O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

16 DE JULHO DE 2015 93

h) As regras processuais aplicáveis à resolução dos litígios, incluindo as diligências preliminares impostas

ao consumidor, designadamente a necessidade de o consumidor contactar previamente o

fornecedor de bens ou prestador de serviços com vista à resolução do litígio reclamação prévia

por parte do consumidor, bem como os motivos pelos quais as entidades de RAL podem recusar o

tratamento de um litígio;

i) (…).

2 – (…)

Artigo 10.º

(…)

1 – (…).

2 – (…).

3 – (…).

4 – (…).

5 – Os procedimentos de RAL devem ser decididos no prazo máximo de 90 dias a contar da data em que a

entidade de RAL receba o processo de reclamação completo.

6 – (…).

Artigo 20.º

(…)

1 – (…).

2 – O Centro Europeu do Consumidor é o ponto de contacto nacional de resolução de litígios em linha, para

efeitos do disposto no n.º 1 do artigo 7.º do Regulamento (UE) n.º 524/2013, do Parlamento Europeu e do

Conselho, de 21 de maio de 2013, sobre a resolução de litígios de consumo em linha, que altera o Regulamento

(CE) n.º do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de outubro de 2004, e a Diretiva 2009/22/CE, do

Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de abril de 2009, competindo-lhe desempenhar as funções previstas

no n.º 2 do mesmo artigo, relativamente a reclamações apresentadas através da plataforma de resolução de

litígios em linha criada pelo Regulamento (UE) n.º 524/2013 à escala da União Europeia e que tenham por

objeto litígios nacionais ou transfronteiriços

Palácio de São Bento, 8 de julho de 2015.

Os Deputados do PSD e do CDS-PP.

Propostas de alteração

Artigo 4.º

[…]

1 – […].

2 – […].

3 – […].

4 – Incumbe ao Governo promover a criação e apoiar os centros de arbitragem de conflitos de

consumo, diligenciando no sentido de garantir a cobertura nacional da rede de arbitragem de consumo,

nomeadamente, através da atribuição da adequada competência territorial aos centros de arbitragem de

conflitos de consumo.

Páginas Relacionadas
Página 0078:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 78 PROPOSTA DE LEI N.º 335/XII (4.ª) (TRANSPÕ
Pág.Página 78
Página 0079:
16 DE JULHO DE 2015 79 (ao n.º 4) – rejeitado, com votos contra do PSD e do CDS-PP,
Pág.Página 79
Página 0080:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 80 das propostas de alteração apresentadas pelo Grupo Parla
Pág.Página 80
Página 0081:
16 DE JULHO DE 2015 81 2 - Encontram-se excluídos do âmbito de aplicação da presen
Pág.Página 81
Página 0082:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 82 Justiça a informação estatística que esta entidade reque
Pág.Página 82
Página 0083:
16 DE JULHO DE 2015 83 Artigo 8.º Independência e imparcialidade
Pág.Página 83
Página 0084:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 84 singulares responsáveis pelo procedimento de RAL, a sua
Pág.Página 84
Página 0085:
16 DE JULHO DE 2015 85 i) A cooperação entre entidades de RAL no âmbito de redes de
Pág.Página 85
Página 0086:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 86 regras do procedimento respeitar os seguintes princípios
Pág.Página 86
Página 0087:
16 DE JULHO DE 2015 87 c) Caso haja conflito de leis, se a lei aplicável ao contrat
Pág.Página 87
Página 0088:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 88 organizados de acordo com a Recomendação da Comissão Eur
Pág.Página 88
Página 0089:
16 DE JULHO DE 2015 89 CAPÍTULO V Informação e cooperação Arti
Pág.Página 89
Página 0090:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 90 CAPÍTULO VI Fiscalização, contraordenações e sanç
Pág.Página 90
Página 0091:
16 DE JULHO DE 2015 91 a) O Decreto-Lei n.º 146/99, de 4 de maio; b) O Decr
Pág.Página 91
Página 0092:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 92 a) Manter um sítio eletrónico na Internet atualizado que
Pág.Página 92
Página 0094:
II SÉRIE-A — NÚMERO 171 94 5 – A par de outras fontes de receita inerentes ao funci
Pág.Página 94