O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE DEZEMBRO DE 2018

229

I. b) Do objeto, conteúdo e motivação da iniciativa

O Projeto de Lei subjudice tem por objeto alterar o Regulamento Geral das Edificações Urbanas (RGEU),

de 19511, e revogar e Regime excecional e temporário aplicável à reabilitação de edifícios ou de frações,

doravante RERU, de 20142.

Para os proponentes importa introduzir uma alteração ao Regulamento Geral das Edificações Urbanas, no

sentido de alterar o seu artigo 134.º, para fixar condições restritivas especiais para as edificações nas zonas de

maiores riscos sísmicos; bem como a revogação do RERU.

Os Verdes assinalam que Portugal é um País com considerável risco sísmico, o que faz impender sobre os

«poderes públicos, uma responsabilidade que permita atuar preventivamente para, no caso de um sismo de

grande intensidade ocorrer no País, as consequências poderem ser minimizadas». – cfr. Exposição de motivos.

Para Os Verdes, não descurando a vertente da proteção civil e do rápido socorro, o «aspeto do edificado

constitui um sério problema, na medida em que a maior parte dos edifícios, nomeadamente de habitação, não

têm segurança sísmica.» – cfr. Exposição de motivos.

Os proponentes entendem que o RERU, a pretexto de aligeirar os procedimentos de reabilitação do edificado,

acabou por fragilizar as regras de segurança; devendo determinar «a obrigatoriedade de reforço das condições

de resistência sísmica nos processos de reabilitação de edifícios. Só dessa forma seria possível garantir que,

progressivamente, as cidades estariam mais seguras do ponto de vista da reação a um sismo violento.» – cfr.

Exposição de motivos.

Entendendo que os poderes públicos devem ter uma proatividade efetiva, Os Verdes «assumem o objetivo

de dar um contributo real e de abrir uma discussão no Parlamento sobre a necessidade de adaptação da Lei a

uma urgência que se impõe, numa sociedade onde deve imperar uma cultura de prevenção e de

responsabilidade de mitigação dos riscos.» – cfr. Exposição de motivos.

Assim, no âmbito do RGEU, pretende-se que o Governo estabeleça normas técnicas para o reforço sísmico

das construções, abrangendo obrigatoriamente também as obras de reabilitação de edifícios, desde que incidam

sobre uma parte significativa da sua área; e que, a fiscalização das obras de reabilitação, no que respeita ao

reforço da sua resistência sísmica, culmine na emissão de uma certificação de avaliação técnica, em modelo a

definir pelo Governo.

I. c) Enquadramento legal e parlamentar

Nos termos da Constituição da República Portuguesa:

«Artigo 65.º

Habitação e urbanismo

1 – Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições

de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar.

2 – Para assegurar o direito à habitação, incumbe ao Estado:

a) Programar e executar uma política de habitação inserida em planos de ordenamento geral do território e

apoiada em planos de urbanização que garantam a existência de uma rede adequada de transportes e de

equipamento social;

b) Promover, em colaboração com as regiões autónomas e com as autarquias locais, a construção de

habitações económicas e sociais;

c) Estimular a construção privada, com subordinação ao interesse geral, e o acesso à habitação própria ou

arrendada;

d) Incentivar e apoiar as iniciativas das comunidades locais e das populações, tendentes a resolver os

respetivos problemas habitacionais e a fomentar a criação de cooperativas de habitação e a autoconstrução.

1 Decreto-Lei n.º 38382 de 7 de agosto de 1951 2 Decreto-lei n.º 53/2014, de 08 de abril, alterado pelo Decreto-lei n.º 194/95, de 14 de setembro.

Páginas Relacionadas
Página 0240:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 240 PROJETO DE LEI N.º 1023/XIII/4.ª (L
Pág.Página 240
Página 0241:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 241 constitucional. Todas estas políticas exigem um Estado i
Pág.Página 241
Página 0242:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 242 «Artigo 65.º Habitação e urbanismo
Pág.Página 242
Página 0243:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 243 PARTE IV – ANEXOS Anexa-se a nota técnica
Pág.Página 243
Página 0244:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 244 A presente iniciativa debruça-se, ainda, n
Pág.Página 244
Página 0245:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 245 a uma prestação efetiva, porquanto não é diretamente apl
Pág.Página 245
Página 0246:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 246 um pouco mais ampla, ou de uma casa mais p
Pág.Página 246
Página 0247:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 247 localizados em áreas de reabilitação urbana, sempre que
Pág.Página 247
Página 0248:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 248 O levantamento das necessidades de realoja
Pág.Página 248
Página 0249:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 249  Mesmo no município em que a relação entre o número de
Pág.Página 249
Página 0250:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 250  Proposta de Lei n.º 127/XIII (Gov) – Aut
Pág.Página 250
Página 0251:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 251 XII Legislatura PRes 1310/XII – Fim das penhoras
Pág.Página 251
Página 0252:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 252 XII Legislatura PJL 247/XII – Cria
Pág.Página 252
Página 0253:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 253 artigo 4.º do Regimento, bem como dos grupos parlamentar
Pág.Página 253
Página 0254:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 254 respetivas câmaras municipais, auscultados
Pág.Página 254
Página 0255:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 255 ajuda dos Fundos Estruturais e de Investimento Europeus
Pág.Página 255
Página 0256:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 256 las normas pertinentes para hacer efectivo
Pág.Página 256
Página 0257:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 257 O mesmo determina o Code de l’urbanisme, na sua versão c
Pág.Página 257
Página 0258:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 258 REINO UNIDO O Reino Unido nã
Pág.Página 258
Página 0259:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 259 famílias, incluindo alimentação, vestuário e alojamento
Pág.Página 259
Página 0260:
II SÉRIE-A — NÚMERO 37 260 utilização de formas genéricas e pronomes
Pág.Página 260
Página 0261:
20 DE DEZEMBRO DE 2018 261 Reabilitação Urbana, o CET/ISCTE e o LET/Faculdade de Ar
Pág.Página 261