O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

2 | II Série B - Número: 105 | 17 de Abril de 2010

VOTO N.º 37/XI (1.ª) DE PESAR PELA MORTE DO PRESIDENTE DA POLÓNIA E DEMAIS VÍTIMAS DO DESASTRE AÉREO EM SMOLENSK

No passado dia 10 de Abril de 2010, o mundo recebeu com profunda consternação a notícia da morte do Presidente polaco, Lech Kaczynzki, e sua mulher, além do desaparecimento de inúmeras personalidades políticas, militares e religiosas da Polónia, num desastre aéreo perto de Smolensk, no Oeste da Rússia, que vitimou 96 pessoas. A catástrofe, que enlutou a Polónia, vitimou, nomeadamente, o vice-presidente do Parlamento polaco Jerzego Szmajdzinski e vários outros deputados, que integravam a comitiva presidencial.
A delegação polaca deslocava-se a uma cerimónia que assinalaria o 70.º aniversário em memória das vítimas do massacre de Katyn, num quadro de reconciliação histórica com a Rússia e com as memórias mais dolorosas entre os dois povos.
A comunidade internacional expressou de imediato a sua dor e solidariedade para com o povo polaco tendo o Presidente da República de Portugal e o Primeiro-Ministro manifestado publicamente, em nome do País, profundo pesar pelo falecimento de figuras de primeira grandeza da Polónia.
Assim, a Assembleia da República, na sequência dos telegramas de condolências remetidos pelo seu Presidente aos Presidentes do Senado e do Sejm: Manifesta o seu profundo pesar e consternação pela morte do Presidente Lech Kaczynzki, dos deputados e autoridades que o acompanhavam, e das demais vítimas do desastre aéreo de Smolensk, exprime a sua solidariedade com a dor e o luto da Polónia e endereça as suas sentidas condolências ao povo polaco, às famílias das vítimas e às entidades políticas, militares e religiosas da Polónia.

Palácio de São Bento, 13 de Abril de 2010.
Os Deputados: José Ribeiro e Castro (CDS-PP) — Maria Paula Cardoso (PSD) — Paulo Pisco (PS) —
Mendes Bota (PSD) — José Cesário (PSD) — Carlos Alberto Gonçalves (PSD) — José Manuel Pureza (BE) — Conceição Casa Nova (PS) — José de Bianchi (PS) — Teresa Damásio (PS) — Filipe Lobo d'Ávila (CDSPP) — Teresa Damásio (PS).

———

VOTO N.º 38/XI (1.ª) DE PESAR PELA MORTE DO JORNALISTA ANÍBAL ARAÚJO

Aníbal Araújo faleceu no passado dia 3 de Abril, depois de prolongada doença.
Sem qualquer dúvida que se tratava de uma das mais autorizadas e distintas vozes da imprensa regional portuguesa.
Fundador e proprietário de títulos como A Voz de Azeméis e a revista Portugal, em Oliveira de Azeméis, a Tribuna Press, em Ovar, e o Notícias de Cambra e a Voz de Cambra, em Vale de Cambra, há muito que se tornou numa presença incontornável no panorama da comunicação social portuguesa.
Ainda neste âmbito, fundou e presidiu à UNIR – União Portuguesa da Imprensa Regional, tendo, através da mesma, desenvolvido uma luta frontal contra a eliminação do «porte pago», para além de ter promovido diversos e bem significativos congressos e encontros deste sector da nossa imprensa.
Mas Aníbal Araújo assumiu-se igualmente como uma importante referência para a nossa diáspora.
A criação do Prémio «Prestígio e Dedicação – Comunidades Portuguesas» tornou Oliveira de Azeméis um ponto de encontro de portugueses das mais variadas origens que o reconheciam como um dos seus.
Foi também devido à sua vida profissional e à acção em prol das nossas comunidades que foi alvo de inúmeras homenagens ao longo da sua vida, tendo-lhe sido recentemente atribuída a Comenda da Ordem de Mérito da República Portuguesa, por parte de S. Ex.ª o Presidente da República, para além de outras condecorações da Assembleia Legislativa da Paraíba e da Câmara Municipal de João Pessoa, no Brasil.

Páginas Relacionadas