O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

38 | I Série - Número: 035 | 7 de Janeiro de 2011

durante uma iniciativa da CDU que está a decorrer em Braga (»), salientando que ‘há que ter sentido da medida’, pois ‘foi um negócio privado’«.
«Do mesmo modo o CDS-PP, por intermçdio de Paulo Portas, classificou como ‘um facto normal? que o Presidente da Repõblica tenha tido acções da Sociedade Lusa de Negócios (»)«.
Já no que respeita ao Bloco de Esquerda, diz a notícia: «Por seu turno,»

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Já agora, o que disse o PSD?!

O Sr. Luís Montenegro (PSD): — » o candidato do Bloco de Esquerda ás eleições europeias, Miguel Portas, no final de uma iniciativa de campanha, na Marateca, salientou que ter sido accionista do BPN não é ‘pecado’ e que Cavaco Silva já vendeu as suas acções em 2003, pelo que a história já é antiga e não existe qualquer novidade».
Vou repetir o que disse Miguel Portas, em 2009: «não há qualquer novidade»! Diz Francisco Louçã, em 2011: «há uma novidade, no dia 23 de Janeiro há eleições presidenciais».

Aplausos do PSD.

E há um exercício de oportunismo, que já hoje aqui classificámos, e reiteramos, de indecente, por parte de alguns partidos e de alguns candidatos, que desprestigia a política e também este Parlamento, mas que tem na génese o desespero desse «casal», desse matrimónio político que une PS e BE à volta da tristonha campanha de Manuel Alegre.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Sónia Fertuzinhos.

A Sr.ª Sónia Fertuzinhos (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: No final deste debate, gostava de me referir directamente à intervenção que acabámos de ouvir do Sr. Deputado Luís Montenegro, saudandoo pela mesma, porque resulta numa clara correcção da intervenção do seu colega de bancada neste mesmo debate.
De facto, percebo que tenha tido a necessidade de vir elucidar que, afinal, o PSD está interessado em esclarecer tudo sobre o BPN — antes da nacionalização e depois da nacionalização. Porque o PSD percebe, ou deve perceber, uma coisa muito clara: quem desvaloriza o que se passou antes da nacionalização para valorizar o que se passa depois da nacionalização não faz outra coisa senão encobrir muito do que foi feito, e de forma criminosa, antes da nacionalização e que esteve na base de necessidade de se proceder à mesma.

Aplausos do PS.

Queria ainda dizer, de uma forma muito clara, que o PS está neste debate, como sempre esteve em todos os debates sobre a questão do BPN, na posição de permitir que tudo seja esclarecido, que tudo seja questionado, que todos os dados sejam disponibilizados, desde logo ao Parlamento, para que cada uma das bancadas faça a avaliação que entender dever fazer sobre esta matéria. E foi por isso que na Comissão de Orçamento e Finanças viabilizámos todas as audições que serão feitas, na próxima semana, sobre esta matéria.
Refiro ainda, Sr. Deputado, que não vale a pena virem aqui ensaiar uma espécie de vitimização do PSD e do candidato a Presidente da República Cavaco Silva, acusando os partidos de instrumentalizarem esta questão para fragilizarem o candidato Cavaco Silva. De facto, não entramos nessa discussão nem fazemos esse papel, mas imaginemos por um segundo o que não estaria o PSD a dizer se em causa estivesse o Eng.º José Sócrates.

Aplausos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0041:
41 | I Série - Número: 035 | 7 de Janeiro de 2011 Srs. Deputados, em primeiro lugar, vamos
Pág.Página 41