O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 87

6

paralelamente, apontar o futuro do País na União Europeia; reforçar a subordinação ao federalismo; reforçar a

submissão do País ao diretório europeu, com ou sem troica; reforçar as consequências do Tratado

Orçamental, sem adenda para o crescimento, que aprovaram em sintonia e em consenso com o Partido

Socialista.

Pois é!… Aprovaram-no em consenso e em sintonia com o Partido Socialista. Reparou na observação do

Deputado Vitalino Canas?

A Sr.ª Presidente: — Queira fazer o favor de terminar, Sr. Deputado.

O Sr. Honório Novo (PCP): — Termino já, Sr.ª Presidente.

O Sr. Deputado Vitalino Canas até diz que estes projetos de resolução são inócuos. Nós bem os

entendemos!… A razão de um agendamento potestativo desta natureza não terá sido a de mostrar ao mundo,

à União Europeia e ao mercado que o PS, afinal, está de acordo com os princípios europeus da austeridade,

com os princípios europeus da recessão, com os princípios europeus da promoção do desemprego, embora,

em Portugal, naturalmente, vá dizendo o contrário?!

Aplausos do PCP e de Os Verdes.

A Sr.ª Presidente: — Para pedir esclarecimentos, tem a palavra o Sr. Deputado José Luís Ferreira.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Sr.ª Presidente, o Sr. Deputado António Rodrigues fez agora a

apresentação de três projetos de resolução sobre matéria importante, sobre a Europa ou, melhor, sobre a

construção europeia e, com estas iniciativas, ficamos todos a saber que os partidos da maioria também estão

preocupados com o caminho que a Europa está a seguir. Afinal, nem tudo são rosas.

Mas, ainda, ficamos a saber que os partidos da maioria também consideram que o Governo não está a

fazer o seu trabalho, porque se assim fosse não haveria, certamente, necessidade de os partidos que

suportam o Governo estarem, agora, a recomendar que o Governo assuma, por exemplo, uma posição

concertada de debate nas instâncias europeias.

Se o Governo estivesse a fazer o seu trabalho, não haveria necessidade de os partidos da maioria terem

de recomendar ao Governo que assuma, no quadro das decisões europeias, por exemplo, medidas decisivas

de combate ao desemprego.

Se os partidos da maioria consideram necessário recomendar ao Governo que assuma orientações

nacionais vocacionadas para a promoção do emprego e da inclusão social é porque o Governo não está —

como, de facto, não está — a promover o emprego e a inclusão social. Mas isso já todos nós sabíamos.

A novidade que resulta destas iniciativas é a de que, agora, também os partidos da maioria, PSD e CDS,

reconhecem que o Governo não está a promover o emprego e a inclusão social. Mas, no «mar» de

recomendações que a maioria hoje propõe (são 15+23, ou seja, 38 recomendações, fora as 5 que são

dirigidas à Assembleia da República), o que é essencial, ao nível da União Europeia, acabou por ficar de fora.

E aquilo que, a nosso ver, é essencial tem a ver com o papel do Banco Central Europeu (BCE). Em 40

recomendações, nem uma sobre a necessidade de rever o papel do BCE, que continua inibido de financiar

diretamente os Estados-membros.

Mas, Sr. Deputado António Rodrigues, no ponto 4 do projeto de resolução n.º 708/XII, os partidos da

maioria recomendam ao Governo que assuma, e passo a ler, «(…) orientações nacionais de acordo com uma

estratégia de desenvolvimento sustentado, assente nos seguintes vetores: promoção da competitividade e

internacionalização da economia, através do reforço da competitividade das PME (…)» — sublinho o reforço

da competitividade das pequenas e médias empresas. Muito bem!

Sucede que as pequenas e médias empresas vivem hoje numa agonia absolutamente sufocante e, para se

falar de competitividade das pequenas e médias empresas, é necessário que essas empresas tenham, de

facto, acesso ao crédito por parte da banca.

Sr. Deputado, o Governo já gastou cerca de 6000 milhões de euros em ajuda à banca. Não considera que

seria sensato que o Governo obrigasse os bancos que já receberam ajudas do Estado, ou que estão em vias

de as receber, a estabelecerem metas quantitativas de apoio às pequenas e médias empresas? Não

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 87 2 A Sr.ª Presidente: — Srs. Deputados, Srs. Jorna
Pág.Página 2
Página 0003:
10 DE MAIO DE 2013 3 O Sr. António Rodrigues (PSD): — Quando nos encontramos
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 87 4 Estamos aqui para reafirmar as nossas posições,
Pág.Página 4
Página 0005:
10 DE MAIO DE 2013 5 a melhoria da qualidade do ensino e formação, a integração das
Pág.Página 5
Página 0007:
10 DE MAIO DE 2013 7 considera que seria uma medida relevante para o objetivo que o
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 87 8 A Sr.ª Presidente: — Também para pedir esclarec
Pág.Página 8
Página 0009:
10 DE MAIO DE 2013 9 O Sr. António Rodrigues (PSD): — Sr.ª Presidente, Srs. Deputad
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 87 10 Na maior parte dos casos — e esta também foi a
Pág.Página 10
Página 0011:
10 DE MAIO DE 2013 11 Mas há uma coisa que um conservador percebe bem: que a realid
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 87 12 O Sr. João Serpa Oliva (CDS-PP): — Conf
Pág.Página 12
Página 0013:
10 DE MAIO DE 2013 13 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — E lembre-se que foram o PS e
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 87 14 O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente
Pág.Página 14
Página 0015:
10 DE MAIO DE 2013 15 O Sr. Bernardino Soares (PCP): — Paulo Portas e o CDS
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 87 16 desenvolvimento sustentável, só para citar alg
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE MAIO DE 2013 17 tentativa de ter posições comuns do Parlamento à custa do sac
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 87 18 A segunda nota é para dizer ao Sr. Deputado do
Pág.Página 18
Página 0019:
10 DE MAIO DE 2013 19 Mais do que nunca, o próximo ciclo de fundos estruturais de a
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 87 20 Deve, por isso, o Governo envidar esforços no
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE MAIO DE 2013 21 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para responder, tem a p
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 87 22 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Para uma
Pág.Página 22
Página 0023:
10 DE MAIO DE 2013 23 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar,
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 87 24 E, depois disto, o PSD e o CDS vêm propor que
Pág.Página 24
Página 0025:
10 DE MAIO DE 2013 25 O Sr. Presidente (Guilherme Silva): — Faça favor de terminar,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 87 26 por fazer. Muitas vezes, entende-se que está t
Pág.Página 26