O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-A — NÚMERO 172

112

Artigo 21.º

Podas

1 – A poda de árvores classificadas como de interesse público ou municipal ou igualmente pertencentes a

espécies protegidas, que por força de lei já carece de autorização do ICNF ou dos municípios, apenas é

permitida por motivos de segurança, por necessidade de promover a sua coabitação com os constrangimentos

envolventes ou quando vise melhorar as suas caraterísticas, não provocando a perda da sua forma natural.

2 – Excecionando-se os casos pontuais de necessária e urgente intervenção, a poda, seja ela de formação,

manutenção ou de reestruturação, é realizada na época adequada aos objetivos definidos e de acordo com o

guia de boas práticas.

3 – Para além das podas de formação feitas essenciais para a boa estruturação das jovens árvores e para a

sua adequação precoce aos condicionantes do ambiente urbano, as podas de manutenção das árvores adultas

só devem ocorrer quando haja risco de o arvoredo provocar danos na sua envolvente, designadamente em

pessoas, vegetação, estruturas construídas e outros bens, quando haja necessidade de promover a sua

coabitação com as estruturas urbanas envolventes ou em casos de gestão tradicional do arvoredo em questão,

nomeadamente as podas em porte condicionado, realizadas regularmente para controlo do crescimento das

árvores implantadas em situações de elevado constrangimento ou para manutenção dos objetivos estéticos que

presidiram à escolha do modelo de condução seguido.

4 – As necessidades de poda de árvores são avaliadas pelos municípios ou pelo ICNF conforme a

competência e classificação do exemplar.

Artigo 22.º

Transplantes

Do pedido de transplante de árvores deve constar a sua justificação e todas as medidas a adotar

relativamente ao mesmo.

Artigo 23.º

Abate

1 – O abate de espécimes arbóreos vivos em domínio público municipal e domínio privado do município ou

em domínio do Estado, só deve ocorrer quando haja perigo potencial e comprovado por análise biomecânica

e/ou de fitossanidade, elaborada por técnico com formação prevista na presente lei, de o arvoredo existente

provocar danos na sua envolvente, designadamente em pessoas, vegetação, estruturas construídas e outros

bens.

2 – Sem prejuízo do disposto no número anterior, o abate pode ainda ocorrer, mediante fundamentação e

cumpridos os requisitos da presente lei, quando as árvores em causa:

a) constituam comprovadamente uma ameaça para pessoas e bens;

b) afetem incontornavelmente a mobilidade urbana ou as estradas nacionais, se não existirem alternativas

viáveis à sua manutenção;

c) apresentem comprovadamente baixa vitalidade e fraca condição fitossanitária, havendo vantagens em

apostar na sua substituição por árvores saudáveis, de espécies eventualmente mais adequadas às condições

edafoclimáticas e de espaço existentes, constituindo um investimento para as gerações futuras, avaliado

mediante com a aplicação do sistema de valoração de árvores em vigor.

3 – Os abates só serão executados após autorização da autoridade competente, com exceção de casos

urgentes, onde a(s) árvore(s) possa(m) constituir perigo para a segurança de pessoas, animais e bens.

Artigo 24.º

Proibições

1 – Tendo por base a presente lei, não é permitido:

Páginas Relacionadas
Página 0114:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 114 juntas de freguesia e demais organismos d
Pág.Página 114
Página 0115:
21 DE JULHO DE 2021 115 PROJETO DE LEI N.º 784/XIV/2.ª [REVOGAÇÃO DO CONCEIT
Pág.Página 115
Página 0116:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 116 Artigo 1.º do Projeto de Lei n.º 770/XIV/
Pág.Página 116
Página 0117:
21 DE JULHO DE 2021 117 aditamento, a final, apresentada pelo PSD «(…) para estacio
Pág.Página 117
Página 0118:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 118 GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP GP P
Pág.Página 118
Página 0119:
21 DE JULHO DE 2021 119 Rejeitado GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP
Pág.Página 119
Página 0120:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 120 GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP GP P
Pág.Página 120
Página 0121:
21 DE JULHO DE 2021 121 • Votação ao artigo 2.º do Projeto de Lei n.º 784/XI
Pág.Página 121
Página 0122:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 122 GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP GP P
Pág.Página 122
Página 0123:
21 DE JULHO DE 2021 123 GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP GP PAN GP PEV A
Pág.Página 123
Página 0124:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 124 GP PS GP PSD GP BE GP PCP GP CDS-PP GP P
Pág.Página 124
Página 0125:
21 DE JULHO DE 2021 125 (euro) 30 a (euro) 150. 10 – (Anterior n.º 9.) <
Pág.Página 125
Página 0126:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 126 1 do artigo 4.º do Regimento da Assemblei
Pág.Página 126
Página 0127:
21 DE JULHO DE 2021 127 b) .......................................................
Pág.Página 127
Página 0128:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 128 c) «Pernoita», a permanência de autocarav
Pág.Página 128
Página 0129:
21 DE JULHO DE 2021 129 C9 – .....................................................
Pág.Página 129
Página 0130:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 130 H16a – .................................
Pág.Página 130
Página 0131:
21 DE JULHO DE 2021 131 Palácio de São Bento, 15 de julho de 2021. As
Pág.Página 131
Página 0132:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 132 na sua redação atual, compete à autoridad
Pág.Página 132
Página 0133:
21 DE JULHO DE 2021 133 Decreto Regulamentar n.º 22-A/98, de 1 de outubro, que visa
Pág.Página 133
Página 0134:
II SÉRIE-A — NÚMERO 172 134 b) .....................................
Pág.Página 134