O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 18

30

IV. Análise de direito comparado V. Consultas e contributos VI. Avaliação prévia de impacto Elaborada por: Luisa Veiga Simão (DAC); Lia Negrão (DAPLEN); Cristina Ferreira e Nuno Amorim (DILP). Data: 8 de outubro de 2020. I. Análise da iniciativa

• A iniciativa Os Projetos de Lei n.os 538/XIV/2.ª e 541/XIV/2.ª, que foram apresentados, respetivamente, pelo Grupo

Parlamentar do partido das Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e pelo Partido Comunista Português (PCP), visam, fundamentalmente, assegurar a recuperação do atraso na realização das juntas médicas de avaliação de incapacidades, que se tem verificado durante este período de pandemia provocada pela COVID-19.

Fundamentando a apresentação da sua iniciativa, refere o PAN, como fator mais relevante, que «a suspensão da atividade exercida pelas juntas médicas, a mobilização dos médicos de saúde pública para o reforço do SNS em contextos hospitalares» e «ainda os reconhecidos atrasos na emissão do atestado médico de incapacidade de multiuso», vieram aumentar as dificuldades e problemas nas respostas aos utentes.

No mesmo sentido, o PCP considera que a pandemia agravou de forma considerável os atrasos no cumprimento dos prazos para a emissão de atestado médico de incapacidade multiuso, ao que acresce que estes atrasos estarão a «afetar de modo irreparável o direito às prestações sociais cuja concretização dependa da emissão do referido atestado».

Assim, o PAN propõe que sejam tomadas medidas conducentes a uma reorganização excecional das juntas médicas e que sejam padronizadas, pela Direção-Geral de Saúde, as situações clínicas com grau de incapacidade igual ou superior a 60 por cento.

Por seu lado, o PCP prevê novas medidas para a concessão do atestado médico de incapacidade multiuso, criando uma situação específica, mais célere, para os doentes oncológicos e para os trabalhadores vítimas de acidentes de trabalho, e prorrogando, até 31 de dezembro de 2021, a validade dos atestados médicos emitidos nos termos do n.º 2 do artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 202/96, de 23 de outubro, que estabelece o regime de avaliação das incapacidades das pessoas com deficiência.

• Enquadramento jurídico nacional A proteção e promoção das pessoas com deficiência encontra-se prevista no artigo 71.º da Constituição da

República Portuguesa (Constituição) cujo n.º 2 dispõe que «o Estado obriga-se a realizar uma política nacional de prevenção e de tratamento, reabilitação e integração dos cidadãos portadores de deficiência e de apoio às suas famílias, a desenvolver uma pedagogia que sensibilize a sociedade quanto aos deveres de respeito e solidariedade para com eles e a assumir o encargo da efetiva realização dos seus direitos, sem prejuízo dos direitos e deveres dos pais ou tutores.»

Para Gomes Canotilho e Vital Moreira o sentido deste preceito consiste num «duplo direito positivo face ao Estado: de um lado, um direito ao tratamento e à reabilitação da sua deficiência (n.º 2, 1.ª parte) e, do outro lado, um direito à proteção do Estado para a «efetiva realização dos seus direitos» (como diz o n.º 2, in fine)».1 «Estas modalidades de ação estadual podem ser as mais diversificadas, dentro da grande margem de liberdade deixada ao legislador, desde os subsídios e isenções fiscais até às prestações em espécie de serviços públicos (serviços de recuperação e reabilitação). E podem ir ao ponto de estabelecer preferências ou reservas de quotas para portadores de deficiência, por exemplo, quotas de emprego, de modo a estabelecer

1 J. J. Gomes Canotilho e Vital Moreira, Constituição da República Portuguesa Anotada, Volume I, Coimbra Editora, 2014, pág. 879.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
14 DE OUTUBRO DE 2020 3 PROJETO DE LEI N.º 487/XIV/1.ª (APROVA O REGIME JURÍDICO AP
Pág.Página 3
Página 0004:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 4 planos municipais de combate ao desperdício aliment
Pág.Página 4
Página 0005:
14 DE OUTUBRO DE 2020 5 5 – Anexos Anexa-se a nota técnica elaborada pelos serviço
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 6 proposto assenta na articulação entre as empresas d
Pág.Página 6
Página 0007:
14 DE OUTUBRO DE 2020 7 aquele contém a definição de «género alimentício». O Decret
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 8 todas as doações a pessoas em situação de carência,
Pág.Página 8
Página 0009:
14 DE OUTUBRO DE 2020 9 A iniciativa assume a forma de projeto de lei, em conformid
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 10 atos legislativos de estrutura semelhante. Ora, fo
Pág.Página 10
Página 0011:
14 DE OUTUBRO DE 2020 11 oportunidades comerciais e sensibilizando, a nível naciona
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 12 • insistir na prevenção das perdas e desperdícios
Pág.Página 12
Página 0013:
14 DE OUTUBRO DE 2020 13 intervenção e tornando a transição justa e inclusiva para
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 14 ITÁLIA A Lei n.º 166, de 19 agosto de 2016, relat
Pág.Página 14
Página 0015:
14 DE OUTUBRO DE 2020 15 Concretamente acerca do desperdício alimentar, a legislaçã
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 16 combater, de entre as quais se destaca a adoção de
Pág.Página 16
Página 0017:
14 DE OUTUBRO DE 2020 17 ação para uma estratégia que permita atingir essa meta em
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 18 18 âmbito do desperdício alimentar, pela alteração de
Pág.Página 18
Página 0019:
14 DE OUTUBRO DE 2020 19 social innovation – apresenta estimativas para a produção
Pág.Página 19