O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 100

34

1 – Proceda a uma campanha institucional que publicite a importância do setor das flores e plantas naturais

na economia nacional e que promova o consumo regular dos seus produtos;

2 – Crie mecanismos de apoio adequados à especificidade desta atividade económica.

Palácio de São Bento, 19 de março de 2021.

As Deputadas e os Deputados do PS: João Azevedo Castro — José Manuel Carpinteira — Francisco Rocha

— Ana Passos — Santinho Pacheco — Sofia Araújo — Francisco Pereira Oliveira — Clarisse Campos — Joana

Bento — Manuel dos Santos Afonso — João Miguel Nicolau — Olavo Câmara — Norberto Patinho — Sara Velez

— José Rui Cruz — Marta Freitas — Palmira Maciel — Cristina Sousa — Anabela Rodrigues — Romualda

Fernandes — Susana Correia — Lúcia Araújo Silva — Alexandra Tavares de Moura — Telma Guerreiro —

Hortense Martins — Cristina Mendes da Silva — Rita Borges Madeira — Nuno Fazenda — Sílvia Torres —

Susana Amador — Martina Jesus — Jorge Gomes — Filipe Pacheco — Vera Braz — Maria Joaquina Matos —

Pedro Sousa — João Paulo Pedrosa.

———

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1124/XIV/2.ª

RECOMENDA AO GOVERNO QUE DÊ CONTINUIDADE AO APOIO À PRODUÇÃO CULTURAL E À

CRIAÇÃO ARTÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E DE

DIFERENCIAÇÃO TURÍSTICA DO ALGARVE

O desejo de cultura, assim como o desejo de viajar, é nos dias de hoje cada vez maior.

Sair da «nossa casa» e entrar na «casa do outro» parece ser a resposta à padronização das cidades por

efeito da globalização e da banalização das rotinas do quotidiano. A cultura e a criação artística como fatores

disruptivos da massificação dos produtos surge nos tempos modernos como um fator distintivo e capaz de tornar

um determinado território diferente do outro.

Esta é a razão pela qual a cultura constitui hoje um trunfo importante para o desenvolvimento turístico e o

principal elemento de singularidade para atrair a determinado espaço mais e novos visitantes. Dar a um destino

uma marca própria é sem dúvida um dos maiores fatores de competitividade e sucesso de uma determinada

região turística.

O Algarve, maior destino turístico português, tanto em número de camas, como em número de visitantes e

receitas, tem desde sempre no sol e na praia os seus maiores fatores de atração turística, mas ao longo dos

anos, fruto da concorrência internacional e do desejo de manter-se como um destino líder foi desenvolvendo

outros «produtos» e outras «experiências» turísticas.

O golfe, onde já é hoje considerado o melhor destino do mundo, a natureza e a observação de aves, tirando

partido do clima, da posição geográfica face a rotas migratórias e da existência de um conjunto de zonas

húmidas, ria Formosa, ria de Alvor, Sapal de Castro Marim, lagoa dos Salgados, Paúl de Lagos, entre outras,

de incontestável beleza e riqueza ao nível de biodiversidade, uma serra mediterrânea, cujos percursos pedestres

começam hoje a ser um potencial económico para as populações do interior da região e, claro, as atividades

ligadas ao mar, com especial relevo a náutica marítima de recreio, onde dispõe de quatro grandes marinas:

Vilamoura, Lagos, Portimão e Albufeira e vários portos de recreio desde Sagres a Vila Real de Santo António.

Paralelamente, o Algarve foi também pioneiro no desenvolvimento e promoção de um conjunto de eventos

de grande escala como meio alternativo e complementar de atrair visitantes durante um certo período de tempo.

São disso, exemplo maior, com carácter periódico e regular, o master de golfe e o Campeonato Mundial Equestre

de Saltos de Obstáculos, duas provas desportivas de dimensão internacional que se realizam no Algarve

ininterruptamente há 12 anos, assegurando visitantes numa época de menor procura.

Páginas Relacionadas
Página 0011:
19 DE MARÇO DE 2021 11 CAPÍTULO VII Estatuto Profissional
Pág.Página 11
Página 0012:
II SÉRIE-A — NÚMERO 100 12 este passou a ter uma expressão massiva, c
Pág.Página 12
Página 0013:
19 DE MARÇO DE 2021 13 duração do trabalho é fundamental. Curiosamente, o Código do
Pág.Página 13
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 100 14 os trabalhadores. Não se trata de «incenti
Pág.Página 14
Página 0015:
19 DE MARÇO DE 2021 15 exercido no domicílio, impedindo a qualificação de acidentes
Pág.Página 15
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 100 16 n) […]; o) Teletrabalho e trabalho
Pág.Página 16
Página 0017:
19 DE MARÇO DE 2021 17 f) […]; g) Indicação da periodicidade das deslocações
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 100 18 Artigo 170.º Privacidade de
Pág.Página 18
Página 0019:
19 DE MARÇO DE 2021 19 a) […]; b) […]; c) (Revogada.) <
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 100 20 trabalhador em regime de teletrabalho ou d
Pág.Página 20