O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 74 26

Sabendo que há um elevado nível de emigrantes portugueses que não está recenseado na rede consular e,

por esse facto, impedidos de participar nos sufrágios nacionais, afirmou-se imperioso obviar a essa limitação

real de direitos democráticos fundamentais.

Não se ignora que mesmo nos eleitores que se recenseiam voluntariamente se regista uma altíssima

abstenção. Contudo, a valorização de toda a participação inicia-se na obrigatoriedade de inscrição em caderno

eleitoral próprio. Mesmo que a rede consular conseguisse promover inscrições em muitos países, e os seus

serviços mostram carências significativas, isso nunca equivaleria a uma inscrição obrigatória proporcionada pela

plataforma eletrónica associada ao cartão de cidadão.

Esta iniciativa legislativa pode criar uma nova esperança na consolidação da democracia e na coesão

nacional.

Assim, nos termos constitucionais e regimentais aplicáveis, as Deputadas e os Deputados do Grupo

Parlamentar do Bloco de Esquerda apresentam o seguinte projeto de lei:

Artigo 1.º

Objeto

A presente lei altera o regime jurídico do recenseamento eleitoral, aprovado pela Lei n.º 13/99, de 22 de

março.

Artigo 2.º

Alteração à Lei n.º 13/99, de 22 de março

Os artigos 1.º, 3.º, 9.º, 27.º e 44.º da Lei n.º 13/99, de 22 de março, que estabelece o regime jurídico do

recenseamento eleitoral, passam a ter a seguinte redação:

«Artigo 1.º

(…)

O recenseamento eleitoral é oficioso, obrigatório, permanente e único para todas as eleições por sufrágio

direto e universal e referendos, sem prejuízo do disposto no n.º 2 do artigo 121.º da Constituição da República

Portuguesa.

Artigo 3.º

(…)

1 – (…).

2 – Todos os cidadãos nacionais maiores de 17 anos são oficiosa e automaticamente inscritos na base de

dados do recenseamento eleitoral, adiante designada abreviadamente por BDRE, devendo a informação para

tal necessária ser obtida com base na plataforma de serviços comuns do cartão de cidadão.

Artigo 9.º

(…)

1 – (…).

2 – (…).

3 – Os eleitores residentes no estrangeiro ficam inscritos nos locais de funcionamento da entidade

recenseadora correspondente à residência indicada no título de residência emitido pela entidade competente do

país onde se encontram.

Páginas Relacionadas
Página 0011:
1 DE MARÇO DE 2017 11 PROJETO DE LEI N.º 346/XIII (2.ª) (INTEGRA A RE
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 12 Esta representatividade da juventude portuguesa reconhece
Pág.Página 12
Página 0013:
1 DE MARÇO DE 2017 13 37/2004, de 13 de agosto, 75-A/2014, de 30 de setembro, e 135
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 14 Tomam a forma de projeto de lei, em conformidade com o di
Pág.Página 14
Página 0015:
1 DE MARÇO DE 2017 15 Conselho Económico e Social, de modo a incluir no Plenário do
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 16 Nota Técnica Projeto de Lei n.º 346/
Pág.Página 16
Página 0017:
1 DE MARÇO DE 2017 17 II. Apreciação da conformidade dos requisitos formais, consti
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 18 ”Integra a representação do Conselho Nacional de Juventud
Pág.Página 18
Página 0019:
1 DE MARÇO DE 2017 19 de maio10, 37/2004, de 13 de agosto11, 75-A/2014, de 30 de se
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 20 Embora os membros do CES não estejam formalmente integrad
Pág.Página 20
Página 0021:
1 DE MARÇO DE 2017 21 visando a integração de representantes na composição do Conse
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 22  Os especialistas serão nomeados pelo Governo, através d
Pág.Página 22
Página 0023:
1 DE MARÇO DE 2017 23 De acordo com o enquadramento legal e constitucional, a compo
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 74 24 V. Consultas e contributos  Consult
Pág.Página 24