O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

30 DE ABRIL DE 2021

11

sendo condecorada, no passado dia 26 de abril, com a Medalha de Mérito Cultural pelo Ministério da Cultura,

numa cerimónia na sua residência, na Ilha da Madeira.

Nasceu a 9 de dezembro de 1930, na Ilha da Madeira, na cidade do Funchal. Aos 20 anos de idade iniciou

o curso especial de pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, terminando em 1956. Inaugurou o seu

percurso artístico, de forma individual, numa exposição, em 1955, no Clube Funchalense.

Em 1958, a Fundação Calouste Gulbenkian atribui-lhe uma bolsa de Estudos. Nesse mesmo ano inicia o

projeto de publicação de uma revista, impressa à mão, em serigrafia, conjuntamente com artistas portugueses

como René Bertholo, Costa Pinheiro, Gonçalo Duarte, José Escada, João Vieira, e o alemão Jan Voss e o

búlgaro Christo Javacheff. Este coletivo concretizou quatro importantes exposições que marcam, segundo a

crítica, o início dos anos 60 no panorama artístico português.

Posteriormente, surgiram diversos convites para expor nos principais centros europeus, como na 1.ª Bienal

de Paris (1961) e na VI Bienal de San Marino (1967), abrindo-se, assim, portas à divulgação da obra de Lourdes

Castro em inúmeras exposições internacionais.

Até 1960, a obra de Lourdes Castro é marcada pela abstração lírica. Em 1961 abandona a pintura, iniciando

o seu trabalho sob influência do Nouveau Réalisme.

Ao longo da década de 60, através da serigrafia, Lourdes Castro desenvolve trabalhos sobre o tema a

«Sombra», reunindo, a parir de 1965, várias referências imagéticas e literárias nos vários volumes do

denominado «Álbum de Família». Em 1965, inicia-se nas artes performativas, realizando um filme experimental

com sombras, e em 1966, inicia projetos de encenação no teatro de sombras, com espetáculos como «As Cinco

Estações» (1976) ou «Linha do Horizonte» (1981).

Lourdes Castro foi galardoada com prémios como: a Medalha do Concelho Regional Salon de Montrouge

(Paris, 1995), o Grande Prémio EDP Arte (Lisboa, 2000), o Prémio CELPA/Vieira da Silva – Artes Plásticas

Consagração (2004) e o Prémio Árvore da Vida – Padre Manuel Antunes (2015), atribuído pela Igreja Católica.

Foi, ainda, distinguida com o Prémio Artes Visuais (2010) pela Associação Internacional de Críticos de Arte.

Assim, a Assembleia da República, congratula Lourdes Castro por toda o seu percurso como artística

plástica, com um papel relevante na arte nacional e mundial, reconhecida em Portugal e internacionalmente.

Palácio de São Bento, 28 de abril de 2021.

Os Deputados do PS: Marta Freitas — Rosário Gambôa — Carlos Pereira — Olavo Câmara — Paulo Porto

— Ana Paula Vitorino — José Magalhães — Luís Capoulas Santos — Sara Velez — Cristina Sousa — Mara

Coelho — Carla Sousa — Raquel Ferreira — Bruno Aragão — Sofia Araújo — Cristina Mendes da Silva —

Eurídice Pereira — Ana Passos — Maria da Graça Reis — Norberto Patinho — Lúcia Araújo Silva — Susana

Correia — Romualda Fernandes — José Rui Cruz — Ivan Gonçalves — Filipe Pacheco — Clarisse Campos —

Rita Borges Madeira — Maria Joaquina Matos — Nuno Fazenda — José Manuel Carpinteira — Jorge Gomes

— João Miguel Nicolau — Fernando Paulo Ferreira — Martina Jesus — Fernando José — Hortense Martins.

———

PROJETO DE VOTO N.º 560/XIV/2.ª DE SOLIDARIEDADE COM O POVO UCRANIANO FACE À ESCALADA AGRESSIVA DO REGIME DE

KIEV

Nos últimos meses tem-se assistido a uma grave escalada das ações militares do regime de Kiev na região

do Donbass. Em fevereiro, as forças armadas da Ucrânia anunciaram que haviam iniciado a preparação para

«ações ofensivas em meio urbano», tendo-se verificado o significativo aumento da concentração de meios

militares ucranianos na zona de delimitação do Donbass, assim como a intensificação dos bombardeamentos

contra os territórios das autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk, causando novas vítimas mortais

entre a população.

Páginas Relacionadas
Página 0012:
II SÉRIE-B — NÚMERO 41 12 Sublinhe-se que o regime de Kiev insiste no incump
Pág.Página 12