O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

25 DE JULHO DE 2020

7

PROJETO DE VOTO N.º 295/XIV/1.ª DE PESAR PELA MORTE DOS BOMBEIROS JOSÉ AUGUSTO DIAS E ANDRÉ PEDROSA

José Augusto Dias, de 55 anos, perdeu a vida no passado dia 11 de julho a combater as chamas que deflagraram na Serra da Lousã. Chefe de uma equipa de cinco elementos da Corporação de Bombeiros de Miranda do Corvo, José Augusto Dias tinha 39 anos de experiência enquanto bombeiro.

Filipe André Pedrosa, bombeiro voluntário de Leiria, morreu no último sábado, dia 18 de julho, durante uma operação de vigilância no local onde deflagrou um incêndio, em Santa Catarina da Serra. Tinha 34 anos e, de acordo com a comunicação social, tinha sido pai há três dias.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta o seu pesar pelo falecimento de José Augusto Dias e de Filipe André Pedrosa e apresenta sentidas condolências às suas famílias, amigos e colegas das respetivas corporações de bombeiros.

Palácio de São Bento, 23 de Julho de 2020.

O Deputado e as Deputadas do PAN: André Silva — Bebiana Cunha — Inês de Sousa Real.

———

PROJETO DE VOTO N.º 296/XIV/1.ª DE PESAR PELA MORTE EM SERVIÇO DOS BOMBEIROS FILIPE ANDRÉ AZINHEIRO PEDROSA E

JOSÉ AUGUSTO DIAS FERNANDES

No dia 18 de julho, morreu enquanto participava em operação de rescaldo e vigilância para prevenção de reacendimento de incêndio, em Leiria, o bombeiro Filipe André Azinheiro Pedrosa, de 34 anos. A trágica morte de Filipe Pedrosa, também filho de um bombeiro e reconhecido entre os seus pares como «um bombeiro excecional, sempre disponível a ajudar os outros», pai há três dias, é a mais recente de uma série de infortúnios que têm acometido esta classe profissional.

Também no dia 11 de julho passado, na Lousã, faleceu o bombeiro José Augusto Dias Fernandes, com 55 anos de idade, enquanto combatia um incêndio na serra da Lousã. Era reconhecido pelos seus colegas como alguém que queria estar «sempre na frente, sempre a dar o seu melhor», sendo sempre um exemplo para todos na corporação.

Estamos na fase mais aguda dos incêndios rurais no nosso País, que ocorre tradicionalmente nos meses de verão, e os soldados da Paz estão sempre na primeira linha do combate ao fogo, arriscando a sua integridade física e a própria vida em prol da comunidade. O elevado número de incêndios que ocorre anualmente no nosso país expõe ao perigo as nossas e nossos bombeiros, o que se traduz demasiadas vezes em ferimentos ou mesmo na morte.

Os soldados da paz são tantas vezes os heróis dos verões de incêndios, um exemplo pela sua coragem, tão inteira que colocam em risco o que têm de maior, a vida, em defesa de todos nós. Não os esquecemos, não os esqueceremos.

Assim, a Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta o seu pesar pelo falecimento de Filipe André Azinheiro Pedrosa e José Augusto Dias Fernandes e transmite as suas condolências aos seus familiares, amigos, colegas de profissão e às corporações que integravam.

Palácio de São Bento, 23 de julho de 2020.

Autores: Pedro Delgado Alves (PS) — Duarte Marques (PSD) — Pedro Filipe Soares (BE) — Telmo Correia (CDS-PP) — André Silva (PAN) — João Cotrim de Figueiredo (IL) — Joacine Katar Moreira (N insc.)

Páginas Relacionadas
Página 0008:
II SÉRIE-B — NÚMERO 52 8 — Cristina Rodrigues (N insc.) — Alma Rivera (PCP)
Pág.Página 8
Página 0009:
25 DE JULHO DE 2020 9 Rui Cristina (PSD) — Rui Cruz (PSD) — Rui Rio (PSD) — Rui Sil
Pág.Página 9