O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

68 | I Série - Número: 064 | 4 de Junho de 2010

que ele naturalmente envolve, porque estão em causa países com perspectivas diferentes e com interesses diversos, ou se em nome de qualquer impulso populista momentâneo estamos dispostos a abdicar deste esforço e a seguir por uma via isolacionista que teria consequências trágicas para o nosso país!

O Sr. Sérgio Sousa Pinto (PS): — Muito bem!

O Sr. Francisco de Assis (PS): — Essa solução de «Portugal orgulhosamente só» lá por ser em versão de extrema-esquerda não é melhor do que a anterior versão de extrema-direita.

Aplausos do PS.

Vozes do PCP: — Tenha vergonha!

O Sr. Francisco de Assis (PS): — Por isso, queremos uma solução dentro da Europa.
A terminar, quero também dizer ao PSD que não aceitamos essa imputação de responsabilidades. E por uma razão muito simples: é que podemos apresentar factos históricos que desmentem em absoluto a tese que o Sr. Deputado Miguel Macedo acabou de enunciar.
O facto histórico é muito simples e é recente: é que no primeiro governo do Eng.º José Sócrates houve uma preocupação séria de redução do défice orçamental. E essa preocupação traduziu-se numa capacidade efectiva de redução do défice orçamental! Não me recordo de nenhum governo do PSD em que se tivesse alcançado,»

Aplausos do PS.

Protestos do PSD.

» de forma tão sustentada e progressiva, com tanto sucesso, uma reforma, uma alteração dessa natureza! A situação é de emergência no plano europeu, é de emergência no plano nacional e exige de todos nós grandeza. Creio que o Governo a tem revelado, e tem-no feito porque assume posições difíceis, porque assume medidas reconhecidamente difíceis e duras.

Protestos do Deputado do PCP João Oliveira.

Mas assume-as porque compreende que elas hoje são essenciais para garantir um futuro para o nosso país, para a nossa economia, para as nossas finanças. Estamos aqui sem qualquer tipo de reserva mental e o País também saberá avaliar na hora própria quem actua com reserva mental e quem actua apenas em obediência a um princípio de servir o interesse nacional!

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado Miguel Macedo para uma nova intervenção.

O Sr. Miguel Macedo (PSD): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Intervenho de novo, porque não quero deixar passar em claro algumas das palavras agora proferidas pelo Sr. Deputado Francisco de Assis.
O Sr. Deputado Francisco de Assis e a bancada do Partido Socialista farão o entendimento que quiserem sobre a história recente das finanças públicas e a evolução das questões que têm que ver com o Orçamento.
Por mim, vou repetir exactamente o que dizemos há sete anos: os senhores, com condições políticas excepcionais no anterior mandato, desperdiçaram a oportunidade de fazer uma consolidação correcta das contas públicas!

Aplausos do PSD.

Páginas Relacionadas
Página 0067:
67 | I Série - Número: 064 | 4 de Junho de 2010 É certo que, nesta matéria, hoje estamos aq
Pág.Página 67