O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

3 DE MAIO DE 2019

89

promoção do desenvolvimento técnico e científico:

1 – Proceda ao lançamento do processo de construção da Escola Superior de Saúde do Instituto

Politécnico de Setúbal;

2 – Mobilize os recursos financeiros necessários à construção das instalações da Escola Superior de

Saúde, através do Orçamento do Estado, podendo complementarmente recorrer à utilização de fundos

comunitários.

Assembleia da República, 3 de maio de 2019.

Os Deputados do PCP: Francisco Lopes — Paula Santos — Bruno Dias — Carla Cruz — João Dias —

Diana Ferreira — Rita Rato — João Oliveira — António Filipe — Paulo Sá — Jorge Machado — Ana Mesquita

— Duarte Alves — Ângela Moreira — Jerónimo de Sousa.

———

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 2141/XIII/4.ª

SIMPLIFICAÇÃO DO ACESSO AO TÍTULO DE RECONHECIMENTO DO ESTATUTO DA

AGRICULTURA FAMILIAR

O PCP tem vindo ao longo do tempo e continua a defender que a agricultura familiar assume uma

importância estratégica para a produção nacional, para a qualidade e para a soberania alimentar, para a

ocupação harmoniosa do território, para a defesa do meio ambiente, da floresta e do mundo rural, para a

coesão económica e social em vastas regiões.

Apesar da sua reconhecida importância, o exercício da atividade agrícola para os pequenos e médios

agricultores depara-se com um conjunto de problemas cuja dimensão reclama a adoção de respostas

estruturais de defesa do mundo rural e da agricultura familiar, respostas essas que o Governo tarda em

encontrar e concretizar.

A publicação do Decreto-Lei n.º 64/2018, de 7 de agosto, que vem consagrar o Estatuto da Agricultura

Familiar, embora vá ao encontro das reclamações de muitos agricultores, não reconhece nem aponta medidas

específicas que valorizem a atividade da exploração e da dinamização do mundo rural, carecendo de

Regulamentação e da atribuição dos meios para a sua concretização.

E o mesmo se pode dizer da recente publicada Portaria n.º 73/2019, de 7 de março, portaria que pretende

regulamentar o procedimento relativo à atribuição do Estatuto da Agricultura Familiar, mas que em nada

acresce à especificação das medidas de apoio a atribuir aos agricultores familiares, quer em termos da

concretização dos direitos, quer em termos das dotações a necessárias para a eficácia para tais direitos, e que

institui um procedimento declaradamente desadequado às características dos pequenos e médios agricultores

familiares e do mundo rural.

A obrigatoriedade de submissão do pedido de título de Reconhecimento do Estatuto ser exclusivamente

por via informática e da necessidade de acompanhamento do pedido com um conjunto extenso de informação

documental, proveniente de diferentes entidades, demonstra um claro afastamento face à realidade presente

no mundo rural, constituindo um forte entrave à reclamação do Estatuto por grande parte dos pequenos e

médios produtores que dele poderiam beneficiar.

Tais exigências não têm em conta a idade de um conjunto significativo dos agricultores familiares, as

dificuldades na utilização das tecnologias informáticas e as dificuldades de acesso a redes informáticas nas

zonas do interior, conduzindo desde logo ao abandono por muitos agricultores que poderiam ser abrangidos,

da intensão de formulação do pedido de título de Reconhecimento do Estatuto.

A duplicação na Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) de um registo e da

informação já disponibilizada pelos agricultores ao Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, IP

Páginas Relacionadas
Página 0094:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 94 PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 2143/XIII/4.ª
Pág.Página 94
Página 0095:
3 DE MAIO DE 2019 95 grandes eleitores que, por sua vez, escolhiam os eleitores de
Pág.Página 95
Página 0096:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 96 Muito recentemente – em Fevereiro do presen
Pág.Página 96
Página 0097:
3 DE MAIO DE 2019 97 Em traços gerais, prevaleceu a ideia que num mundo globalizado
Pág.Página 97
Página 0098:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 98 eleitoral para os 16 anos nos 47 Estados-Me
Pág.Página 98
Página 0099:
3 DE MAIO DE 2019 99 4. Direitos e deveres aos 16 anos O nosso ordena
Pág.Página 99
Página 0100:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 100 administração de bens adquiridos pelo seu
Pág.Página 100
Página 0101:
3 DE MAIO DE 2019 101 Em segundo lugar, sublinhamos o caso da cidadã sueca Greta Th
Pág.Página 101
Página 0102:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 102 Traz à colação o facto de se reconhecer ao
Pág.Página 102
Página 0103:
3 DE MAIO DE 2019 103 exercício do direito ao sufrágio, pugnando também pela defesa
Pág.Página 103
Página 0104:
II SÉRIE-A — NÚMERO 95 104 população (antes do 25 de Abril apenas 10%
Pág.Página 104