O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

18 DE DEZEMBRO DE 2019

135

contrato ou por denúncia pelo locador, quando o arrendatário venha exercendo no locado atividade continuada

de atendimento ao público por cinco ou mais anos, confere a este o direito a uma indemnização pelo locador.

2 – A indemnização a que se refere o número anterior é calculada tendo em conta os seguintes fatores:

a) Os custos de transferência da atividade para novo local;

b) Os prejuízos calculados que o arrendatário tenha sofrido com a perda de clientela;

c) O valor não amortizado de obras realizadas no locado pelo arrendatário;

d) O valor a devolver pelo arrendatário, em consequência da cessação do contrato, por financiamentos

recebidos, e não utilizados, ao abrigo de programas comunitários ou nacionais;

e) O valor a suportar pelo arrendatário, em consequência direta da cessação do contrato, por

compensações ou indemnizações aos trabalhadores afetos ao locado.

3 – A parcela da indemnização a que se refere a alínea b) do número anterior é calculada da seguinte

forma:

a) se o arrendatário iniciar, nos seis meses seguintes, no mesmo município ou município limítrofe daquele

onde se situa o locado, a mesma atividade ou atividade afim da que ali desenvolvia, a indemnização

compreenderá os prejuízos que o arrendatário tenha sofrido com a perda de clientela;

b) se o arrendatário iniciar, nos 12 meses seguintes à extinção do contrato, uma diferente atividade

industrial, comercial ou de prestação de outros serviços, ou se não iniciar qualquer atividade, e o locador ou

terceiro desenvolverem no locado, no mesmo prazo, a mesma atividade ou atividade afim, a indemnização

pelo locador ao arrendatário será de valor correspondente a uma mensalidade da renda paga à data da

extinção do contrato por cada ano de duração deste, com o limite de 18 mensalidades.

4 – Considera-se atividade afim aquela que seja apta a beneficiar, ainda que só em parte, da clientela

captada pelo arrendatário com a atividade exercida no locado à data da transmissão do arrendamento.

5 – A fração da indemnização devida, nos termos da alínea a) do n.º 3, pela perda de clientela pelo

arrendatário deve ser calculada tendo por referência a que o arrendatário comprovadamente tivera no locado

nos 12 meses anteriores à extinção do contrato e a clientela comprovadamente havida no novo locado durante

os seis primeiros meses da nova atividade.

6 – Cumprido o previsto no número anterior, o arrendatário pode optar pelo recebimento de uma

mensalidade da renda paga à data da extinção do contrato por cada ano de duração deste, com o limite de 18

mensalidades.

Artigo 9.º

Obras

1 – Nos prédios objeto dos arrendamentos regulados na presente lei, podem realizar-se obras de

conservação ordinária, obras de conservação extraordinária e obras de beneficiação.

2 – São obras de conservação ordinária:

a) a reparação e limpeza geral do prédio e suas dependências;

b) as obras impostas, nos termos da lei, e que visem conferir ao prédio as características apresentadas

aquando da concessão da licença de utilização;

c) em geral, as obras destinadas a manter o prédio nas condições requeridas pelo fim do contrato e

existentes à data da sua celebração.

3 – São obras de conservação extraordinária as ocasionadas por defeito de construção do prédio ou por

caso fortuito ou de força maior, e, em geral, as que sejam imputáveis a ações ou omissões ilícitas perpetradas

pelo locador.

4 – São obras de beneficiação todas as que não estejam abrangidas pelos n.os 2 e 3.

5 – As obras de conservação ordinária e as obras de beneficiação estão a cargo do locador, salvo

estipulação contratual em contrário.

Páginas Relacionadas
Página 0130:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 130 De acordo com as disposições sobre partici
Pág.Página 130
Página 0131:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 131 Arrendamento Urbano (NRAU) fixou limites de duração dos
Pág.Página 131
Página 0132:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 132 habitação porque tal é mais do que imprová
Pág.Página 132
Página 0133:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 133 4 – Aos arrendamentos a que refere o artigo 1.º é subsid
Pág.Página 133
Página 0134:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 134 a seis anos; b) Um doze avos do pra
Pág.Página 134
Página 0136:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 136 6 – As obras de conservação extraordinária
Pág.Página 136
Página 0137:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 137 não o tiver autorizado expressamente. 8 – Não se
Pág.Página 137
Página 0138:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 138 a) falta de pagamento de renda, pro
Pág.Página 138
Página 0139:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 139 8 – Aos contratos de arrendamento que, à data da entrada
Pág.Página 139