O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

II SÉRIE-B — NÚMERO 12

2

PROJETO DE VOTO N.º 65/XV/1.ª

DE CONGRATULAÇÃO PELA ATRIBUIÇÃO DO PRÉMIO LEYA 2021 AO POETA E ESCRITOR JOSÉ

CARLOS BARROS

O poeta e escritor, José Carlos Barros, venceu o Prémio LeYa 2021 com a obra As Pessoas Invisíveis.

O «trabalho de linguagem, o domínio de uma oralidade telúrica a contrastar com a riqueza de vocabulário e

de referências histórico-sociais» deste romance, que nos transporta numa viagem por vários tempos da

história recente de Portugal desde a década de 40 do século XX, levaram o júri deste Prémio, ao qual

concorreram 732 originais, a anunciar, por unanimidade, José Carlos Barros como vencedor.

O Prémio LeYa é um dos principais galardões para romances inéditos em língua portuguesa. Instituído com

o objetivo de incentivar a produção de obras em português, já foi atribuído a vários autores consagrados como

sejam os brasileiros Itamar Vieira Júnior e Murilo Carvalho, o moçambicano João Paulo Borges Coelho e os

portugueses João Ricardo Pedro, Nuno Camarneiro, Gabriela Ruivo, Afonso Reis Cabral, António Tavares e

João Pinto Coelho.

José Carlos Barros, nasceu em Boticas em 1963 e licenciou-se em arquitetura paisagista. Ainda jovem,

mudou-se para Vila Nova de Cacela, no Algarve, onde se distinguiu ao longo da sua carreira, no exercício de

diversas atividades técnicas e políticas, nomeadamente como autarca e Deputado à Assembleia da República.

No entanto, a criação literária tem sido a sua paixão. A sua obra poética é vasta e rica. Publicou vários

livros de poesia, a saber: Uma Abstracção Inútil, Todos os Náufragos, Teoria do Esquecimento, Pequenas

Depressões (com Otília Monteiro Fernandes), As Leis do Povoamento, O Uso dos Venenos,A Educação das

Crianças, Estação: Os Poemas do DN Jovem 1984-1989, e Penélope Escreve a Ulisses.

Em 2003 José Carlos Barros, estreou-se na prosa com o conto O Dia em Que o Mar Desapareceu. O

Prazer e o Tédio foi o seu primeiro romance, seguido de Um Amigo Para o Inverno com o qual foi finalista do

Prémio LeYa em 2012.

Vencedor de vários prémios literários, de destacar o Prémio Nacional de Poesia Sebastião da Gama que

lhe foi atribuído duas vezes.

José Carlos Barros tem os seus textos poéticos publicados em diversas línguas.

Assim, a Assembleia da República congratula-se pela atribuição deste importante Prémio a José Carlos

Barros, o que vem acentuar o reconhecimento da sua vasta obra literária bem como realçar o seu contributo

para o enriquecimento da literatura portuguesa.

Palácio de São Bento, 19 de maio 2022.

Os Deputados do PSD: Paulo Rios de Oliveira — Luís Gomes — Fernanda Velez — Alexandre Poço —

Cláudia Bento — Guilherme Almeida — Gustavo Duarte — Inês Barroso — Maria Emília Apolinário —

Cristiana Ferreira — Firmino Marques — Hugo Maravilha — João Marques — João Montenegro — Pedro Melo

Lopes — Rui Vilar — Emília Cerqueira — Rui Cristina — Ofélia Ramos — José Silvano.

———

PROJETO DE VOTO N.º 66/XV/1.ª

DE CONGRATULAÇÃO A CATARINA COSTA PELA CONQUISTA DA MEDALHA DE PRATA NO

CAMPEONATO DA EUROPA DE JUDO – SÓFIA 2022

A judoca Catarina Costa conquistou, no passado dia 29 de abril, a Medalha de Prata na categoria -48 kg de

peso nos Europeus de Judo, em Sófia, sagrando-se Vice-Campeã da Europa. Catarina Costa, da Académica

de Coimbra, é quarta no ranking mundial, sendo esta Medalha de Prata a sua primeira conquista em grandes

campeonatos.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
28 DE MAIO DE 2022 3 A competição que decorreu na capital búlgara entre os dia 29 d
Pág.Página 3