O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 DE OUTUBRO DE 2020

203

se, todavia, a definição de processo de acesso livre. Por outro lado, estendem-se igualmente estas regras às

profissões regulamentadas por associações públicas profissionais, assim como se proíbe expressamente a

discriminação em razão da nacionalidade ou da residência e se aprofunda o conjunto de razões tidas como de

ordem pública, segurança pública ou saúde pública, ou razões imperiosas de interesse público, sendo ainda

considerados alguns elementos obrigatórios no que concerne às profissões regulamentadas e a regulamentar.

Para além disso, estabelece-se ainda a obrigatoriedade de parecer da Direção-Geral do Emprego e Relações

de Trabalho (DGERT) e um mecanismo de avaliação de impacto sucessivo, que deverá ocorrer pelo menos

com uma periodicidade trienal. Finalmente, são também salvaguardadas as atribuições dos serviços dos

ministérios responsáveis pelas áreas do trabalho, da educação e da ciência, tecnologia e ensino superior, sem

embargo da participação de outros ministérios e de outros parceiros sociais com assento na Comissão

Permanente de Concertação Social.

O articulado da proposta de lei desdobra-se em 19 (dezanove) artigos, correspondendo os artigos 1.º e 3.º

ao objeto, âmbito e definições, os artigos 4.º a 14.º ao regime de acesso e exercício de atividades profissionais

e o artigo 15.º à norma de responsabilidade contraordenacional. O artigo 16.º integra uma disposição relativa à

cooperação administrativa no âmbito de procedimentos relativos a prestadores e profissionais provenientes de

outros Estados-Membros da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu, enquanto o artigo 17.º regula

a sua aplicação às regiões autónomas. Por fim, o artigo 18.º comporta um preceito revogatório e o artigo 19.º

fixa a entrada em vigor do diploma preconizado.

 Enquadramento jurídico nacional

A presente iniciativa visa proceder à transposição para a ordem jurídica interna da Diretiva (UE) 2018/958,

do Parlamento Europeu e do Conselho, de 28 de junho de 2018, relativa ao teste de proporcionalidade a

realizar antes da aprovação de nova regulamentação das profissões. De acordo com o artigo 1.º, a referida

diretiva visa estabelecer «regras relativas a um quadro comum para a realização de avaliações de

proporcionalidade» que os Estados-Membros deverão realizar antes de introduzirem regulamentação

profissional nova ou de alterarem a regulamentação profissional em vigor, de modo a assegurar o bom

funcionamento do mercado interno, garantindo, simultaneamente, a transparência e um elevado nível de

proteção dos consumidores». Acrescenta o artigo 2.º que as atividades contempladas deverão dizer respeito

às profissões regulamentadas abrangidas pelo âmbito de aplicação da Diretiva 2005/36/CE, do Parlamento

Europeu e do Conselho, de 7 de setembro, referente ao reconhecimento das qualificações profissionais. De

referir que as mencionadas diretivas deverão ser aplicadas de forma cumulativa.

Assim sendo, a proposta de lei1 agora apresentada vem estabelecer o regime aplicável à avaliação da

proporcionalidade prévia à adoção de disposições legislativas que limitem o acesso a profissão

regulamentada, ou a regulamentar, ou o seu exercício, abrangendo qualquer profissão ou atividade

profissional, com exceção, das profissões associadas a vínculo de emprego público e das profissões

desenvolvidas no exercício de poderes públicos concedidos por lei.

Nos termos dos n.os

4 e 5 do artigo 4.º da Diretiva (UE) 2018/958, do Parlamento Europeu e do Conselho,

de 28 de junho de 2018, a avaliação prévia de proporcionalidade deve ser justificada e proporcionada e

assentar em elementos qualitativos e, sempre que possível e pertinente, quantitativos, tendo que ser efetuada

de forma objetiva e independente. Por sua vez, o artigo 5.º prevê que, quando introduzam novas disposições

legislativas, regulamentares ou administrativas, ou alterarem disposições legislativas, regulamentares ou

administrativas em vigor que limitem o acesso às profissões regulamentadas, ou o seu exercício, os Estados-

Membros devem assegurar que essas disposições não são, direta ou indiretamente, discriminatórias em razão

da nacionalidade ou da residência.

De acordo com a exposição de motivos da iniciativa em análise, para além da proibição de discriminação

em razão da nacionalidade ou da residência, «densifica-se o elenco das razões que se consideram como

sendo de ordem pública, segurança pública ou saúde pública, ou razões imperiosas de interesse público,

alinhando-se, quanto a estas últimas, com a redação do Decreto-Lei n.º 92/2010, de 26 de julho, (versão

consolidada) que transpõe a Diretiva 2006/123/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de

1 Ver comunicado do Conselho de Ministros, de 24 de setembro de 2020.

Páginas Relacionadas
Página 0198:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 198 Escalões de proveitos relevantes (e
Pág.Página 198
Página 0199:
22 DE OUTUBRO DE 2020 199 PARTE I – Considerandos 1 – Introdução
Pág.Página 199
Página 0200:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 200 a sua aplicação às regiões autónomas. Por
Pág.Página 200
Página 0201:
22 DE OUTUBRO DE 2020 201 diplomas que são relevantes em caso de aprovação da prese
Pág.Página 201
Página 0202:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 202 Nota: O parecer foi aprovado, por unanimid
Pág.Página 202
Página 0204:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 204 dezembro, relativa aos serviços no mercado
Pág.Página 204
Página 0205:
22 DE OUTUBRO DE 2020 205  Portaria n.º 781/2009, de 23 de julho – Estabelece a es
Pág.Página 205
Página 0206:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 206 n.º 82/2017; – O Projeto de Resoluç
Pág.Página 206
Página 0207:
22 DE OUTUBRO DE 2020 207 do artigo 120.º do Regimento. A matéria sobre a qu
Pág.Página 207
Página 0208:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 208 previsto no n.º 1 do artigo 2.º da lei for
Pág.Página 208
Página 0209:
22 DE OUTUBRO DE 2020 209 A diretiva em análise, como qualquer ato legislativo da s
Pág.Página 209
Página 0210:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 210 regulamentadas – bebe inspiração da Comuni
Pág.Página 210
Página 0211:
22 DE OUTUBRO DE 2020 211  repisa no âmbito de aplicação o objeto da Direti
Pág.Página 211
Página 0212:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 212 regiões (Flandres, Bruxelas-Capital e Való
Pág.Página 212
Página 0213:
22 DE OUTUBRO DE 2020 213 linguagem discriminatória em relação ao género.
Pág.Página 213
Página 0214:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 214 Proportionality Assessment) [Em linha]: (W
Pág.Página 214
Página 0215:
22 DE OUTUBRO DE 2020 215 Neste documento considera-se que a multiplicidade de regu
Pág.Página 215
Página 0216:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 216 prestação de serviços e, iv) clarificar a
Pág.Página 216
Página 0217:
22 DE OUTUBRO DE 2020 217 de novembro, transpostas para a ordem jurídica interna at
Pág.Página 217
Página 0218:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 218 1.º, 2.º, 2.º-B, 2.º-C, 2.º-D, 2.º-F, 4.º,
Pág.Página 218
Página 0219:
22 DE OUTUBRO DE 2020 219 O n.º 3 do artigo 124.º do RAR prevê que as propostas de
Pág.Página 219
Página 0220:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 220 analise, na fase de apreciação na especial
Pág.Página 220
Página 0221:
22 DE OUTUBRO DE 2020 221 de revisão da Diretiva Qualificações Profissionais, tendo
Pág.Página 221
Página 0222:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 222 Quanto a esta matéria, o n.º 2 do a
Pág.Página 222
Página 0223:
22 DE OUTUBRO DE 2020 223 estabelecimento e da livre prestação de serviços, devido
Pág.Página 223
Página 0224:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 224 (jul./dez. 2009) p. 121-147. Cota: RP-577.
Pág.Página 224
Página 0225:
22 DE OUTUBRO DE 2020 225 RAMALHO, Maria do Rosário Palma – A Dir. 2006/123/
Pág.Página 225
Página 0226:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 226 implementaram a Diretiva 2005/36/CE, embor
Pág.Página 226
Página 0227:
22 DE OUTUBRO DE 2020 227 Diretiva (UE) 2018/958:  Deixam de estar e
Pág.Página 227
Página 0228:
II SÉRIE-A — NÚMERO 23 228 outros Estados-Membros, e devem comunicar
Pág.Página 228
Página 0229:
22 DE OUTUBRO DE 2020 229 PARTE II – Opinião do relator
Pág.Página 229