O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 29 42

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 84/XIII (1.ª)

ESTUDOS DE IMPACTO NAS NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS NAS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS

FUNDAMENTOS

Considerando que a União Europeia possui uma repleta agenda de futuras negociações comerciais

multilaterais e bilaterais;

Negociações que englobam a Organização Mundial de Comércio (OMC) e Países Terceiros, como o Canadá,

Países ACP (África, Caribe e Pacifico), Países Euromediterrâneos, Países do Conselho de Cooperação do

Golfo, Líbia, Ucrânia, India, Países da Associação de Nações do Sudeste Asiático, Países do MERCOSUL e os

Estados Unidos da América;

Considerando que nalguns destes acordos comerciais se observam uma tendência de continuadas

concessões sobre a agricultura para a obtenção de um maior acesso ao mercado de países terceiros para

produtos industriais e serviços;

Considerando que esta atitude negocial provoca uma acrescida concorrência nos produtos agrícolas locais;

Considerando que as produções locais agrícolas são assumidas como um benefício e uma vantagem para

os territórios, principalmente para as zonas mais desfavorecidas como os Açores e a Madeira;

Considerando que os Arquipélagos estão dependentes de um reduzido número de produtos agrícolas locais

a que acrescem, condicionalismos geográficos como a distância, a pequena dimensão territorial e a dispersão

interna;

Considerando que nos Açores, estas produções agrícolas locais, ultrapassam a sua dimensão económica

representando, também, um importante fator de coesão social, onde se destaca a criação de emprego, de

riqueza e a fixação de pessoas no meio rural sobretudo de jovens. Uma constatação que ganha especial relevo

em ilhas ameaçadas pelo abandono humano e onde a atividade agrícola familiar encontra expressão

significativa;

Considerando que estes bens alimentares pelas suas características endógenas tradicionais estão

adaptados para a preservação ambiental e a conservação da biodiversidade genética, o que lhes confere;

Considerando que muitos dos produtos endógenos dos Açores e da Madeira são detentores de uma

qualificação Comunitária;

Considerando que importa contemplar estes condicionalismos e especificidades nas políticas comerciais da

UE à escala global para um desejado crescimento integrador;

Considerando que interessa conhecer o impacto dos futuros acordos comerciais internacionais da UE para

Regiões Ultraperiféricas como os Açores e a Madeira;

Considerando, ainda, que estes estudos podem contribuir para desenvolver uma melhor política para as

Regiões Ultraperiféricas, desde logo, pelo conhecimento dos constrangimentos, mas também pelas

oportunidades criadas;

Considerando, finalmente, que estas oportunidades provêm, principalmente, da existência de um mercado

igualmente integrador.

A Assembleia da República resolve, nos termos do disposto do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição da

República Portuguesa, recomendar ao Governo que:

Inste a Comissão Europeia, no âmbito dos futuros acordos comerciais da União Europeia multilaterais e

bilaterais, para que preveja estudos de impacto para Regiões Ultraperiféricas como os Açores e a Madeira.

Palácio de São Bento, 13 de janeiro de 2016.

Os Deputados do PSD: Luís Montenegro — Berta Cabral — António Ventura — Sara Madruga da Costa —

Nuno Serra — Jorge Paulo Oliveira.

———

Páginas Relacionadas
Página 0003:
13 DE JANEIRO DE 2016 3 3- Defina medidas de médio e longo prazo nos instrumentos d
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 4 PARTE I – CONSIDERANDOS 1 – Introduçã
Pág.Página 4
Página 0005:
13 DE JANEIRO DE 2016 5 3 – Enquadramento Legal A Constituição da República,
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 6  Projeto de Lei n.º 18/XIII (1.ª) (PEV) Esta inicia
Pág.Página 6
Página 0007:
13 DE JANEIRO DE 2016 7 A entrada em vigor das iniciativas estão também em conformi
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 8 PARTE IV – ANEXOS  Nota Técnica Conjunta
Pág.Página 8
Página 0009:
13 DE JANEIRO DE 2016 9 Estas iniciativas têm em comum a proposta de reposição da d
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 10 No entanto, em relação ao Projeto de Lei n.º 18/XIII (1.ª
Pág.Página 10
Página 0011:
13 DE JANEIRO DE 2016 11 Em conformidade com o previsto nas alíneas a) e b) do n.º
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 12 privado, passando os trabalhadores do primeiro a estar su
Pág.Página 12
Página 0013:
13 DE JANEIRO DE 2016 13 sindicatos prevendo que o período normal de trabalho não p
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 14 Resumo: Neste comentário aos artigos 197.º a 236.º do Cód
Pág.Página 14
Página 0015:
13 DE JANEIRO DE 2016 15 VICENTE, Joana Nunes – Breves notas sobre fixação e modifi
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 16 No artigo 7.º (Férias anuais), que “1. Os Estados-Membros
Pág.Página 16
Página 0017:
13 DE JANEIRO DE 2016 17 5. O disposto no presente artigo não é aplicável às remune
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 18 • no período de referência utilizado no cálculo do tempo
Pág.Página 18
Página 0019:
13 DE JANEIRO DE 2016 19 Dataset: Average usual weekly hours worked on the m
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 20 No setor privado, a Lei sobre o Horário de Trabalho (Arbe
Pág.Página 20
Página 0021:
13 DE JANEIRO DE 2016 21 trabalho é fixada em 35 horas no serviços e estabeleciment
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 29 22 Organizações internacionais ORGANIZA
Pág.Página 22