O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 DE FEVEREIRO DE 2021

11

condições técnicas que devem ser asseguradas até ao efetivo encerramento ou cessação da atividade,

devendo nesse período ser efetuado acompanhamento que verifique o cumprimento do estabelecido.

8 – A deliberação final da conferência decisória é notificada ao requerente e às entidades competentes em

função do instrumento de gestão territorial vinculativo dos particulares, servidão administrativa e restrição de

utilidade pública no prazo de cinco dias.

Artigo 11.º

Adequação e suspensão dos instrumentos de gestão territorial

1 – Nos casos de deliberação favorável ou favorável condicionada que tenha por pressuposto a

desconformidade com instrumentos de gestão territorial vinculativo dos particulares, a entidade competente

deve promover a alteração, revisão ou elaboração do instrumento de gestão territorial em causa, no sentido de

contemplar a regularização do estabelecimento ou edificação, sem prejuízo do disposto no n.º 7.

2 – A alteração, a revisão ou a elaboração dos instrumentos de gestão territorial previstos no número

anterior está sujeita a discussão pública pelo prazo de 15 dias, sem prejuízo das regras de aprovação,

publicação e depósito, nos termos do regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial em vigor, não lhe

sendo aplicáveis os demais trâmites previstos neste regime, incluindo a respetiva avaliação ambiental.

3 – A alteração, a revisão ou a elaboração dos instrumentos de gestão territorial, nos termos do número

anterior, deve, sempre que possível, contemplar todos os pedidos relativos ao mesmo concelho ou concelhos

abrangidos.

4 – A exclusão da avaliação ambiental prevista no n.º 2 apenas tem lugar nos termos previstos no n.º 1 do

artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 232/2007, de 15 de junho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 58/2011, de 4 de maio.

5 – Caso a alteração, a revisão ou a elaboração do novo plano não seja aprovada até à emissão de título

definitivo, pode ser determinada a suspensão do instrumento de gestão territorial vinculativo dos particulares e

decretadas medidas preventivas nos termos do regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial.

6 – A incidência territorial da suspensão, bem como as disposições a suspender, são obrigatoriamente

identificadas na deliberação final da conferência decisória e devem restringir-se ao estritamente necessário por

forma a permitir, consoante o caso, a manutenção do estabelecimento ou da instalação ou a sua alteração ou

ampliação, bem como a adoção das medidas corretivas e de minimização fixadas.

7 – A promoção da alteração, revisão ou elaboração de planos especiais de ordenamento do território

pode ser recusada por decisão fundamentada do membro do Governo competente, a proferir no prazo de 30

dias após a sua notificação da deliberação final da conferência decisória, sujeita a publicação na 2.ª série do

Diário da República e a publicitação no sítio na Internet da entidade respetiva, sem prejuízo das demais

garantias dos administrados aplicáveis.

Artigo 12.º

Servidões administrativas e restrição de utilidade pública

1 – Quando tenha por fundamento a necessidade de ato permissivo previsto no regime legal de uma

servidão administrativa ou de uma restrição de utilidade pública, a deliberação favorável ou favorável

condicionada integra a prática desse ato permissivo, sem prejuízo do disposto no n.º 2 do artigo anterior.

2 – Nos casos de deliberação favorável ou favorável condicionada que tenha por fundamento a

necessidade de alteração da delimitação de servidão administrativa ou de restrição de utilidade pública, a

entidade competente, após a notificação, promove o respetivo procedimento de alteração.

3 – Nos casos em que a alteração da delimitação da servidão administrativa e restrição de utilidade

pública não seja promovida pelas entidades responsáveis até ao termo do prazo para ser requerido o título

definitivo, a deliberação favorável, ou favorável condicionada, constitui fundamento bastante para o

reconhecimento de relevante interesse público previsto no artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 166/2008, de 22 de

agosto, alterado pelos Decretos-Leis n.os

239/2012, de 2 de novembro, 96/2013, de 19 de julho, 80/2015, de

14 de maio, e 124/2019, de 28 de agosto, no artigo 25.º do Decreto-Lei n.º 73/2009, de 31 de março, alterado

pelo Decreto-Lei n.º 199/2015, de 16 de setembro, e demais atos previstos nos regimes jurídicos de outras

servidões administrativas ou restrições de utilidade pública, que sejam da competência de membros do

Páginas Relacionadas
Página 0005:
22 DE FEVEREIRO DE 2021 5 PROJETO DE LEI N.º 698/XIV/2.ª DEFINE O REGIME TRA
Pág.Página 5
Página 0006:
II SÉRIE-A — NÚMERO 81 6 Capítulo I Artigo 1.º O
Pág.Página 6
Página 0007:
22 DE FEVEREIRO DE 2021 7 Capítulo II Procedimento de legalização
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-A — NÚMERO 81 8 utilização provisória dos edifícios ou para
Pág.Página 8
Página 0009:
22 DE FEVEREIRO DE 2021 9 se concluir pela desconformidade do pedido ou respetivos
Pág.Página 9
Página 0010:
II SÉRIE-A — NÚMERO 81 10 presença, sem prejuízo das normas legais e
Pág.Página 10
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 81 12 Governo. Artigo 13.º L
Pág.Página 12
Página 0013:
22 DE FEVEREIRO DE 2021 13 Capítulo IV Fiscalização, monitorização e avaliaç
Pág.Página 13