O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 135

6

8 – (Anterior n.º 7).

9 – (Anterior n.º 8).»

CAPÍTULO III

Acompanhamento e articulação

Artigo 5.º

Acompanhamento, fiscalização e avaliação

Compete ao Instituto de Segurança Social, IP (ISS), e aos serviços competentes da saúde, o

acompanhamento, fiscalização e avaliação do cumprimento das medidas das respetivas áreas de intervenção,

devendo providenciar os instrumentos e os meios adequados à sua concretização.

Artigo 6.º

Articulação entre serviços públicos

Sem prejuízo da intervenção dos serviços da área da saúde e da segurança social, sempre que seja

necessária a intervenção específica da competência do município ou de entidades de outros setores,

designadamente da justiça, educação, emprego e formação profissional e forças de segurança, é dever

dessas entidades a colaboração com o cuidador informal e com a pessoa cuidada, prestando-lhes toda a

informação e apoios adequados.

Artigo 7.º

Continuidade dos cuidados

1 – As medidas previstas na presente lei devem respeitar a continuidade dos cuidados.

2 – A continuidade dos cuidados é um direito dos cidadãos e consiste na prestação de cuidados dirigidos

a satisfazer necessidades crónicas.

3 – Considera-se que existe continuidade de cuidados quando estes são prestados de forma

complementar, por diferentes prestadores, num tempo adequado.

4 – A continuidade de cuidados é garantida de forma integrada com base no sistema de saúde e de

segurança social, através de intervenções integradas de saúde e apoio social.

CAPÍTULO IV

Projetos piloto experimentais

Artigo 8.º

Projetos-piloto

1 – São desenvolvidos projetos-piloto experimentais destinados a pessoas que se enquadrem nas

condições previstas no Estatuto do Cuidador Informal, de acordo com uma distribuição por todo o território

nacional, evitando-se assimetrias regionais, mediante seleção dos territórios a intervencionar, tendo em conta

os que apresentam maiores níveis de fragilidade social.

2 – Os projetos-piloto referidos no número anterior vigoram pelo prazo de 12 meses, contados a partir da

entrada em vigor da portaria referida no n.º 1 do artigo 15.º.

Artigo 9.º

Âmbito

Os projetos-piloto incidem sobre:

Páginas Relacionadas
Página 0015:
31 DE JULHO DE 2019 15 CAPÍTULO V Proteção social do cuidador informal <
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 16 2 – A presente lei aplica-se a todo o ter
Pág.Página 16
Página 0017:
31 DE JULHO DE 2019 17 Artigo 6.º Acesso a serviços públicos essenciais, tra
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 18 3 – Existe risco de promiscuidade e inade
Pág.Página 18
Página 0019:
31 DE JULHO DE 2019 19 3 – O despejo de habitação permanente não se pode realizar
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 20 5 – A valorização do habitat rural compre
Pág.Página 20
Página 0021:
31 DE JULHO DE 2019 21 g) A inovação tecnológica e social no domínio da satisfação
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 22 4 – A apresentação do relatório previsto
Pág.Página 22
Página 0023:
31 DE JULHO DE 2019 23 AUGI; e) Promover operações de autoconstrução, autoac
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 24 5 – No âmbito da elaboração da CMH, a ass
Pág.Página 24
Página 0025:
31 DE JULHO DE 2019 25 a) Programas e operações públicas de habitação, reabi
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 26 4 – Os benefícios fiscais são regularment
Pág.Página 26
Página 0027:
31 DE JULHO DE 2019 27 Artigo 33.º Regulação do mercado habitacional
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 28 a) A regulação do mercado habitacional, pr
Pág.Página 28
Página 0029:
31 DE JULHO DE 2019 29 Artigo 37.º Instrumentos de intervenção pública <
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 30 a) Da promoção de um mercado públic
Pág.Página 30
Página 0031:
31 DE JULHO DE 2019 31 arrendamento habitacional, nomeadamente através de: <
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 32 6 – No âmbito do crédito à habitação não
Pág.Página 32
Página 0033:
31 DE JULHO DE 2019 33 CAPÍTULO VIII Informação, participação, associativism
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 34 Artigo 56.º Associações e organizaç
Pág.Página 34
Página 0035:
31 DE JULHO DE 2019 35 Artigo 60.º Defesa dos interesses e direitos d
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-A — NÚMERO 135 36 visam a erradicação progressiva desta cond
Pág.Página 36
Página 0037:
31 DE JULHO DE 2019 37 CAPÍTULO X Disposições finais e transitórias
Pág.Página 37