O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

10 DE DEZEMBRO DE 2018

27

os AL que surgem preenchem ou não os requisitos para a sua classificação como empreendimentos turísticos.

Relativamente ao impacto decorrente da instalação de uma ou mais unidades de AL em prédios constituídos

em propriedade horizontal, sugere que o registo possa ter uma duração delimitada pois isso permitiria a

avaliação do comportamento e dos constrangimentos, bem como manter um acompanhamento da evolução da

oferta. Sugere, ainda, o apoio à disseminação da oferta de AL em termos do que seria a oferta máxima em cada

freguesia, através dos instrumentos de gestão territorial dos municípios. Acrescenta que a questão do êxodo

dos centros históricos não nasce da questão turística mas está obviamente relacionada, sendo, porém, poucos

os espaços em que esta pressão existe de forma exagerada.

Quanto ao papel das entidades regionais, considera que seria importante, nomeadamente, na fase das

auditorias na fase da realização do registo e na fase da renovação do registo. Não obstante, e quanto aos

recursos das entidades, embora se registe a vontade, capacidade, recursos humanos e sinergias com os

associados, seria necessário um investimento nas mesmas.

Presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa

Referiu-se ao fenómeno da democratização do turismo e à sua importância para a cidade de Lisboa, tendo

partilhado dados de 2016 referentes à cidade de Lisboa: estimam-se cerca de 31 200 turistas por dia na região

de Lisboa, região com 2,8 milhões de habitantes. Acrescenta que o AL representa pequenas poupanças, sendo

que mais de 90% de AL é detida por entidades que possuem até 3 unidades. Denota, ainda, que este fenómeno

corresponde a um complemento da oferta de alojamento e de emprego.

Sendo certo que o AL e o turismo em geral contribuem para a gentrificação, notou, por um lado, que este

fenómeno é muito anterior e, por outro lado, que há novos residentes em Lisboa, designadamente estudantes

estrangeiros.

De acordo com um inquérito realizado, evidenciou a necessidade de adoção de medidas de proteção da

população residente nos bairros históricos com políticas adequadas, por exemplo financiadas com fundos que

o turismo poderia atualmente providenciar, garantindo-se o mix populacional nos bairros históricos (jovens,

estrangeiros, etc.) e de requalificação das periferias e aumento do nível de vida através de políticas fiscais.

Relativamente às iniciativas em discussão, alertou para os riscos de poderem traduzir-se no abandono da

atividade de AL ou num maior estímulo à conflitualidade nas relações entre os condóminos.

Reforçou o papel que as entidades regionais de turismo, a um nível infra estadual mas supra municipal

poderão ter e reconheceu que poderia haver maior regulação, designadamente, ao nível da segurança ou defesa

do consumidor.

Presidente da Região de Turismo do Algarve

Foram destacadas as especificidades da região do Algarve e os efeitos que esta legislação teve ao trazer

para a legalidade o AL pré-existente. Considera que o modelo adotado é interessante e tem contribuído

positivamente para a dinamização do mercado, renovação do parque urbano e recuperação de alguns centros

históricos, dando o exemplo de Faro, que apenas tinha 2 hotéis e hoje tem uma oferta muito superior.

Sugere, não obstante, a obrigatoriedade de as plataformas verificarem se o número de registo facultado pelo

operador corresponde ao número real e a uniformização da forma de aplicação da lei entre municípios, para

garantia de coerência.

Admitindo que a legislação vigente possa necessitar de alguns ajustamentos, suscitam-lhe reservas as

propostas relativas à limitação temporal do AL (salientando a questão da sazonalidade, que se pretende

combater naquela região), bem como à intervenção dos condomínios. É necessário deixar a legislação vigorar

e fazer cumprir aquilo que já está definido.

Refere, por fim, que as regiões de turismo têm um papel importante desde que se não lhes retirem as suas

competências e recursos.

Presidente da Confederação do Turismo Português

Referiu-se aos números do turismo, que têm contribuído para que a taxa de desemprego em Portugal se

Páginas Relacionadas
Página 0003:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 3 PROJETO DE LEI N.º 524/XIII/2.ª (PROCEDE À S
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 4 3. Audições realizadas e contributos remetid
Pág.Página 4
Página 0005:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 5 artigo 62.º (direito de propriedade privada) e no artigo 6
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 6 atividade de serviços, assegurar que os proc
Pág.Página 6
Página 0007:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 7 propriedade horizontal, através dos artigos 1414.º e segui
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 8 áudio conforme anteriormente se referiu), an
Pág.Página 8
Página 0009:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 9  Gerou-se uma transição dos benefícios económicos essenci
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 10  Tendo presentes as definições de «empreen
Pág.Página 10
Página 0011:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 11 Prof. Luís Mendes, do Centro de Estudos Geográfico
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 12 Termina a sua intervenção sensibilizando pa
Pág.Página 12
Página 0013:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 13 que o Código Civil estabelece um regime muito restritivo
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 14  Relativamente ao Projeto de Lei n.º 535/X
Pág.Página 14
Página 0015:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 15 O AL e o turismo são importantes para o desenvolvimento e
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 16 Associação Renovar a Mouraria (ARM)
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 17 pequeno AL devem ser encaradas como realidades diferentes
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 18 Associação Portuguesa de Empresas de Gestão
Pág.Página 18
Página 0019:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 19 Dr.ª Vera Gouveia Barros Começa por realçar
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 20 – Loja do Condomínio Associaç
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 21 circunstância poderia ser solucionada com a exigência de
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 22 o fenómeno da desertificação dos centros hi
Pág.Página 22
Página 0023:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 23 sendo, aliás, uma legislação pioneira e referida como exe
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 24 Presidente da Câmara Municipal de Li
Pág.Página 24
Página 0025:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 25 adequada. Referiu, de seguida, o trabalho com entidades n
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 26 em risco. Acrescenta-se que as casas que er
Pág.Página 26
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 28 aproxime cada vez mais da média da União Eu
Pág.Página 28
Página 0029:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 29 à habitação e à atividade turística, sublinhando a necess
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 30  O Governo está a trabalhar tendo em vista
Pág.Página 30
Página 0031:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 31 2. A contribuição do AL para a ‘Gentrificação’ de algumas
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 32 a) A decisão caberá à Câmara Municipal, ouv
Pág.Página 32
Página 0033:
10 DE DEZEMBRO DE 2018 33 – E que, tendo em conta que o impacto do alojamento local
Pág.Página 33