O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE JULHO DE 2017

39

Artigo 9.º

(…)

1- As participações sociais detidas pela Carris em entidades terceiras, e a participação desta em

Agrupamento Complementar de Empresas, identificadas no anexo ii ao presente decreto-lei, que dele faz parte

integrante, passam a ser diretamente detidas pelo município de Lisboa, derrogando qualquer cláusula

contratual em contrário.

2- Nos termos do número anterior, a Carris procederá à integração na sua estrutura empresarial de

todos os serviços e trabalhadores relacionados com a atividade de transporte público na cidade de

Lisboa, no âmbito das sociedades detidas a 100% pela Carris, nomeadamente Carristur e CarrisBus,

salvo o disposto no número seguinte.

3- O município de Lisboa manterá em condições de funcionamento autónomo, semelhantes às

existentes, o serviço de turismo em autocarros panorâmicos e em elétricos de turismo, que deve

continuar a ser prestado sob o naming de Carristur.

4- Enquanto autoridade de transportes, o município de lisboa tomará as decisões, nos prazos que

forem considerados mais apropriados, que conduzam ao encerramento da participação da Carris nas

sociedades onde detém participações no capital, tais como a Publicarris - Publicidade na Companhia

Carris de Ferro de Lisboa, S.A. (45%), a OPT, Optimização e Planeamento de Transportes, S.A (7%) e a

OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa (Agrupamento Complementar de Empresas –

14%).

Artigo 10.º

Articulação no exercício de competências das autoridades de transportes

1- O Estado e o município de Lisboa exercem de forma articulada as suas competências de autoridade de

transportes, ao abrigo do disposto nos n.º 1 e 2 do artigo 10.º do RJSPTP, designadamente com vista a garantir

a concertação das decisões de planeamento estratégico e de investimentos nas redes de transporte da Carris

e do Metropolitano de Lisboa, E. P. E., da oferta de transporte, da integração dos sistemas de bilhética e de

informação ao público e, bem assim, com vista a garantir estabelecimento de modelos de financiamento da

exploração das redes de transporte da região metropolitana de Lisboa.

2 – Para o adequado cumprimento das competências do número anterior e o reforço da participação

dos vários atores políticos e sociais que podem ter intervenção no planeamento e gestão da rede da

Carris no contexto da região, bem como no reforço da intermodalidade com os vários operadores de

transporte que confinam com a rede Carris em modo autocarro e em modo elétrico, será

operacionalizado um Conselho Geral Consultivo na Carris, com funções consultivas, com representação

direta das várias entidades referidas anteriormente, designadamente dos municípios da região

diretamente servidos pela rede da Carris, nos termos do número seguinte.

3 – O Conselho Geral Consultivo da Carris será constituído por representantes dos seguintes órgãos

e entidades:

a) Um representante do município de Lisboa, que preside;

b) Um representante de cada município onde a empresa oferece serviço de transporte, a saber:

Loures, Odivelas, Amadora, Oeiras e Almada;

c) Um representante do Metropolitano de Lisboa, EPE;

d) Um representante da Área Metropolitana de Lisboa;

e) Um representante da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes;

f) Um representante designado pela comissão de trabalhadores da empresa;

g) Um representante de cada organização sindical representativa dos trabalhadores da empresa,

designados pelas próprias, até ao limite de três;

h) Um representante das Comissões de Utentes dos transportes da Carris, designado pela respetiva

assembleia geral;

i) Um representante das associações de defesa dos consumidores, a ser designado pela DECO.

4 – Compete ao conselho consultivo pronunciar-se sobre:

Páginas Relacionadas
Página 0026:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 26 Artigo 7.º Norma transitória
Pág.Página 26
Página 0027:
7 DE JULHO DE 2017 27 Artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 86-D/2016 –“Objeto” <
Pág.Página 27
Página 0028:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 28 Proposta de aditamento de um artigo
Pág.Página 28
Página 0029:
7 DE JULHO DE 2017 29  Votação da proposta de aditamento de um n.º 3 ao artigo 7.º
Pág.Página 29
Página 0030:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 30  Votação da proposta de alteração d
Pág.Página 30
Página 0031:
7 DE JULHO DE 2017 31  Votação da proposta de aditamento de um n.º 3 ao art
Pág.Página 31
Página 0032:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 32  Votação da proposta de aditamento
Pág.Página 32
Página 0033:
7 DE JULHO DE 2017 33  Votação da proposta de aditamento de um n.º 4 ao art
Pág.Página 33
Página 0034:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 34 Artigo 13.º do Decreto-Lei n.º 86-D/
Pág.Página 34
Página 0035:
7 DE JULHO DE 2017 35 b) […]; c) […]; d) A salvaguarda dos direitos d
Pág.Página 35
Página 0036:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 36 a) Um representante do Conselho de administ
Pág.Página 36
Página 0037:
7 DE JULHO DE 2017 37 c) O regime de intransmissibilidade das ações representativas
Pág.Página 37
Página 0038:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 38 k) Um representante da Direção Geral do Con
Pág.Página 38
Página 0040:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 40 a) Planos estratégicos e de desenvolvimento
Pág.Página 40
Página 0041:
7 DE JULHO DE 2017 41 desta rede não pode deixar de ser considerada. Daí a razão da
Pág.Página 41
Página 0042:
II SÉRIE-B — NÚMERO 58 42 Acresce ainda ao presente conjunto de propo
Pág.Página 42
Página 0043:
7 DE JULHO DE 2017 43 Artigo 8.º Governação, gestores e trabalhadores
Pág.Página 43