3 anos, segundo a lei portuguesa.”

Artigo 2.º

Âmbito de aplicação

As alterações introduzidas pela presente lei em matéria de aquisição originária da nacionalidade aplicam-se

também aos netos de portugueses nascidos no estrangeiro em data anterior à sua entrada em vigor.

Artigo 3.º

Norma revogatória

É revogado o n.º 4 do artigo 6.º da Lei n.º 37/81, de 3 de outubro, alterada pela Lei n.º 25/94, de 19 de

agosto, pelo Decreto-Lei n.º 322-A/2001, de 14 de dezembro, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 194/2003,

de 23 de agosto, e pelas Leis Orgânicas n.os 1/2004, de 15 de janeiro, 2/2006, de 17 de abril, 1/2013, de 29 de

julho, e …/2015, de … [Decreto da Assembleia n.º 357/XII].

Artigo 4.º

Regulamentação

O Governo procede às necessárias alterações do Regulamento da Nacionalidade Portuguesa, aprovado

pelo Decreto-Lei n.º 237-A/2006, de 14 de dezembro, no prazo de 30 dias a contar da publicação da presente

lei.

Artigo 5.º

Republicação

A Lei n.º 37/81, de 3 de outubro, na sua redação atual e com as necessárias correções materiais, é

republicada em anexo à presente lei, da qual é parte integrante.

Artigo 6.º

Entrada em vigor

A presente lei entra em vigor na data de início de vigência do diploma referido no artigo 4.º.

Aprovado em 29 de maio de 2015.

A Presidente da Assembleia da República, Maria da Assunção A. Esteves.

Páginas Relacionadas
Página 0027:
24 DE JUNHO DE 2015 27 Proibição ou regulação do contato, sob qualquer forma, com a
Pág.Página 27
Página 0029:
24 DE JUNHO DE 2015 29 ANEXO Republicação da Lei n.º 37/81, de 3 de o
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 154 30 Artigo 3.º Aquisição em caso de casamento ou uniã
Pág.Página 30
Página 0031:
24 DE JUNHO DE 2015 31 5- O Governo pode conceder a nacionalidade, por naturalizaçã
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 154 32 2- É obrigatória para todas as autoridades a participaçã
Pág.Página 32
Página 0033:
24 DE JUNHO DE 2015 33 TÍTULO II Registo, prova e contencioso da nacionalida
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 154 34 português ou pelo registo da declaração de que depende a
Pág.Página 34
Página 0035:
24 DE JUNHO DE 2015 35 portuguesa. Artigo 28.º Conflitos de na
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 154 36 Artigo 33.º Registo das alterações de nacionalida
Pág.Página 36
Página 0037:
24 DE JUNHO DE 2015 37 3- Quando for estabelecida a filiação, posteriormente ao reg
Pág.Página 37