O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 DE MARÇO DE 2020

97

É necessário conciliar as medidas de saúde pública com medidas urgentes e eficazes que assegurem a

continuidade do funcionamento da economia. A dimensão desta crise não tem paralelo e não pode ser

resolvida dentro dos parâmetros financeiros e legais até aqui vigentes. Vai ser precisa coragem, e também

flexibilidade, para tomar medidas inéditas e vencer a crise.

Não obstante indefinições no seio do Conselho Europeu, a Comissão Europeia já deu mostras da

necessária flexibilidade ao anunciar a suspensão das regras do Tratado Orçamental e um conjunto de

programas de apoio para combater os efeitos económicos da pandemia. O Banco Central Europeu, por sua

vez, já apresentou um programa de estímulo monetário, expandindo o seu programa de compra de ativos,

bem como, do ponto de vista da regulação e supervisão bancária, relaxando as regras prudenciais aplicáveis

aos bancos.

Não é suficiente. A dimensão do desafio é tão grande, e os valores em causa tão substanciais, que é

evidente que os limites financeiros e monetários que nos regem a partir da União Europeia serão, novamente,

alterados no sentido de permitir aos Estados-membro fazer tudo o que for necessário para evitar uma

recessão prolongada no espaço europeu. Só que, desta vez, o «whatever it takes» terá de ser ainda mais

destemido e assumir outras proporções.

O Estado português terá, naturalmente, de agir em articulação com as autoridades europeias e com os

demais Estados membros da União Europeia, mas deve estar na linha da frente da exigência de medidas mais

ambiciosas, mais urgentes e menos burocratizadas. Nesta crise, o financiamento das medidas dos próximos

meses terá de vir, em boa parte, da União Europeia.

Em Portugal, o Governo tem optado por tomar medidas sobretudo de apoio à oferta, essencialmente sob a

forma de linhas de crédito sujeitas a condicionalismos burocráticos que tornam a sua utilização complexa, com

especial prejuízo para aqueles que tenham menos recursos para navegar esta complexidade.

Na opinião da Iniciativa Liberal, as medidas são insuficientes e faltam medidas direcionadas às pessoas e

aos seus rendimentos. As medidas anunciadas não garantem o mínimo de estabilidade no rendimento das

famílias e isso tem consequências gravíssimas para a economia. Para além disso, os apoios às famílias são

burocráticos e complexos: é difícil de perceber onde cada um se pode enquadrar.

Para as empresas, por seu lado, a legislação é confusa e discrimina entre os vários sectores. As linhas de

crédito podem resolver as dificuldades de liquidez de (algumas) empresas, mas não garantem que continue a

haver procura. Sem procura, sem clientes, não há receitas e sem receitas não há como repagar os

empréstimos.

É por isso necessário reunir um conjunto de medidas de aplicação urgente no curto prazo. Todas as

medidas devem, sob pena de não produzirem os efeitos desejados, possuir determinadas características

comuns:

● Serem de aplicação urgente

● Serem ambiciosas e de dimensão financeira substancial

● Serem essencialmente automáticas, sem burocracias

Assim, tendo em consideração o acima exposto, ao abrigo da alínea b) do n.º 1 do artigo 4.º do Regimento

da Assembleia da República, o Deputado único abaixo assinado da Iniciativa Liberal apresenta o seguinte

Projeto de Resolução:

Resolução

Ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, a Assembleia da República delibera

recomendar ao Governo:

- O pagamento imediato de todos os montantes de dívida vencida e vincenda por parte do Estado a

contribuintes, fornecedores ou parceiros.

Páginas Relacionadas
Página 0037:
30 DE MARÇO DE 2020 37 4 – Compete a cada câmara municipal deliberar quais são os t
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-A — NÚMERO 69 38 Nestes termos, ao abrigo da alínea b) do ar
Pág.Página 38