O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

10 DE MARÇO DE 2017

27

Então, tem a palavra o Sr. Ministro das Finanças para distribuir respostas.

Faça favor, Sr. Ministro.

O Sr. Ministro das Finanças: — Sr. Presidente, Sr. Deputado José Luís Ferreira, como referi na intervenção

inicial, recebemos há uma semana um documento preliminar do grupo de trabalho que formámos para iniciar

esta discussão sobre a arquitetura do sistema financeiro. O que prevemos é, nas próximas semanas, tornar

público um documento que colocaremos em debate público durante um período de, aproximadamente, três

meses e pensamos que, posteriormente a esse debate, faremos as propostas legislativas que correspondam a

esta alteração.

Este é um debate, como percebemos das intervenções feitas hoje nesta Câmara, muito abrangente, que

requer um grau de consenso que o Governo considera que tem de ser muito alargado. Portanto, será

seguramente um debate muito rico, serão meses de debate bastante intenso.

O Sr. Deputado Duarte Pacheco fez algumas deturpações em relação ao que referi. Usei a palavra

«cooperação» para referir a cooperação institucional entre o Governo e os reguladores, o que é muito diferente

de subordinação.

O Sr. António Leitão Amaro (PSD): — Subordinação é o antónimo de cooperação!

O Sr. Ministro das Finanças: — Não sei exatamente qual é a interpretação que o Sr. Deputado dá às

palavras, mas garanto-lhe que cooperação é algo que temos utilizado de forma muito efetiva para resolver os

variadíssimos problemas que se colocavam no sistema financeiro português. E as enormes dificuldades que

esse sistema enfrentava no final de 2015 foram, com certeza, corrigidas com cooperação institucional com o

Banco de Portugal, a CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários), a associação de seguros, enfim,

com todos os reguladores financeiros existentes em Portugal.

Sobre a questão da partidarização, vou apenas referir que não foi este Governo que nomeou um anterior

secretário de Estado para a administração do Banco de Portugal.

Aplausos do PS.

Protestos do PSD e do CDS-PP.

Relativamente às questões que se colocam sobre interferência nas instituições, ainda ontem, na CPI

(Comissão Parlamentar de Inquérito), um antigo vice-presidente da Caixa fez notar muito claramente o que é

que o último Governo fez nessa matéria.

Aplausos do PS.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Isso, isso! Relembre!

O Sr. Ministro das Finanças: — É evidente, Sr. Deputado, que a recapitalização da Caixa foi insuficiente. É

evidente que houve vários empréstimos aos bancos, alguns dos quais, felizmente, com sucesso, instituições

que apenas em 2016 atingiram uma estabilização definitiva, e outros correram bastante mal, como aconteceu,

por exemplo, com o BANIF.

Portanto, estranho bastante que o Sr. Deputado venha aqui referir a resolução do BANIF como tendo sido

uma responsabilidade deste Governo, depois de oito planos de reestruturação não aprovados pela Comissão

Europeia…

Aplausos do PS.

… e um buraco de tal maneira grande no BANIF que não havia condições para que o Fundo de Resolução

interviesse…

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 61 2 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Srs
Pág.Página 2
Página 0003:
10 DE MARÇO DE 2017 3 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Vamos, então, às proposta
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 61 4 Se queremos uma supervisão melhor, o supervisor
Pág.Página 4
Página 0005:
10 DE MARÇO DE 2017 5 Um segundo exemplo tem a ver com o estabelecimento de regras
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 61 6 Todo o empenho no reforço da eficácia da regula
Pág.Página 6
Página 0007:
10 DE MARÇO DE 2017 7 Há ainda que atender à coordenação e troca de informações ent
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 61 8 foram medidas introduzidas na legislação nacion
Pág.Página 8
Página 0009:
10 DE MARÇO DE 2017 9 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Ah! A Sr.ª Ce
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 61 10 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — E fala de Víto
Pág.Página 10
Página 0011:
10 DE MARÇO DE 2017 11 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Partidarização?! A Sr.ª
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 61 12 profundamente alterado e que não é o que vigor
Pág.Página 12
Página 0013:
10 DE MARÇO DE 2017 13 … poderes que são de aprovação de nomes propostos, a
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 61 14 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Não
Pág.Página 14
Página 0015:
10 DE MARÇO DE 2017 15 Contudo, há uma coisa que é importante: se todos nós entende
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 61 16 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito
Pág.Página 16
Página 0017:
10 DE MARÇO DE 2017 17 Há muito que o papel do Estado deixou de ser o de dirigir a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 61 18 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — … porque, c
Pág.Página 18
Página 0019:
10 DE MARÇO DE 2017 19 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — O quê?!
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 61 20 … o tema offshore do debate político. A
Pág.Página 20
Página 0021:
10 DE MARÇO DE 2017 21 O Sr. Presidente: — Isso já não é uma interpelação, S
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 61 22 O Sr. Ministro das Finanças: — É eviden
Pág.Página 22
Página 0023:
10 DE MARÇO DE 2017 23 da dificuldade que o Conselho Nacional de Supervisores Finan
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 61 24 Basta, aliás, assistir ao à-vontade com que a
Pág.Página 24
Página 0025:
10 DE MARÇO DE 2017 25 contribuintes, mas o Sr. Primeiro-Ministro, no último debate
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 61 26 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Para interpel
Pág.Página 26
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 61 28 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Não havia v
Pág.Página 28
Página 0029:
10 DE MARÇO DE 2017 29 O Sr. Presidente: — Faça favor. O Sr. António
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 61 30 que supervisiona os seguros; o Conselho Nacion
Pág.Página 30
Página 0031:
10 DE MARÇO DE 2017 31 auditoria à Assembleia da República ou a quem é suposto ter
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 61 32 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Ah!…
Pág.Página 32
Página 0033:
10 DE MARÇO DE 2017 33 Banco de Portugal foi constituído como autoridade de resoluç
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 61 34 O Sr. Presidente: — A Mesa não regista
Pág.Página 34
Página 0035:
10 DE MARÇO DE 2017 35 Não tardou até que se percebesse que a supervisão e a regula
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 61 36 A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Não
Pág.Página 36
Página 0037:
10 DE MARÇO DE 2017 37 O Sr. João Oliveira (PCP): — Sim, Sr. Presidente. Nem é meu
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 61 38 Quanto à ética empresarial, o primeiro culpado
Pág.Página 38
Página 0039:
10 DE MARÇO DE 2017 39 Aplausos do CDS-PP. … que alguém venha d
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 61 40 gestores de conta que no dia a dia lidam com o
Pág.Página 40
Página 0041:
10 DE MARÇO DE 2017 41 A esta proposta de lei seguir-se-ão outros dois projetos, qu
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 61 42 — Recomenda ao Governo um estudo sobre insuces
Pág.Página 42