O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 8

32

desigualdades sociais e combater os níveis de pobreza que assolam a esmagadora maioria dos países do mundo.

Apesar da ideia relativa à atribuição de uma prestação incondicional configurar uma realidade secular, esta carece de reflexão e desenvolvimento, no sentido de poder vir a desempenhar um papel fundamental como resposta a uma conjuntura marcada pela crescente e inelutável robotização do trabalho, pelo agravamento das desigualdades sociais e pelas dificuldades de consolidação da sustentabilidade da Segurança Social.

A atribuição deste rendimento seria uma ferramenta para reduzir3 desigualdades sociais que se vêm criando ao longo das últimas décadas, desenvolvendo o envolvimento de todos os cidadãos nas respetivas comunidades onde poderiam ter uma vida digna sem a condição estigmatizante – por todos serem à partida beneficiários – de ser beneficiária de um subsídio, sendo esta prestação acumulável com outros rendimentos, sejam eles de trabalho ou não, que as pessoas já usufruam.

Ademais, eliminaria o vetor da máquina burocrática e administrativa (bem como os custos associados) relativo aos subsídios da Segurança Social de cariz mais assistencialista (tais como o Rendimento Mínimo Garantido/RMG e o Subsídio de Desemprego) e ao necessário processo de seleção dos beneficiários destas prestações sociais, importando desde já esclarecer, que a implementação deste rendimento básico não requer a diminuição do Estado social, sendo que continuaria a existir proteção social para problemas específicos tais como as incapacidades físicas, psicológicas, ou outros problemas de saúde (sendo que seja expectável que estes diminuam com o empoderamento das pessoas relativamente às suas capacidades financeiras) e que não haveria uma diminuição do rendimento por parte das pessoas que recebam prestações sociais.

Quanto à objeção da preguiça assente na previsão que o RBI levaria as pessoas a não trabalharem ou não fazerem o mínimo esforço para conseguirem trabalho, faremos alusão a vários dados empíricos4 que demonstram que a franja da população em maiores dificuldades utiliza este rendimento para melhorar as condições da sua vida e investir nas variantes académicas e profissionais.

Relativamente às pessoas com maiores qualificações e possibilidades de acesso a empregos com melhores condições, parece óbvio que estas não se contentariam apenas com um RBI. Pelo contrário, poderia fomentar o dinamismo destes que teriam uma «rede de segurança», a qual conferiria uma almofada de conforto para enveredar pelo empreendedorismo ou outros patamares.

2) Condicionalidades e armadilha da pobreza A União Europeia (UE) assumiu em 1992 o compromisso – que fosse assegurado a todas as pessoas

legalmente residentes no espaço comunitário um patamar mínimo de recursos e prestações conformes à noção europeia de dignidade humana, a fim de combater a pobreza e a exclusão social.

Por influência de uma recomendação do Conselho Europeu, foi criado no nosso país, durante o governo socialista de António Guterres, uma prestação social de apoio às pessoas com mais dificuldades e já mencionada – o RMG, o qual seria rebatizado em 1996 como Rendimento Social de Inserção (RSI).

No que concerne ao panorama europeu, as políticas sociais foram ganhando maior relevo a partir do ano de 2005 com a implementação de um plano focado na erradicação da pobreza e da exclusão social, na garantia de sistemas de pensões adequadas e sustentáveis e no acesso a cuidados de saúde e continuados de qualidade, enquadrado como Método Aberto de Coordenação (social)5.

Contudo, apenas em 2017 a UE envidou significativos esforços de convergência relativos às políticas sociais dos Estados-membros com a criação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, que visa a construção de um modelo de crescimento mais inclusivo e sustentável.

Este Pilar, onde se encontram inscritos 20 princípios fundamentais e direitos em favor da equidade e do

3 É bom lembrar que a riqueza acumulada pelo 1% da população mais rica do mundo superou a dos 99% restantes, como se pode ver, por exemplo em https://www.dinheirovivo.pt/economia/riqueza-de-1-da-populacao-superou-a-dos-restantes-99/. 4A título de exemplo, ver este artigo – https://www.economist.com/international/2013/12/12/pennies-from-heaven. 5Nesta altura já se chamava a atenção para os números da pobreza e da exclusão social na União que eram muito significativos, com mais de 68 milhões de pessoas, o equivalente a 15% da população total da EU, a viver em risco de pobreza, em 2002. As percentagens variavam entre 10% e menos na República Checa, Suécia, Dinamarca, Hungria e Eslovénia e 20% ou mais na Irlanda, Eslováquia, Grécia e Portugal – p. 5 do documento passível de visualização em http://www.enipssa.pt/documents/10180/11749/Comunica%C3%A7%C3%A3o+da+comiss%C3%A3o+ao+conselho,+ao+parlamento/fe81af33-c2d4-486b-9a07-f1929ae0d958.

Páginas Relacionadas
Página 0027:
29 DE SETEMBRO DE 2020 27 Texto final Até ao primeiro trimestre de 2021 apre
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-A — NÚMERO 8 28 outros problemas técnicos. 2 – Execute, com urgênc
Pág.Página 28