O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

10 DE DEZEMBRO DE 2018

19

Dr.ª Vera Gouveia Barros

Começa por realçar, como indispensável, que as exposições de motivos das iniciativas legislativas citem as

fontes para os dados apontados, notando apenas conhecer os dados dos Censos, da responsabilidade do

Instituto Nacional de Estatística (INE), realizados de 10 em 10 anos, datando o último de 2011.

Concorda que, efetivamente, as diversas iniciativas legislativas espelham diferentes preocupações, embora

por vezes inconsistentes, referindo que seria importante proceder à medição das externalidades e sublinhando,

como inconsistência de base, o facto de se dever ter presente, ao falar-se de expulsão de habitantes, que a

preocupação é a expulsão de inquilinos; ora, facultar aos senhorios a capacidade de, em assembleia de

condóminos, decidirem acerca da viabilidade da instalação de AL no seu prédio, não resolve o problema dos

distúrbios, antes incentiva à aquisição por quem tenha maior capacidade financeira.

Ainda sublinhando a importância da avaliação dos dados, é notado que a iniciativa apresentada pelo PAN

contempla, simultaneamente, uma proposta para a elaboração de estudos e para a resolução do problema que

se pretenderia estudar. Acresce que, de acordo com dados recentemente divulgados pelo INE acerca do

mercado de arrendamento, o valor mediano das rendas de alojamentos familiares com novos contratos de

arrendamento, designadamente nas freguesias de Carnide e Campo de Ourique é um valor superior à média

nacional, e, no entanto, as mencionadas freguesias não têm sido consideradas problemáticas. Por fim, e entre

outros alertas, é deixado um alerta a respeito dos designados aumentos exponenciais de rendas, sendo, nestes

casos, necessário ter presente que o valor de partida é determinante para se entender a realidade, destacando

que, por exemplo na freguesia do Castelo, em lisboa, as rendas corresponderiam, por vezes, a valores até 20

euros.

Em complemento, é mencionado que as questões vividas pelas cidades no momento atual não são

propriamente questões exclusivas da presente época, cintando notícias reveladoras da ocorrência de tais

fenómenos de 1947, 2001, 2008, 2010, etc. Tal constatação coloca em causa a conclusão que tem sido

assumida, segundo a qual o AL comprometeria o direito à habitação.

Associação Portuguesa para a Defesa do consumidor (DECO)

Referindo-se à perspetiva dos utilizadores do AL, que foi a perspetiva inicial sobre a qual a DECO se

debruçou, referiu dois pontos fulcrais: (i) AL no setor do turismo (ii) Direito à habitação. Notou que as congéneres

europeias da associação que também desenvolvem trabalho sobre esta matéria, têm vindo a refletir sobre o

tema das plataformas digitais.

Para a DECO, é fundamental evitar a fragmentação do regime, sendo frisadas 3 bases principais:

 O conceito de AL, o tratamento diferenciado de situações diferenciadas e o apuramento da sua finalidade;

 O acesso à atividade e os requisitos para o exercício, referindo-se, uma vez mais, a necessidade de tratar

de forma igual o que é igual e de forma diferente o que é diferente, exemplificando-se com o caso de um

investidor que afeta todo um imóvel a AL, face à situação de um cidadão que arrenda parte de um imóvel de

que é proprietário;

 A Relação com o utilizador do AL, ponto que considera não ser abordado pelas propostas que estão a ser

consideradas mas que a DECO entende não poder ser descurado.

Em complemento, salienta as propostas apresentadas pela DECO, que tocam em várias áreas,

designadamente matéria de informação, segurança, seguro de responsabilidade civil, requisitos

(designadamente sobre a ventilação, capacidade dos quartos, adequação da capacidade à área, placa

identificativa, número do registo dos AL), as quais terão sido encaminhadas para os Grupos Parlamentares.

10.04.18

– Associação da Hotelaria de Portugal – AHP

– Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve – AHETA

– Duarte d’Éça Leal – The Independent Collective

– Carlos Carvalho Cardoso – Responsável pelo Centro de Arbitragem da Universidade Autónoma de Lisboa

e Presidente da Associação de Moradores da área metropolitana de Lisboa

Páginas Relacionadas
Página 0003:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 3 PROJETO DE LEI N.º 524/XIII/2.ª (PROCEDE À S
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 4 3. Audições realizadas e contributos remetid
Pág.Página 4
Página 0005:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 5 artigo 62.º (direito de propriedade privada) e no artigo 6
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 6 atividade de serviços, assegurar que os proc
Pág.Página 6
Página 0007:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 7 propriedade horizontal, através dos artigos 1414.º e segui
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 8 áudio conforme anteriormente se referiu), an
Pág.Página 8
Página 0009:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 9  Gerou-se uma transição dos benefícios económicos essenci
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 10  Tendo presentes as definições de «empreen
Pág.Página 10
Página 0011:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 11 Prof. Luís Mendes, do Centro de Estudos Geográfico
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 12 Termina a sua intervenção sensibilizando pa
Pág.Página 12
Página 0013:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 13 que o Código Civil estabelece um regime muito restritivo
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 14  Relativamente ao Projeto de Lei n.º 535/X
Pág.Página 14
Página 0015:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 15 O AL e o turismo são importantes para o desenvolvimento e
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 16 Associação Renovar a Mouraria (ARM)
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 17 pequeno AL devem ser encaradas como realidades diferentes
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 18 Associação Portuguesa de Empresas de Gestão
Pág.Página 18
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 20 – Loja do Condomínio Associaç
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 21 circunstância poderia ser solucionada com a exigência de
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 22 o fenómeno da desertificação dos centros hi
Pág.Página 22
Página 0023:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 23 sendo, aliás, uma legislação pioneira e referida como exe
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 24 Presidente da Câmara Municipal de Li
Pág.Página 24
Página 0025:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 25 adequada. Referiu, de seguida, o trabalho com entidades n
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 26 em risco. Acrescenta-se que as casas que er
Pág.Página 26
Página 0027:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 27 os AL que surgem preenchem ou não os requisitos para a su
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 28 aproxime cada vez mais da média da União Eu
Pág.Página 28
Página 0029:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 29 à habitação e à atividade turística, sublinhando a necess
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 30  O Governo está a trabalhar tendo em vista
Pág.Página 30
Página 0031:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 31 2. A contribuição do AL para a ‘Gentrificação’ de algumas
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 32 a) A decisão caberá à Câmara Municipal, ouv
Pág.Página 32
Página 0033:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 33 – E que, tendo em conta que o impacto do alojamento local
Pág.Página 33