O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 DE MARÇO DE 2023

65

considerar como prioritários em matéria de produção nacional de medicamentos.

Assembleia da República, 22 de março de 2023.

Os Deputados do PCP: João Dias — Paula Santos — Alma Rivera — Bruno Dias — Duarte Alves — Manuel

Loff.

———

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 562/XV/1.ª

RECOMENDA AO GOVERNO QUE TOME MEDIDAS DECISIVAS NO COMBATE À INFLAÇÃO

A inflação voltou a ser um tema central das vidas de todos nós. O aumento dos preços que se tem verificado,

em particular em bens essenciais, tem um impacto profundo na vida dos nossos concidadãos. No passado dia

16 de março, a DECO Proteste anunciou que o preço do cabaz dos bens alimentares voltou a atingir um máximo

histórico, ao cifrar-se nos 235 euros, representando um aumento de 27,89 % face ao dia 23 de fevereiro de 2022

(véspera da invasão da Ucrânia por parte da Rússia) e um aumento de 22,58 % face ao período homólogo (16

de março de 2022)6. Os bens alimentares em que a inflação mais se tem feito sentir são as frutas, os legumes

e o peixe, todos eles parte basilar da dieta mediterrânica característica do nosso País. Além disso, a inflação

também se tem feito sentir no setor energético, que era, até há bem pouco tempo, o motor da escalada dos

preços (inflação homóloga de 20,8 % em dezembro de 2022, posteriormente descendo para 7,1 % em janeiro7),

tendo, apenas recentemente, sido substituído neste papel pelo dos bens alimentares. O aumento dos preços

generalizado — com particular incidência nos dois setores já mencionados — configurou uma variação média

anual no índice de preços do consumidor, de 7,8 %, para o ano de 20228.

Todos estes dados ilustram a subida de preços generalizada que se tem feito sentir no nosso quotidiano e

cujos impactos devemos procurar atenuar.

Um dos problemas centrais para combater os efeitos da inflação que se tem feito sentir prende-se com não

haver na memória viva de nenhuma crise inflacionária como esta e as respostas serem pensadas com base nas

crises inflacionárias mais recentes, que são precisamente as que estão mais presentes na nossa memória

coletiva. Desde antes do início da invasão da Ucrânia e até há bem pouco tempo, o Governo comparava esta

crise inflacionária com a dos anos 70, crise essa que culminou com juros altos e com uma recessão. Foi preciso

esperar quase um ano, desde o início da guerra no leste europeu, para ver o Governo a corrigir a sua posição

e a perceber que a inflação que vivemos tem as suas principais causas do lado da oferta, acentuadas e

perpetuadas pela própria guerra.

Até aqui, o Governo já chegou. Falta dar o passo seguinte. Se estamos perante uma inflação do lado da

oferta, e em tempo de guerra no continente europeu, urge tomar medidas que sirvam para combater esta inflação

com estas características específicas. Neste sentido, as comparações históricas devem ser feitas com a inflação

dos anos 30 e 40 do século XX, décadas que ficaram marcadas pelos eventos da Segunda Guerra Mundial.

Medidas que foram implementadas na altura devem servir de inspiração para a crise que vivemos atualmente,

como, por exemplo, o controlo de preços através da fixação de margens de lucro máximas, à imagem do que

foi feito na pandemia com as máscaras, o álcool gel e outros bens essenciais em contexto pandémico.

Mas mais coisas podiam ser feitas para combater a inflação. Durante a pandemia da COVID-19 foi-nos dito

pelos nossos governantes, não raras vezes, que tínhamos de nos comportar perante a pandemia como se

perante uma guerra estivéssemos. Agora, no momento em que estamos com uma guerra em pleno continente

europeu, exige-se que façamos pelo menos o que fizemos durante a pandemia.

As reuniões do INFARMED foram, em tempos de pandemia, importantes momentos de definição de

prioridades de políticas públicas e de comunicação ao País dessas mesmas políticas. Agora que atravessamos

6 Quanto estão a aumentar os alimentos? – DECO PROTESTE 7 Inflação desce para 8,4 % em janeiro, com ajuda da eletricidade – Expresso 8 Portal do INE

Páginas Relacionadas
Página 0061:
22 DE MARÇO DE 2023 61 Portugal fosse um dos países mais seguros do mundo e que, por
Pág.Página 61
Página 0062:
II SÉRIE-A — NÚMERO 189 62 consubstanciando uma mais-valia para os obje
Pág.Página 62
Página 0063:
22 DE MARÇO DE 2023 63 resistência que alguns países europeus demonstraram em não con
Pág.Página 63