O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

 

das nossas propostas sejam de reposição de um ou outro aspecto, mas outras não necessariamente.
Uma primeira questão que é reposta é a da proibição da extradição de cidadãos portugueses do território nacional. Como é sabido, a grande maioria dos Estados inclui esta regra na sua ordem constitucional, não extradita os seus nacionais para outros países. Portugal manteve esta regra constitucional durante muitos anos, eliminou-a há poucos anos e, a nosso ver, eliminou-a mal. Achamos que os cidadãos nacionais que estejam em território nacional devem ser julgados em Portugal, de acordo com as nossas regras, e não devem ser extraditados para outros países.
E esta possibilidade de extradição é tanto mais grave quanto, como demonstrarei em seguida, hoje em dia, a nossa Constituição permite - mal, mas permite - a possibilidade de extradição para países onde vigora a prisão perpétua, embora com uma salvaguarda que não nos parece que seja minimamente curial ou aceitável. E esta é a segunda questão.
Entendemos que não deve ser permitida a extradição nem a entrega a qualquer título - e esta ressalva da entrega é importante, porque, hoje em dia, é sabido que se procura, através da consagração de uma figura mais expedita, designada entrega, contornar regras mais exigentes aplicáveis à extradição, quando substancialmente a realidade é a mesma - quando ao crime corresponda a possibilidade de aplicação de prisão perpétua ou de duração indefinida, sendo que as garantias que estão constitucionalmente inscritas para a não aplicação dessa pena não dão qualquer garantia, porque se diz apenas "(…) desde que o Estado requisitante ofereça garantias de que tal pena ou medida de segurança não será aplicada ou executada", ressalva que também consta do projecto apresentado pela maioria.
É que, como já foi dito, não sei qual é o Governo, dado que estamos aqui a falar de relações intergovernamentais, que, num Estado de direito democrático, pode garantir que uma determinada pena inscrita na sua ordem jurídica não será aplicada. Imaginemos, por exemplo, que em Portugal vigorava a pena de prisão perpétua - felizmente não vigora - e que havia alguém que aqui estava acusado por um crime que poderia configurar a possibilidade de condenação nessa pena, pergunto que garantia é que o Governo português poderia dar a qualquer governo congénere de que em Portugal essa pena não seria aplicada, quando essa decisão competiria única e exclusivamente ao tribunal que iria julgar esse processo.
Ora bem, seria assim em Portugal, se houvesse prisão perpétua, e tem de ser assim em qualquer Estado de direito. Só num Estado onde não exista separação de poderes é que será possível que estas garantias sejam dadas. E, aliás, não é a primeira vez que discutimos isto; várias personalidades ouvidas nesta Comissão, designadamente pessoas com conhecido prestígio na área do Direito Penal e do Direito Processual Penal, chamaram a atenção para isto, de que estas garantias não são garantias, porque só num Estado em que não haja separação de poderes é que estas garantias podem ser dadas com alguma eficácia. E isto também não nos conforta, como é evidente.
Portanto, a única forma de prevenir a não aplicação de penas de carácter perpétuo, que não são aceitáveis à face da ordem jurídica portuguesa, seria através do que propomos no n.º 4, que é, numa situação dessas, os tribunais portugueses serem competentes para proceder a esse julgamento, segundo as regras do direito português.
Quando se discutiu, há uns anos atrás, esta questão e nós nos opusemos à possibilidade de extradição para países onde vigorasse a prisão perpétua, quando ao caso concreto essa pena pudesse ser aplicada, fomos acusados de querer criar aqui um santuário, em que Portugal poderia tornar-se num refúgio de criminosos procurados pela justiça de outros países. Mas, para que isso não aconteça - e já nessa altura essa acusação não era verdadeira -, fazemos acompanhar a nossa proposta de proibição de extradição nesses casos pela competência expressa dos tribunais portugueses para o julgamento dos cidadãos que não possam ser extraditados por força da aplicação dos números anteriores.
Portanto, obviamente que, quer em relação a cidadãos portugueses que não possam ser extraditados quer em relação a outro tipo de cidadãos que também não possam ser extraditados, não queremos criar aqui qualquer margem de impunidade, cremos é que eles sejam julgados, sim, mas julgados de acordo com as regras que pensamos que são justas e que devem ser aplicadas.
Este é, pois, o sentido da nossa proposta, e expliquei já por que é que não consideramos adequada a proposta feita pela maioria nesta matéria.
Finalmente, voltamos a propor que a lei possa regular a concessão do direito de asilo por razões humanitárias. Esta possibilidade vigorou na lei em Portugal durante muitos anos, designadamente, se não estou em erro, entre 1980 e 1993, que foi quando se procedeu a uma revisão da lei de asilo, que eliminou esta possibilidade. E, a nosso ver, eliminou mal, vindo a substituir mais tarde esta possibilidade da concessão de asilo por razões humanitárias por uma outra figura que está hoje em vigor, que é a da protecção temporária.
Obviamente que não nos opomos à existência de uma figura de protecção temporária, que foi utilizada designadamente naquele período em que se refugiaram em Portugal vários cidadãos do Kosovo, da Bósnia, enfim, em várias situações dessas, mas o que, do nosso ponto de vista, é negativo é que, depois de ter vigorado, durante 12 anos, na lei de asilo portuguesa a possibilidade de ser concedido asilo a cidadãos perseguidos devido a conflitos armados ou a violações de direitos humanos sistemáticas nos seus países de origem, essa possibilidade tenha sido eliminada, sendo certo que as violações de direitos humanos e os conflitos armados, infelizmente, não diminuíram e continuaram a existir em muitos países.
Portanto, as razões que havia para que, entre 1980 e 1993, existisse esta possibilidade na lei portuguesa subsistiram, até se reforçaram, e, entretanto, o legislador português eliminou essa possibilidade, que é uma possibilidade muito relevante, porque o asilo destina-se fundamentalmente a possibilitar a concessão de um determinado estatuto, o estatuto de refugiado, a cidadãos que sejam perseguidos politicamente em virtude das suas actividades. Esta é uma vertente e uma vertente fundamental que nos é muito cara.
No entanto, não era essa a única possibilidade e, portanto, admitia-se também que o estatuto de refugiado pudesse ser concedido a alguém que fosse perseguido sistematicamente já não apenas por razões da sua convicção política ou da sua acção política mas por outras razões, designadamente por violações de direitos humanos. E uma

Páginas Relacionadas
Página 0152:
  O Sr. Presidente (José de Matos Correia): - Srs. Deputados, temos quórum, pelo que declar
Pág.Página 152
Página 0153:
  pena privativa da liberdade com carácter perpétuo; é preciso saber que Estado é que está
Pág.Página 153
Página 0155:
  questão que, ainda não há muitos anos, se discutiu entre nós foi o problema da excisão fe
Pág.Página 155
Página 0156:
  A Sr.ª Assunção Esteves (PSD): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Gostaria de comentar a p
Pág.Página 156
Página 0157:
  O Sr. Presidente: - Para uma segunda intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado António Fi
Pág.Página 157
Página 0158:
  ao artigo 35.º, para o qual existe uma única proposta de alteração, apresentada pelo Part
Pág.Página 158
Página 0159:
  nesta matéria, que já permitiu deter uma mãe que louvava a prestação teatral do seu filho
Pág.Página 159
Página 0160:
  suscitar a necessidade de reponderação do sistema de regulação da comunicação social.
Pág.Página 160
Página 0161:
  dizer-se que é potencialmente o mais importante de todos, como se tivesse substituído a v
Pág.Página 161
Página 0162:
  Dirão alguns, porventura os mais conservadores, que esta alteração não trouxe nada de vul
Pág.Página 162
Página 0163:
  autoridade reguladora da comunicação social com consistência e densidade, é absolutamente
Pág.Página 163
Página 0164:
  Diria que a construção de uma retórica de limitação dos direitos de liberdade de imprensa
Pág.Página 164
Página 0165:
  que têm que ver com os princípios constitucionais, pode e deve configurar editorialmente
Pág.Página 165
Página 0166:
  de 2/3, parece correcto tentar aqui encontrar um equilíbrio entre aquilo que deve ser den
Pág.Página 166
Página 0167:
  talvez fosse uma boa oportunidade para dispensar esse truísmo da economia constitucional.
Pág.Página 167
Página 0168:
  acaba de fazer em termos de estratégia de revisão constitucional suscita-nos alguma perpl
Pág.Página 168
Página 0169:
  A relação entre estas duas categorias é uma relação que se traça basicamente assim: a mai
Pág.Página 169
Página 0170:
  O Sr. António Filipe (PCP): - Sr. Presidente, Srs. Deputados: Sem prejuízo de observações
Pág.Página 170
Página 0171:
  O Sr. Luís Marques Guedes (PSD): - Isso é difícil! O Sr. António Filipe (PCP): - A
Pág.Página 171
Página 0172:
  programático e prospectivo, a comunicação social fique atreita às baias da verdade, sem p
Pág.Página 172
Página 0173:
  essa lei, também na nossa proposta, sufragada nos precisos termos pelo Partido Socialista
Pág.Página 173
Página 0174:
  ele pode ser aprofundado de forma adequada e promocional, dentro daquela ideia em relação
Pág.Página 174
Página 0175:
  ou na parte de consumação e até de agravamento da lesão. Significa isto que, se se op
Pág.Página 175
Página 0176:
  Neste artigo, está consignado o direito de os cidadãos constituírem livremente associaçõe
Pág.Página 176
Página 0177:
  Luís Fazenda - e é sempre importante nestas questões não se trazerem grandes surpresas ao
Pág.Página 177
Página 0178:
  é que não podem participar do ponto de vista do direito de sufrágio. O que me deixa a
Pág.Página 178
Página 0179:
  do texto constitucional (que, como foi dito, têm em comum a matéria dos direitos, liberda
Pág.Página 179
Página 0180:
  dizê-lo, com esta proposta, não se pretende beliscar minimamente, tem determinado ou cond
Pág.Página 180
Página 0181:
  O Sr. Alberto Martins (PS): - Sr. Presidente, quero apenas dizer que recusamos qualquer r
Pág.Página 181
Página 0182:
  O Sr. Presidente: - Naturalmente que sim, Sr. Deputado. O Sr. Gonçalo Capitão (PSD)
Pág.Página 182
Página 0183:
  O Sr. Alberto Martins (PS): - Sr. Presidente, dá-me licença? O Sr. Presidente: - Fa
Pág.Página 183
Página 0184:
  a obrigatoriedade da consulta às associações ambientalistas. Em nosso entender, este prec
Pág.Página 184
Página 0185:
  Portanto, esta consagração constitucional vai, de facto, resolver esse problema e parece-
Pág.Página 185
Página 0186:
  Não nos parece que este objectivo de política concreta deva ser constitucionalizado, pese
Pág.Página 186
Página 0187:
  no sentido de que o ensino secundário seja universal e obrigatório. Ouvi com muito ag
Pág.Página 187
Página 0188:
  as liberdades, todos os direitos, todas as garantias, mas, obviamente, estamos aqui a fal
Pág.Página 188