O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

26 DE JULHO DE 2014

3

VOTO N.º 203/XII (3.ª)

VOTO DE CONDENAÇÃO DA OFENSIVA ISRAELITA EM GAZA

O Governo de Israel decidiu, uma vez mais, lançar um ataque aéreo contra a Faixa de Gaza. Até ao

momento contabilizam-se 76 pessoas mortas, na sua maioria civis e, entre estas, cinco crianças. Mais de 360

bombardeamentos destruíram alvos civis, na sua maioria habitações familiares, e mais de meia centena de

pessoas foram feridas.

Segundo as próprias autoridades israelitas, é apenas o princípio de mais um capítulo de crimes contra o

povo palestiniano. O Governo de Israel mobiliza 40.000 reservistas para uma provável operação terrestre na

faixa de Gaza. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu já avisou, inclusive, que o país se prepara para uma

campanha militar que não será de apenas alguns dias.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas agendou para hoje uma reunião para analisar esta escalada

de violência. O secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon pediu já para se evitar a espiral de violência.

São os civis quem paga o preço destes ataques, com as vidas perdidas, famílias destroçadas, habitações

destruídas e território ocupado. Tiram-lhes a vida pela morte individual e roubam o país às palestinianas e aos

palestinianos sobreviventes. Nem ao luto, nem à esperança é dada a merecida paz.

A vista desarmada vê-se o recuo das fronteiras palestinianas perante os ataques do Estado de Israel. E

desde as restrições ao acesso à água, passando pelas revistas frequentes a civis da Palestina por parte de

militares de Israel, o quotidiano é uma guerra permanente, que agora apenas sobe de tom.

A Assembleia da República não pode ficar silenciada' perante os ataques israelitas e perante a morte de

inocentes.

Assim, a Assembleia da República, reunida em plenário, aos dez dias de julho de 2014, a Assembleia da

República condena veementemente a investida militar de Israel contra a Palestina, expressa as condolências

às famílias da vítimas e apela ao imediato restabelecimento da paz na região.

Assembleia da República, 10 de julho de 2014.

As Deputadas e os Deputados do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares — Helena Pinto — Cecília

Honório — Catarina Martins — Mariana Mortágua — Luís Fazenda — João Semedo — Mariana Aiveca.

—————

VOTO N.º 204/XII (3.ª)

DE CONDENAÇÃO DA ESCALADA DE VIOLÊNCIA NO MÉDIO ORIENTE

Israel e Palestina voltaram a conhecer uma escalada de violência nos últimos dias que, além do sofrimento,

perda de vidas e destruição que provocam, prejudicam cada vez mais a possibilidade de concretizar a solução

de dois Estados, em paz e em segurança ao lado um do outro, que tem sido o desejo generalizado da

comunidade internacional e de todos os Israelitas e Palestinianos empenhados na paz.

Nas últimas semanas, depois do rapto e morte de três adolescentes israelitas às mãos de radicais

islâmicos, verificou-se a ocorrência de atos de violência na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental em retaliação,

praticados por grupos extremistas israelitas.

Estes factos constituíram um rastilho para novos atos de violência gratuita, numa região já

permanentemente fustigada, e que inevitavelmente geram feridos e perda de vidas humanas, nomeadamente

civis, o que contribui para aumentar a conflitualidade e distanciar-nos da paz desejada.

Importa, pois, condenar todos aqueles que, com o retomar do caminho da violência, abrem caminho a

reações extremistas e desproporcionados e trazem de volta o desrespeito pela vida humana e a escalada de

danos a um conflito complexo e que precisa de espaço para as vozes da moderação e paz se afirmarem.

Páginas Relacionadas
Página 0007:
26 DE JULHO DE 2014 7 Palácio de S. Bento, 25 de julho de 2014. <
Pág.Página 7
Página 0008:
II SÉRIE-B — NÚMERO 60 8 desagregação do território palestino, concre
Pág.Página 8