O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

13 DE JANEIRO DE 2016 39

Para além do observatório departamental de proteção da criança em risco, o ‘Code de l'action sociale et des

familles’, nos seus artigos R144-1 a R144-4, consagra, junto do Ministro dos assuntos sociais, o Observatório

nacional da pobreza e da exclusão social. Com a missão de reunir, analisar e difundir informações e dados

relativos a situações de precariedade, pobreza e exclusão social, assim como a tomada de políticas levadas a

cabo neste domínio. O Governo central, as coletividades e os estabelecimentos públicos estão obrigados a

comunicar todos os elementos fundamentais respeitantes a esta matéria.

Anualmente elabora um relatório que envia ao Primeiro-Ministro e ao Parlamento e que é tornado público.

De acordo com o disposto nos artigos D226-3-1 a D226-3-7 do Código, o Observatório transmite informação de

forma anónima aos observatórios departamentais de proteção da criança em risco e ao Observatório nacional

da criança em perigo, criado pela lei n.º 2004-1 de 2 de janeiro de 2004 relativa ao acolhimento e à proteção da

infância.

Cabe ainda mencionar que, junto do Défenseur des droits funciona o Défenseur des enfants, um dosseus

adjuntos, responsável pela defesa e promoção do interesse superior e os direitos da criança, instituídos no

âmbito do artigo 71.º - 1 da Constituição, da Lei orgânica n.º 2011-333, de 29 maço de 2011 e da Lei n.º 2011-

334 de 29 de março de 2011. A organização e funcionamento dos serviços decorrem do Decreto n.º 2011-905,

de 29 de julho de 2011. O Relatório anual sobre os direitos da criança relativo a 2015 foi recentemente publicado,

em 20 de novembro.

IV. Iniciativas legislativas e petições pendentes sobre a mesma matéria

Efetuada uma pesquisa à base de dados da atividade parlamentar sobre o registo de iniciativas e de petições

versando sobre matéria idêntica ou conexa, não se verificou a existência de qualquer iniciativa nem petição

pendente.

V. Consultas e contributos

O Sr. Presidente da Assembleia da República não determinou a promoção da audição dos órgãos de governo

próprio das regiões autónomas.

 Consultas facultativas

Caso a Comissão assim o entenda, e em sede de eventual apreciação na especialidade, poderá ser suscitada

a audição ou solicitado o parecer escrito do Governo, designadamente do Ministro do Trabalho, Solidariedade

e Segurança Social, do Ministro da Educação e do Ministro da Saúde. Poderá igualmente ser ouvida a Comissão

Nacional de Proteção das Crianças e Jovens em Risco (http://www.cnpcjr.pt/) e o Instituto de Apoio à Criança

(http://iacrianca.com.pt/pt).

VI. Apreciação das consequências da aprovação e dos previsíveis encargos com a sua aplicação

Em face da informação disponível não é possível determinar ou quantificar os encargos resultantes da

eventual aprovação da presente iniciativa legislativa mas, ao remeter a sua entrada em vigor para o momento

da publicação do Orçamento do Estado subsequente à sua publicação, a proponente parece admitir esses

custos que assim acautela, em respeito pela “lei travão”. Em qualquer caso, prevendo-se a criação de uma nova

estrutura com composição proposta por várias entidades tais encargos parecem previsíveis.

———

Páginas Relacionadas
Página 0003:
13 DE JANEIRO DE 2016 3 3- Defina medidas de médio e longo prazo nos instrumentos d
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 4 PARTE I – CONSIDERANDOS 1 – Introduçã
Pág.Página 4
Página 0005:
13 DE JANEIRO DE 2016 5 3 – Enquadramento Legal A Constituição da República,
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 6  Projeto de Lei n.º 18/XIII (1.ª) (PEV) Esta inicia
Pág.Página 6
Página 0007:
13 DE JANEIRO DE 2016 7 A entrada em vigor das iniciativas estão também em conformi
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 8 PARTE IV – ANEXOS  Nota Técnica Conjunta
Pág.Página 8
Página 0009:
13 DE JANEIRO DE 2016 9 Estas iniciativas têm em comum a proposta de reposição da d
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 10 No entanto, em relação ao Projeto de Lei n.º 18/XIII (1.ª
Pág.Página 10
Página 0011:
13 DE JANEIRO DE 2016 11 Em conformidade com o previsto nas alíneas a) e b) do n.º
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 12 privado, passando os trabalhadores do primeiro a estar su
Pág.Página 12
Página 0013:
13 DE JANEIRO DE 2016 13 sindicatos prevendo que o período normal de trabalho não p
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 14 Resumo: Neste comentário aos artigos 197.º a 236.º do Cód
Pág.Página 14
Página 0015:
13 DE JANEIRO DE 2016 15 VICENTE, Joana Nunes – Breves notas sobre fixação e modifi
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 16 No artigo 7.º (Férias anuais), que “1. Os Estados-Membros
Pág.Página 16
Página 0017:
13 DE JANEIRO DE 2016 17 5. O disposto no presente artigo não é aplicável às remune
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 18 • no período de referência utilizado no cálculo do tempo
Pág.Página 18
Página 0019:
13 DE JANEIRO DE 2016 19 Dataset: Average usual weekly hours worked on the m
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 20 No setor privado, a Lei sobre o Horário de Trabalho (Arbe
Pág.Página 20
Página 0021:
13 DE JANEIRO DE 2016 21 trabalho é fixada em 35 horas no serviços e estabeleciment
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 22 Organizações internacionais ORGANIZA
Pág.Página 22