O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 94

26

Acha isto bem, Sr. Primeiro-Ministro? Isto é que é ser amigo para si? Olhe, com amigos destes não

precisamos de inimigos — é assim que se costuma dizer, não é?

Aplausos do Deputado de Os Verdes José Luís Ferreira e do PCP.

O Governo é inimigo dos trabalhadores portugueses, não tenha dúvidas sobre isso.

Vejo que o Sr. Primeiro-ministro não respondeu à questão dos reformados, e percebo que esta indefinição,

esta baralhação na própria coligação cause grande incómodo ao Sr. Primeiro-Ministro. Mas o problema é que

os portugueses não podem andar mergulhados na vossa baralhação e os senhores não podem continuar a

prejudicar profundamente o País com esta indefinição por causa da vossa baralhação interna.

O Governo está desgastado e o Sr. Primeiro-Ministro tem consciência disso.

Para terminar, sobre a questão do investimento na economia, gostava de saber que resultado espera o Sr.

Primeiro-Ministro da estratégia agora anunciada pelo Governo relativamente às previsões de recessão para o

ano de 2013. Ou seja, as vossas previsões cresceram bastante, ao ponto de se prever uma recessão de 2,3%,

e eu pergunto: com esta estratégia brilhante, que acha que vai ter um resultado imenso, o Sr. Primeiro-Ministro

vem, com certeza, anunciar à Câmara que este nível, esta previsão de recessão vai baixar — só pode, Sr.

Primeiro-Ministro, não é verdade?

Diga-nos, portanto, quais são as previsões do Governo, decorrentes deste «magnífico» programa que o

Governo agora anuncia.

Sr. Primeiro-Ministro, este investimento de que os senhores agora falam beneficiará que empresas? O Sr.

Ministro de Estado e das Finanças disse que beneficiará as empresas que fizerem um investimento

significativo e eu gostava de saber o que é um investimento significativo e quais serão as empresas,

designadamente as micro, pequenas e médias empresas, que podem, neste momento, depois de os senhores

as terem estrangulado completamente, fazer investimentos significativos. Não têm essa capacidade, Sr.

Primeiro-Ministro!

Por outro lado, vão fazer investimentos para resultar no quê? Na impossibilidade de venda dos seus

produtos e serviços, porque não há mercado interno.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Nem mais!

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Os senhores mataram o mercado interno. O Sr. Primeiro-Ministro

não quer saber do mercado interno, mas o mercado interno é o pão, é o alimento dessas empresas. Se o

senhor lhes retira o alimento, essas empresas não sobrevivem.

Portanto, os senhores podem fazer as brincadeiras e as fantochadas que entenderem relativamente à

ajuda à economia, mas o que estão permanentemente a fazer é a esvaziar de capacidade, de dinamização a

economia, e o Sr. Primeiro-Ministro sabe disso.

Aplausos do Deputado de Os Verdes José Luís Ferreira e do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Sr. Primeiro-Ministro, tem a palavra.

O Sr. Primeiro-Ministro: — Sr.ª Presidente, apenas para dizer que os termos da questão da Sr.ª Deputada

Heloísa Apolónia não me permitem, por respeito ao Parlamento, responder.

Aplausos do PSD e do CDS-PP.

Protestos de Os Verdes e do PCP.

A Sr.ª Presidente: — Termina aqui o debate quinzenal…

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Peço a palavra para uma interpelação à Mesa, Sr.ª Presidente.

Páginas Relacionadas
Página 0027:
25 DE MAIO DE 2013 27 Protestos do PSD. A Sr.ª Presidente: — Faça fav
Pág.Página 27