O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

20 DE NOVEMBRO DE 2019

47

e) Existe, em qualquer destas últimas situações, um défice (ou mesmo uma ausência total) de ponderação

atentatório da vertente positiva do princípio da imparcialidade, omitindo-se a tutela de tais direitos e liberdades

fundamentais, e, por essa via, operando-se uma violação do princípio da proibição do excesso na sua restrição

ou marginalização;

8. A lei impõe ainda, no seu artigo 12.º, n.º 1, alínea d), a ‘formação adequada dirigida a docentes e demais

profissionais do sistema educativo (…) tendo em vista a sua inclusão como processo de integração

socioeducativa’:

a) Estamos diante de uma solução doutrinadora típica da Revolução Cultural Chinesa – trata-se de

reeducar os quadros, segundo a lógica de Estaline acolhida por Mao Tsetung (‘Obras Escolhidas’, I, p. 492),

fazendo-os ‘compreender aquilo que é novo e criar o novo’ (Idem, III, p. 16), tendo em vista a ‘formação do

homem novo da sociedade nova’ (Enver Hoxha, p. 120);

b) Revela-se aqui um modelo totalitário de sociedade, assente na doutrinação de um pensamento único e,

por isso, contrário ao pluralismo de expressão e às liberdades de ensinar e de aprender inerentes ao Estado

de Direito democrático – até um aluno do 1.º ano de Direito, no final do 1.º semestre, saberia fazer melhor.

10. Há leis que prestigiam os seus autores e quem as promulga, não é o caso, seguramente, desta lei.»

O REQUERIMENTO DE FISCALIZAÇÃO SUCESSIVA DA CONSTITUCIONALIDADE POR PARTE DE

DEPUTADOS DO PSD E DO CDS

No dia 19 de julho de 2019, 85 Deputados do PSD e do CDS-PP requereram ao Tribunal Constitucional a

fiscalização sucessiva das «normas que enquadram a educação para a identidade e expressão de género no

ensino público e privado». E isto porque, para os proponentes, o Governo socialista foi responsável por uma

alteração legislativa que deixa o Ministério da Educação na posição de promover e incentivar

administrativamente o uso doutrinário e ideológico das questões da identidade de género nas escolas uma

flagrante violação da autonomia que lhes é conferida pela Constituição.

Se a ideologia de género, tal como qualquer outra ideologia, pode ser promovida e discutida no espaço

público democrático, a Constituição proíbe que o Estado promova no sistema de ensino a propagação de

ideologias, religiões ou doutrinas.

Trata-se, assim, da proteção da escola face às ideologias – no caso desta lei, a de género. Em causa estão

os já referidos n.os 1 e 3 do artigo 12.º da lei supracitada pois que o uso político que é dado aos chamados

«estudos de género» constitui uma ideologia pelo que a sua inclusão nos conteúdos de ensino nas escolas

portuguesas no percurso de toda a escolaridade obrigatória coloca em causa a Escola enquanto espaço «livre

de formação da personalidade, da educação para a liberdade e para a autonomia das crianças e dos jovens,

(...) de respeito pela diferença, incluindo naturalmente a diferença nas características sexuais e na identidade

de género».

O DESPACHO N.º 7247/2019

No dia 16 de agosto, o Conselho de Ministros, e mais especificamente a Secretária de Estado para a

Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, e o Secretário de Estado da Educação, João Costa publicaram o

Despacho n.º 7247/2019 que «estabelece as medidas administrativas para a implementação do previsto no n.º

1 do artigo 12.º da Lei n.º 38/2018.»

Por outras palavras, o Governo oficializa a implementação da Ideologia de Género nas Escolas.

Este despacho vem estabelecer as medidas que as escolas têm que tomar, para respeitar o «direito à

autodeterminação da identidade de género e expressão de género e o direito à proteção das características

sexuais de cada pessoa.»

Uma das medidas mais polémicas deste despacho é que as escolas são obrigadas a deixarem a criança,

de qualquer idade, escolher a casa de banho e o balneário de acordo com o seu «género».

O Conselho das Escolas, reunido ordinariamente em 31 de outubro de 2019, apreciou o Despacho n.º

7247/2019, de 16 de agosto e identificou alguns aspetos que criam constrangimentos às Escolas e são

suscetíveis de criar alarme nas comunidades educativas que servem, pelo que RECOMENDA:

Páginas Relacionadas
Página 0003:
20 DE NOVEMBRO DE 2019 3 a) .......................................................
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 17 4 sua família; o reforço dos mecanismos de com
Pág.Página 4
Página 0005:
20 DE NOVEMBRO DE 2019 5 Estas propostas reforçam direitos de maternidade e paterni
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 17 6 b) (Revogada). Artigo 25.º
Pág.Página 6
Página 0007:
20 DE NOVEMBRO DE 2019 7 de licença, bem como a atribuição da prestação, mediante c
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 17 8 Artigo 4.º Alteração ao Decret
Pág.Página 8
Página 0009:
20 DE NOVEMBRO DE 2019 9 Artigo 23.º (…) 1 – ................
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 17 10 «Artigo 45.º (…) <
Pág.Página 10
Página 0011:
20 DE NOVEMBRO DE 2019 11 6 – No caso referido no n.º 3 do artigo seguinte, o pai e
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 17 12 Os Deputados do PCP: Diana Ferreira — Paula
Pág.Página 12