O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 54

8

Portanto, ainda que haja boas intenções legislativas, é preciso que os governos atuem no mesmo sentido

dessas intenções.

O Sr. Filipe Neto Brandão (PS): — Muito bem!

O Sr. Fernando Rocha Andrade (PS): — Sr.ª Deputada, são 12 projetos com muitas e díspares propostas

e com, talvez, pouca coerência. Há muitas com que, numa primeira leitura, concordo; há muitas que me parecem

inúteis, em que se mexe demais em artigos aparentemente apenas para se fazer aperfeiçoamentos ou, por

vezes, clarificações, creio eu, com pura inutilidade. Será preciso voltar a repetir, a meio do CPPT (Código de

Procedimento e de Processo Tributário), que o Código de Processo Civil é norma subsidiária para alguma coisa

qualquer quando o artigo 2.º do mesmo Código já diz que a norma subsidiária é para tudo?

A sentença oral que a Sr.ª Deputada refere na sua intervenção será assim tão diferente da sentença lida por

apontamentos que já hoje existe no Código de Processo Civil e é praticada?

Depois, há questões que merecem a nossa reserva ou a nossa não adesão. Merece a nossa reserva o

modelo proposto de o Governo monitorizar, juntamente com os conselhos superiores, a atuação dos tribunais.

Parece-nos que, a concretizar esse modelo de monitorização como está, há ali um problema qualquer de

configuração constitucional. Merece-nos imensas reservas a forma como os julgados de paz deixam de ser um

método alternativo de resolução de conflitos para passarem a ser um método forçoso de resolução de conflitos

e, portanto, passarem a ser como um tribunal. Merece-nos muitas reservas a forma como na jurisdição

administrativa e fiscal se pretende colmatar as deficiências do sistema privatizando, no fundo, para a arbitragem

a justiça tributária.

Aliás, neste aspeto, o CDS é o verdadeiro estereótipo da direita: no governo seca os recursos públicos para

que o sistema público não funcione e, depois, propõe a privatização desses mesmos serviços públicos.

Aplausos do PS.

Mas, Sr.ª Deputada, talvez a questão fundamental seja a seguinte: acredito que o CDS esteja a trabalhar

nestes projetos desde o princípio de 2016, mas eles deram entrada na sexta-feira passada. E quem, na sexta-

feira, tivesse levado os projetos para os ler chegava ao fim do dia de segunda-feira e via que os textos desses

mesmos projetos tinham sido substituídos por outros textos.

Portanto, não é possível fazer-se qualquer debate profundo e ponderado, nenhuma tomada de posição

consciente dos grupos parlamentares sem que tenha havido tempo para analisar a quantidade de projetos,

tempo para falar com os agentes, tempo para as várias discussões. E esse tempo não existiu por uma razão,

confessada na intervenção do CDS: a questão do CDS era ser o primeiro, a questão do CDS era, neste

campeonato à direita das propostas da justiça, dizer «nós pusemos aqui a nossa bandeirinha.» Essa era a

questão.

O Sr. Filipe Neto Brandão (PS): — É isso mesmo!

O Sr. Fernando Rocha Andrade (PS): — Os vários grupos parlamentares, na 1.ª Comissão, como a Sr.ª

Deputada sabe, face ao pacto da justiça, deliberaram, aliás, com o voto favorável do CDS, que se iria fazer um

conjunto de audições, não só às entidades que participaram na elaboração do pacto mas também, por exemplo,

aos Conselhos Superiores da Magistratura e do Ministério Público.

Pensamos que as propostas para a justiça merecem esse debate ponderado, esse debate participado antes

das tomadas de posição. Portanto, a minha pergunta, Sr.ª Deputada, é muito simples: está o CDS disponível

para não forçar uma votação destes projetos hoje ou amanhã e para deixar que baixem à Comissão, sem

votação, por forma a contribuírem para um debate que todos, por unanimidade, já tínhamos deliberado fazer?

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Para responder a estes dois pedidos de esclarecimento, tem

a palavra a Sr.ª Deputada Vânia Dias da Silva.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
2 DE MARÇO DE 2018 3 O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Sr.as e Srs. Deput
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 54 4 Embora aparentemente densas e algumas at
Pág.Página 4
Página 0005:
2 DE MARÇO DE 2018 5 Acresce a isso medidas mais permanentes, quer no âmbito do pro
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 54 6 ao direito e o regulamento das custas judiciais
Pág.Página 6
Página 0007:
2 DE MARÇO DE 2018 7 verdade, de uma jogada de antecipação, com toda a legitimidade
Pág.Página 7
Página 0009:
2 DE MARÇO DE 2018 9 Apelava ainda, de novo, às Sr.as Deputadas e aos Srs. Deputado
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 54 10 A Sr.ª Vânia Dias da Silva (CDS-PP): —
Pág.Página 10
Página 0011:
2 DE MARÇO DE 2018 11 Nós iremos apreciar as propostas que o CDS-PP aqui apresenta
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 54 12 Sr.as e Srs. Deputados, este pacto aborda, efe
Pág.Página 12
Página 0013:
2 DE MARÇO DE 2018 13 Deputada? Quer dizer que aquilo que propomos é que, nas causa
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 54 14 Risos do Deputado do PCP António Filipe. <
Pág.Página 14
Página 0015:
2 DE MARÇO DE 2018 15 diminuição de garantias que é inquietante. Designadamente, a
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 54 16 participação de entidades que tenham uma parti
Pág.Página 16
Página 0017:
2 DE MARÇO DE 2018 17 Portanto, achamos que não devemos criar mecanismos que tornem
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 54 18 Assim, era importante saber se o CDS concorda
Pág.Página 18
Página 0019:
2 DE MARÇO DE 2018 19 que, atenta a sua natureza estruturante do Estado de direito,
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 54 20 na taxa de resolução, na taxa de recuperação,
Pág.Página 20
Página 0021:
2 DE MARÇO DE 2018 21 Estou certo que, na diversidade dos nossos pontos de vista, t
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 54 22 O que é que o Governo tem feito? Criou um grup
Pág.Página 22
Página 0023:
2 DE MARÇO DE 2018 23 forma a que sejam permitidas escutas na investigação dos crim
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 54 24 O Sr. Fernando Anastácio (PS): — Aliás, compre
Pág.Página 24
Página 0025:
2 DE MARÇO DE 2018 25 Sr. Deputado, o Grupo Parlamentar do PSD quer vir para este d
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 54 26 A Sr.ª Susana Amador (PS): — Sim, Sr. P
Pág.Página 26
Página 0027:
2 DE MARÇO DE 2018 27 É extraordinário que essa seja a grande crítica àquilo
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 54 28 O Sr. Fernando Rocha Andrade (PS): — E
Pág.Página 28