O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-B — NÚMERO 54

2

VOTO N.º 340/XIII (2.ª)

DE CONGRATULAÇÃO PELA CLASSIFICAÇÃO DE CASTRO VERDE COMO RESERVA DA

BIOSFERA DA UNESCO

No passado dia 14 de junho, na sede da UNESCO, em Paris, o Conselho Internacional de Coordenação do

Programa O Homem e a Biosfera (Man and the Biosphere — MaB) classificou Castro Verde como Reserva da

Biosfera da UNESCO.

Ecossistema humanizado de alto valor natural, situado no distrito de Beja, Castro Verde é a 11.ª Reserva da

Biosfera e a primeira a sul do Tejo, em Portugal, classificada como área territorial de proteção dos recursos

naturais.

Ao longo das últimas décadas, a aposta na preservação da biodiversidade e dos valores naturais, culturais

e paisagísticos, conferiram a Castro Verde uma diversidade única e específica, e permitiram criar uma identidade

que é a marca do concelho.

A vitória desta candidatura, promovida pela Câmara Municipal de Castro Verde, pela Associação de

Agricultores do Campo Branco e pela Liga para a Proteção da Natureza, veio assim reconhecer a forma de ser

e de estar deste território, onde impera a harmonização entre a atividade agrícola e a conservação da paisagem

e da natureza.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, congratula-se com a classificação de Castro Verde

como Reserva da Biosfera da UNESCO.

Lisboa, 16 de junho de 2017.

Os Deputados do CDS-P, Nuno Magalhães — Patrícia Fonseca — Telmo Correia — Cecília Meireles —

Hélder Amaral — João Rebelo — João Pinho de Almeida — Filipe Lobo D' Ávila — Pedro Mota Soares —

Assunção Cristas.

________

VOTO N.º 341/XIII (2.ª)

DE PESAR PELAS VÍTIMAS DOS INCÊNDIOS QUE ATINGIRAM O PAÍS

O incêndio que deflagrou em Pedrogão Grande na tarde do passado sábado teve consequências trágicas

que afetaram os concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos, Pampilhosa da

Serra, Góis, Ansiães e Alvaiázere e abalaram todo o País.

Até ao momento morreram 64 pessoas e outras 204 ficaram feridas, algumas das quais em estado grave.

Estamos a falar do maior incêndio desde que há registos no País, tendo já ardido cerca de 30 mil hectares

de área florestal.

Lamentavelmente, esta é também a maior tragédia humana provocada por fogos florestais em Portugal.

Os nossos primeiros pensamentos estão, pois, com as famílias enlutadas, a quem transmitimos, em nome

do povo que representamos, a nossa mais profunda solidariedade.

É nos momentos de dor que se vê a coesão das comunidades nacionais. Portugal e os Portugueses estão a

demonstrar força, generosidade e entreajuda.

Ao mesmo tempo, a Assembleia da República está solidária com o esforço dos Bombeiros, da Proteção Civil,

das Forças Armadas e das Forças e Serviços de Segurança, bem como das Autoridades Municipais e da

Segurança Social no terreno.

Páginas Relacionadas
Página 0005:
23 DE JUNHO DE 2017 5 VOTO N.º 344/XIII (2.ª) DE CONGRATULAÇÃO PELA CLASSIFI
Pág.Página 5