O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

16 DE JULHO DE 2015 109

Artigo 12.º

(…)

1 – (…).

2 – Para efeitos do disposto no número anterior, a comunicação com a vítima deve ser efetuada numa

linguagem simples e acessível, atendendo às caraterísticas pessoais da vítima, designadamente a sua

maturidade e alfabetismo, bem como qualquer limitação ou alteração das funções físicas ou mentais que

possa afetar a sua capacidade de compreender ou ser compreendida.

3 – (…).

4 – (…).

Artigo 13.º

(…)

O Estado assegura, gratuitamente nos casos estabelecidos na Lei n.º 34/2004, de 29 de julho, alterada pela

Lei n.º 47/2007, de 28 de agosto, que a vítima tenha acesso a consulta jurídica e, se necessário, o

subsequente apoio judiciário.

(…)

Artigo 15.º

(…)

1 – É assegurado um nível adequado de proteção à vítima e, sendo caso disso, aos seus familiares

elencados na alínea c) do n.º 1 do artigo 67.º-A do Código de Processo Penal, nomeadamente no que

respeita à segurança e salvaguarda da vida privada, sempre que as autoridades competentes considerem

que existe uma ameaça séria de represálias e de situações de revitimização ou fortes indícios de que

essa privacidade possa ser perturbada.

2 – O contacto entre vítimas e os seus familiares e os suspeitos ou arguidos em todos os locais que

impliquem a presença de uns e de outros no âmbito da realização de diligências processuais,

nomeadamente nos edifícios dos tribunais, deve ser evitado, sem prejuízo da aplicação das regras estabelecidas

no Código de Processo Penal.

3 – (…).

4 – (…).

(…)

Artigo 20.º

(…)

1 – Apresentada a denúncia de um crime, não existindo fortes indícios de que a mesma é infundada,

as autoridades judiciárias ou os órgãos de polícia criminal competentes podem, após avaliação

individual da vítima, atribuir-lhe o estatuto de vítima especialmente vulnerável.

2 – No mesmo ato é entregue à vítima documento comprovativo do referido estatuto, compreendendo

os seus direitos e deveres.

Artigo 21.º

(…)

1 – (…).

2 – (…):

Páginas Relacionadas
Página 0095:
16 DE JULHO DE 2015 95 PROPOSTA DE LEI N.º 343/XII (4.ª) (PROCEDE À 2
Pág.Página 95
Página 0096:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 96 estabelece normas relativas aos direitos, ao apoio e à p
Pág.Página 96
Página 0097:
16 DE JULHO DE 2015 97 ao abrigo do regime previsto na Lei n.º 104/2009, de 14 de s
Pág.Página 97
Página 0098:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 98 2 - Para os efeitos previstos na subalínea ii) da alínea
Pág.Página 98
Página 0099:
16 DE JULHO DE 2015 99 Artigo 2.º Articulação com outros diplomas legais
Pág.Página 99
Página 0100:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 100 responsabilidades parentais, que os impeça de a represe
Pág.Página 100
Página 0101:
16 DE JULHO DE 2015 101 l) Em que condições tem direito à notificação das decisões
Pág.Página 101
Página 0102:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 102 4 - Nas situações referidas no número anterior, são ap
Pág.Página 102
Página 0103:
16 DE JULHO DE 2015 103 finalidades do inquérito e do processo penal e deve ser evi
Pág.Página 103
Página 0104:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 104 c) Medidas para evitar o contato visual entre as vítima
Pág.Página 104
Página 0105:
16 DE JULHO DE 2015 105 6 - Nos casos previstos neste artigo só deverá ser prestad
Pág.Página 105
Página 0106:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 106 Artigo 30.º Articulação com outras disposições l
Pág.Página 106
Página 0107:
16 DE JULHO DE 2015 107 independentemente de requerimento, cumprindo-se ainda o dis
Pág.Página 107
Página 0108:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 108 Código de Processo Penal, nem o regime de proteção de t
Pág.Página 108
Página 0110:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 110 a) As inquirições da vítima devem ser realizadas pela m
Pág.Página 110