O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 32

136

6 – As obras de conservação extraordinária estão a cargo do locador, sem prejuízo do disposto no artigo

1043.º do Código Civil.

7 – Quando o locador não realize as obras a que é obrigado, pode o arrendatário executá-las à sua custa,

apresentando ao locador um orçamento escrito do respetivo custo, que representa o valor máximo pelo qual

este é responsável.

8 – Quando, devido à urgência da realização das obras, o arrendatário suporte o seu custo, não lhe sendo

tal devido, deve o locador reembolsá-lo no prazo máximo de três meses, mediante a apresentação, pelo

arrendatário, de documentos comprovativos das despesas realizadas.

9 – Se o locador não reembolsar o arrendatário do custo de obras por si suportado nos termos do número

anterior, o arrendatário pode compensar o seu crédito, deduzindo na renda, até 70% do seu montante, as

despesas efetuadas, acrescidas dos respetivos juros, durante o tempo necessário ao seu reembolso integral.

10 – Se a compensação efetuada nos termos do número anterior não for suficiente para inteirar o

arrendatário do valor das obras que suportou, este tem o direito, findo o contrato, a ser reembolsado das

despesas inerentes à realização das obras e indemnizado pelos prejuízos sofridos com a mora, nos termos

gerais.

11 – A realização, pelo locador, de obras de beneficiação do locado não impostas por lei, por ato

administrativo ou por contrato, depois de decorridos cinco anos de execução do contrato de arrendamento, dá

ao locador o direito de atualização extraordinária da renda em valor correspondente à aplicação da taxa legal

supletiva de juros comerciais vigente à data da realização das obras ao montante nestas investido que

beneficie o locado, sem que o aumento possa exceder vinte por cento da renda vigente.

12 – Ao valor do capital investido nas obras referidas no número anterior, deve descontar-se os apoios

públicos recebidos pelo locador para a sua realização.

13 – O arrendatário não está obrigado a suportar a realização, pelo senhorio, das obras referidas no n.º 11

cuja execução possa diferir-se para o momento da cessação do contrato.

14 – A cessação do contrato de arrendamento por iniciativa do locador, nos termos do n.º 4 do artigo 7.º,

confere ao arrendatário o direito a compensação pelas obras licitamente feitas no locado, nos termos

aplicáveis às benfeitorias realizadas pelo possuidor de boa fé, independentemente do estipulado no contrato

de arrendamento e ainda que as obras não tenham sido autorizadas pelo locador.

Artigo 10.º

Transmissão da posição de arrendatário

1 – É permitida a transmissão, por ato entre vivos, da posição de arrendatário, independentemente da

autorização do senhorio:

a) no caso de trespasse de estabelecimento, acompanhado da transferência, em conjunto, das instalações,

equipamentos e outros instrumentos não perecíveis do exercício da atividade que integrem o estabelecimento

à data da transmissão;

b) a pessoa que no locado continue a exercer a mesma atividade ou atividade afim, ou a sociedade

comercial de objeto equivalente.

2 – Depende de autorização do locador o trespasse não acompanhado dos elementos referidos na alínea

a) do n.º 1, a transmissão da posição de arrendatário que vise o exercício, no locado, de outro tipo de

atividade não afim da exercida à data da transmissão ou, de um modo geral, a sua afetação a outro destino.

3 – A transmissão não autorizada da posição de arrendatário, quando o consentimento seja necessário, é

inválida.

4 – A transmissão deve ser celebrada por escrito e comunicada ao locador no prazo de 30 dias, sob pena

de ineficácia.

5 – A não comunicação da transmissão ao senhorio obriga o transmitente a indemnizar aquele, nos termos

gerais.

6 – O locador tem direito de preferência na transmissão da posição de arrendatário por venda ou dação em

cumprimento, salvo convenção em contrário.

7 – Quando, após a transmissão, seja dado outro destino ao locado, o locador pode resolver o contrato se

Páginas Relacionadas
Página 0130:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 130 De acordo com as disposições sobre partici
Pág.Página 130
Página 0131:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 131 Arrendamento Urbano (NRAU) fixou limites de duração dos
Pág.Página 131
Página 0132:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 132 habitação porque tal é mais do que imprová
Pág.Página 132
Página 0133:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 133 4 – Aos arrendamentos a que refere o artigo 1.º é subsid
Pág.Página 133
Página 0134:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 134 a seis anos; b) Um doze avos do pra
Pág.Página 134
Página 0135:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 135 contrato ou por denúncia pelo locador, quando o arrendat
Pág.Página 135
Página 0137:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 137 não o tiver autorizado expressamente. 8 – Não se
Pág.Página 137
Página 0138:
II SÉRIE-A — NÚMERO 32 138 a) falta de pagamento de renda, pro
Pág.Página 138
Página 0139:
18 DE DEZEMBRO DE 2019 139 8 – Aos contratos de arrendamento que, à data da entrada
Pág.Página 139