O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 135

62

bilhete, e corresponde ao pagamento de um valor variável sem limite máximo.

2 – O beneficiário paga, no ato da compra, nas viagens entre a Região Autónoma da Madeira e o

continente, os máximos de 86 euros tratando-se de residentes e equiparados e 65 euros tratando-se de

estudantes, e, nas viagens entre a Região Autónoma da Madeira e a Região Autónoma dos Açores, os

máximos de 119 euros, tratando-se de residentes e equiparados, e 89 euros tratando-se de estudantes.

3 – Os cidadãos beneficiários que não tenham procedido à utilização efetiva do bilhete no prazo de um

ano ficam em situação de incumprimento, sendo obrigados à devolução do valor do subsídio social de

mobilidade ao Estado.

4 – Podem ser aprovadas portarias autónomas e com critérios diferenciados para o transporte marítimo e

para o transporte aéreo.

5 – Não é atribuído subsídio social de mobilidade, sempre que o custo elegível seja de montante igual ou

inferior ao fixado no n.º 2.

Artigo 5.º

Entidade prestadora do serviço de pagamento

1 – O pagamento do subsídio social de mobilidade é efetuado pela entidade prestadora do serviço de

pagamento designada para o efeito, pelos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e dos

transportes aéreo e marítimo, que demonstre ter capacidade e experiência de prestação de serviços de

pagamento, sendo a prestação do serviço atribuída de acordo com as normas da contratação pública, sempre

que aplicável.

2 – Sem prejuízo do direito de regresso relativamente aos beneficiários, a entidade prestadora do serviço

de pagamento é responsável pela verificação da documentação comprovativa da elegibilidade do beneficiário,

não lhe sendo devido pelo Estado qualquer reembolso por pagamentos feitos indevidamente ou com base em

documentação incompleta ou incorreta.

Artigo 6.º

Condições de atribuição e pagamento

1 – Para efeitos de atribuição do subsídio social de mobilidade, a companhia aérea e seus agentes devem

requerer, nos serviços competentes da entidade prestadora do serviço de pagamento, o respetivo pagamento.

2 – Nos casos em que o beneficiário tenha adquirido um bilhete de ida (OW) o cálculo do subsídio social

de mobilidade fica indexado à metade do valor máximo para aplicação do subsídio.

3 – Quando o beneficiário viajar ao serviço ou por conta de uma pessoa coletiva ou singular, o pagamento

deve ser solicitado à companhia aérea e seus agentes, por essa pessoa coletiva ou singular, desde que a

fatura e o recibo ou as faturas-recibo sejam emitidos em nome desta e deles conste o nome do beneficiário,

bem como o respetivo número de contribuinte, devendo o pedido ser acompanhado dos restantes documentos

exigidos no artigo seguinte.

4 – O pagamento do subsídio social de mobilidade tem lugar no momento da apresentação do

requerimento previsto no n.º 1, desde que verificadas as condições fixadas no presente decreto-lei.

5 – A fatura recibo de pagamento entregue aos beneficiários contém a título informativo o valor do

subsídio.

6 – (Revogado).

7 – (Renumerado como n.º 4).

Artigo 7.º

Documentos comprovativos da elegibilidade

1 – O beneficiário deve entregar à companhia área e seus agentes cópia dos seguintes documentos,

exibindo o respetivo original:

a) Cartão de contribuinte que permita comprovar o domicílio fiscal na Região Autónoma da Madeira,

Páginas Relacionadas
Página 0015:
31 DE JULHO DE 2019 15 CAPÍTULO V Proteção social do cuidador informal <
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 16 2 – A presente lei aplica-se a todo o ter
Pág.Página 16
Página 0017:
31 DE JULHO DE 2019 17 Artigo 6.º Acesso a serviços públicos essenciais, tra
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 18 3 – Existe risco de promiscuidade e inade
Pág.Página 18
Página 0019:
31 DE JULHO DE 2019 19 3 – O despejo de habitação permanente não se pode realizar
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 20 5 – A valorização do habitat rural compre
Pág.Página 20
Página 0021:
31 DE JULHO DE 2019 21 g) A inovação tecnológica e social no domínio da satisfação
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 22 4 – A apresentação do relatório previsto
Pág.Página 22
Página 0023:
31 DE JULHO DE 2019 23 AUGI; e) Promover operações de autoconstrução, autoac
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 24 5 – No âmbito da elaboração da CMH, a ass
Pág.Página 24
Página 0025:
31 DE JULHO DE 2019 25 a) Programas e operações públicas de habitação, reabi
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 26 4 – Os benefícios fiscais são regularment
Pág.Página 26
Página 0027:
31 DE JULHO DE 2019 27 Artigo 33.º Regulação do mercado habitacional
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 28 a) A regulação do mercado habitacional, pr
Pág.Página 28
Página 0029:
31 DE JULHO DE 2019 29 Artigo 37.º Instrumentos de intervenção pública <
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 30 a) Da promoção de um mercado públic
Pág.Página 30
Página 0031:
31 DE JULHO DE 2019 31 arrendamento habitacional, nomeadamente através de: <
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 32 6 – No âmbito do crédito à habitação não
Pág.Página 32
Página 0033:
31 DE JULHO DE 2019 33 CAPÍTULO VIII Informação, participação, associativism
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 34 Artigo 56.º Associações e organizaç
Pág.Página 34
Página 0035:
31 DE JULHO DE 2019 35 Artigo 60.º Defesa dos interesses e direitos d
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 36 visam a erradicação progressiva desta cond
Pág.Página 36
Página 0037:
31 DE JULHO DE 2019 37 CAPÍTULO X Disposições finais e transitórias
Pág.Página 37