O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

16 DE ABRIL DE 2019

53

A presente iniciativa visa proceder à revisão da Lei Orgânica n.º 6/2015, de 18 de maio, cumprindo assim o

previsto no artigo 21.º, artigo que prevê a revisão deste diploma no ano de 2018, com efeitos a produzir em

2019, a ser efetivada em articulação com o Ciclo de Planeamento de Defesa Militar.

Assim, e segundo o comunicado do Conselho de Ministros de 28 de fevereiro de 2019 «foi aprovada a

proposta de revisão da Lei de Infraestruturas Militares, que pretende simplificar, agilizar e ampliar os

procedimentos para rentabilização dos bens imóveis afetos à Defesa Nacional. A Lei de Infraestruturas

Militares estabelece a programação de investimento com vista à satisfação das necessidades das

infraestruturas das Forças Armadas, abrangendo duas funções primordiais: a rentabilização do património do

Estado afeto à Defesa Nacional mas que já não é necessário para a prossecução da necessidade coletiva de

defesa; e a aplicação do produto dessa rentabilização na conservação, manutenção, segurança e

modernização do património em uso pelo Estado-Maior-General das Forças Armadas e pelos ramos na

prossecução da necessidade coletiva que lhes compete garantir. É assim dado cumprimento ao disposto no

Programa do XXI Governo quanto à reorganização do dispositivo territorial em função das missões das Forças

armadas, nomeadamente através da disponibilização do património imóvel considerado excedentário e da

consolidação de mecanismos de partilha entre ramos».

A Proposta de Lei n.º 188/XIII/4.ª aprova a Lei das Infraestruturas Militares, é constituída por 28 artigos,

divididos em três capítulos.

O Capítulo I – Programação e execução – é dividido em quatro secções: i) disposições gerais, onde é

definido o objeto e âmbito da iniciativa; ii) a execução e acompanhamento, onde são definidas as

competências para a execução, o acompanhamento pela Assembleia da República e o Mapa das medidas; iii)

a gestão dos imóveis afetos à defesa nacional, onde são definidas as modalidades de rentabilização, o regime

de gestão, a desafetação do domínio público, a Administração transitória, as operações de rentabilização, os

usos privativos do domínio público afeto à defesa nacional, os usos privativos do espaço aéreo e subsolo, a

isenção de emolumentos e os custos das medidas; iv) as disposições orçamentais, onde se definem os

princípios orçamentais, a relação com o Orçamento do Estado, o financiamento, as alterações orçamentais e

os compromissos plurianuais.

O Capítulo II define a vigência e revisão da presente lei, contemplando o período de vigência, a revisão, a

preparação e apresentação da proposta e as competências no procedimento da revisão.

Por fim, o Capítulo III trata asdisposições transitórias e finais, onde se define o registo predial, o regime

subsidiário, a norma transitória, a norma final, a norma revogatória e a entrada em vigor.

3. Conformidade dos requisitos formais, constitucionais e regimentais e cumprimento da Lei

Formulário

A Proposta de Lei n.º 188/XIII/4.ª é apresentada pelo Governo, no âmbito do seu poder de iniciativa,

plasmado non.º 1 do artigo 167.º e na alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, bem como no artigo

118.º do RAR.

Conforme disposto no n.º 2 do artigo 123.º do RAR, é subscrita pelo Primeiro-Ministro, pelo Ministro da

Defesa Nacional e pelo Secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, e refere ter sido

aprovada em Conselho de Ministros no dia 28 de fevereiro de 2019, ao abrigo da competência prevista na

alínea c) n.º 1, do artigo 200.º da Constituição.

Cumpre os requisitos formais elencados no n.º 1 do artigo 124.º do RAR, uma vez que está redigida sob a

forma de artigos, tem uma designação que traduz sinteticamente o seu objeto principal e é precedida de uma

exposição de motivos, cujos elementos são enumerados no n.º 2 do referido artigo. Parece não infringir a

Constituição ou os princípios nela consignados e define concretamente o sentido das modificações a introduzir

na ordem jurídica, respeitando assim os limites estabelecidos no n.º 1 do artigo 120.º do RAR.

A matéria sobre a qual versa a presente proposta de lei enquadra-se, por força do disposto na alínea d) do

artigo 164.º da Constituição (Organização da defesa nacional, definição dos deveres dela decorrentes e bases

gerais da organização, do funcionamento, do reequipamento e da disciplina das Forças Armadas), no âmbito

da reserva absoluta de competência legislativa da Assembleia da República. Assim, segundo o n.º 4 do artigo

168.º da Constituição, a presente iniciativa legislativa carece de votação na especialidade pelo Plenário e, nos

Páginas Relacionadas
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 16 PROJETO DE LEI N.º 1158/XIII/4.ª (RE
Pág.Página 16
Página 0017:
16 DE ABRIL DE 2019 17 instância depende sempre da apresentação de documento que co
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 18 PARTE III – CONCLUSÕES 1 – O
Pág.Página 18
Página 0019:
16 DE ABRIL DE 2019 19 I. Análise da iniciativa • A iniciativa
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 20 Código de Processo Penal, o último diferind
Pág.Página 20
Página 0021:
16 DE ABRIL DE 2019 21 se esteja perante um direito fundamental que,em alguma das s
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 22 normas, assegurando-se o exercício daquele
Pág.Página 22
Página 0023:
16 DE ABRIL DE 2019 23 contribuições, cria 18 novos escalões contributivos (atualme
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 24 sentido amplo – sem a especificidade de se
Pág.Página 24
Página 0025:
16 DE ABRIL DE 2019 25 acompanhamento à criança até aos três anos de idade, promove
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 26 III. Apreciação dos requisitos forma
Pág.Página 26
Página 0027:
16 DE ABRIL DE 2019 27 Em se tratando de alterações a Códigos, não se justifica a s
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 28 No ordenamento jurídico espanhol está previ
Pág.Página 28
Página 0029:
16 DE ABRIL DE 2019 29 A. Regra Geral O critério de prioridade dos ad
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 30 (presos, menores, etc.), ou em que suspensã
Pág.Página 30
Página 0031:
16 DE ABRIL DE 2019 31 18069/2018) – não é impedimento justificável o advogado víti
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 32 as modalidades da redução da duração do tra
Pág.Página 32
Página 0033:
16 DE ABRIL DE 2019 33 ILECHKO, Kateryna [Et. al.] – A Advocacia no Feminino. In 8.
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 88 34 estudaram-se as formas de conciliação entre
Pág.Página 34